"BRINCADEIRINHA! Ó O ALGORITMO"

UM ENSAIO CRÍTICO-REFLEXIVO SOBRE A PRODUÇÃO DE UMA COSMOVISÃO A PARTIR DO CONTROLE INFORMACIONAL-ALGORÍTMICO DO SPOTIFY

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14244/2179-1465.RG.2024v15i1p188-204

Palavras-chave:

Plataformização (cultural), Gatekeeping, Spotify

Resumo

Este ensaio propõe uma reflexão crítica acerca do controle da informação no Spotify. Em específico, a escrita discorre como as Big Techs gerenciam dados e simulam nas plataformas digitais privadas um espaço público. Justifica-se o esforço ao verificarmos que, no meio acadêmico, há a presença de uma perspectiva ingênua que considera a internet como uma rede livre, democrática e pública. Recorremos aos conceitos de mediações (Martín-Barbero), estratégias e táticas (Certeau) e aparelhos comunicológicos (Flusser) para tecer ideias sobre o tema. As considerações finais apontam para a submissividade dos usuários-interatores diante das políticas de uso das plataformas digitais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Felipe Parra, Universidade de São Paulo (USP)

Doutor pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação da Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo (PPGCOM ECA-USP). Integrante do Grupo de Pesquisas em Jornalismo Popular e Alternativo (CJE ECA-USP/CNPq).

Tadeu Rodrigues Iuama, Belas Artes

Doutor em Comunicação pela Universidade Paulista, com pós-doutorado pela Universidade de Sorocaba. Professor no Centro Universitário Belas Artes e na Universidade de Sorocaba. Integrante do Grupo de Pesquisas em Narrativas Midiáticas (UNISO/CNPq).

Referências

ARISTÓTELES. Metafísica. São Paulo: Edições Loyola, 2002.

BARBROOK; Richard. Futuros imaginários: das máquinas pensantes à aldeia global. Rio de Janeiro: Petrópolis, 2009. Disponível em: https://goo.gl/VVNDLx. Acesso em: 19 mar. 2019.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano. Petrópolis: Vozes, 2011.

COELHO, Fabio. PL 2630 pode aumentar desinformação online e prejudicar usuários. Blog do Google Brasil, 2 abr. 2022. Disponível em: https://rb.gy/8fsyy. Acesso em: 25 jul. 2023.

COLEMAN, Stephen; BLUMLER Jay G. The internet and democratic citizenship: theory, practice and policy. New York: Cambridge University Press, 2009.

DIBBELL, Julian. Play Money: Or, How I Quit My Day Job and Made Millions Trading Virtual Loot. Nova York: Basic Books, 2007.

ECO, Umberto. Apocalípticos e integrados. São Paulo: Perspectiva, 2008.

FÍGARO, Roseli. GROHMANN. Rafael. Dispositivos comunicacionais no mundo do trabalho: uma revisão teórica para operacionalizar o conceito. Comunicação & Inovação. São Caetano do Sul, v. 18, n. 38, p. 62-75, 2017. Disponível em: https://rb.gy/ofgtw. Acesso em: 18 jul. 2021.

FLUSSER, Vilém. Ficções filosóficas. São Paulo: Edusp, 1998.

FLUSSER, Vilém. Comunicologia: reflexões sobre o futuro: as conferências de Bochum. São Paulo: Martins Fontes, 2014.

FLUSSER, Vilém. O mundo codificado: por uma filosofia do design e da comunicação. São Paulo: Ubu Editora, 2017a.

FLUSSER, Vilém. O último juízo: gerações II: castigo & penitência. São Paulo: É Realizações, 2017b.

FLUSSER, Vilém. Filosofia da caixa preta: ensaios para uma filosofia da fotografia. São Paulo: É Realizações, 2018.

FLUSSER, Vilém. Pós-história: vinte instantâneos e um modo de usar. São Paulo: É Realizações, 2019.

HABERMAS, Jürgen. Direito e democracia: entre facticidade e validade. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1997.

HOHLFELDT, A. Hipóteses contemporâneas de pesquisa em comunicação. In: HOHLFELDT, A.; MARTINO, L. C.; FRANÇA, V. V. (Orgs.). Teorias da comunicação: conceitos, escolas e tendências. Petrópolis: Vozes, 2014, p. 187-240.

IUAMA, Tadeu Rodrigues; MIKLOS, Jorge. Da economia dos sinais para a ecologia da comunicação: O imaginário como possível catalisador para uma mudança de perspectiva. Revista Internacional de Folkcomunicação, v. 17, n. 39, p. 36–53, 2019. Disponível em: https://rb.gy/d1jcf. Acesso em: 30 maio. 2023.

KÜNSCH, D. A. Compreender: indagações sobre o método. São Bernardo do Campo: Universidade Metodista de São Paulo, 2020.

LA BOÉTIE, Étienne de. O Discurso da Servidão Voluntária. São Paulo: Instituto Rothbard, 2022.

LÖWRY, Michael. A jaula de aço: Max Weber e o marxismo weberiano. São Paulo: Boitempo, 2014.

MARTÍN-BARBERO, Jésus. Dos meios às mediações. Comunicação, cultura e hegemonia. Rio de janeiro: UFRJ, 2013.

MEDITSCH, Eduardo. A informação sonora na webemergência: sobre as possibilidades de um radiojornalismo digital na mídia e pós-mídia. In: MAGNONI, Antônio Francisco; CARVALHO, Juliano Maurício de Carvalho (Orgs.). O novo rádio: cenários da radiodifusão na era digital. São Paulo: Senac São Paulo, 2010. p. 203-238.

MONTAIGNE, Michel de. Os ensaios. São Paulo: Penguin, 2010.

NERY, Carmen; BRITTO, Vinícius. Internet já é acessível em 90,0% dos domicílios do país em 2021. Agência IBGE Notícias, 16 set. 2022. Disponível em: https://shorturl.at/iJW57. Acesso em: 28 jun. 2023.

PACETE, Luiz Gustavo. Spotify eleva a barra do mercado de podcast. Meio e mensagem, 8 fev. 2019. Disponível em: https://shorturl.at/pwAD4. Acesso em: 28 jun. 2023.

PAGOTO, Lia Gabriela. Transferência de saliência em plataformas digitais: possibilidades investigativas e metodológicas. In: 31º Encontro Anual da Compós, 31, 2022, Impreatriz, MA. [Anais...], Impreatriz, MA: Universidade Federal do Maranhão, 2022. Disponível em: https://rb.gy/4gguv. Acesso em: 10 abr. 2017.

PEREIRA, Luís Filipe. Moraes determina que responsáveis por Meta, Google, Spotify e Brasil Paralelo sejam ouvidos pela PF. InfoMoney, 2 maio 2023. Disponível em: https://shorturl.at/otJMU. Acesso em: 28 jun. 2023.

PROSS, Harry. El proceso de comunicación. In: BETH, Hanno; PROSS, Harry. Introducción a la ciencia de la comunicación. Barcelona: Antrophos, 1987, p. 103-178.

RADFAHRER, Luli. O meio é a mediação: uma visão pós-fenomenológica da mediação datacrática. Revista Matrizes, São Paulo, v. 12, n. 1, p. 131-153, 2018. Disponível em: https://rb.gy/bhmxo. Acesso em: 10 jul. 2019.

REUTERS. Spotify ultrapassa 500 milhões de usuários ativos mensais. Forbes, 25 abr. 2023. Disponível em: https://rb.gy/67c45. Acesso em: 15 jun. 2023.

SRNICEK, Nick. Capitalismo de plataformas. Buenos Aires: Cajas Negras, 2018.

THOMPSON, John B. A mídia e a modernidade: uma teoria social da mídia. Petrópolis: Vozes, 1998.

WEBER, Max. A ética protestante e o espírito do capitalismo. São Paulo: Martin Claret, 2007.

Downloads

Publicado

2024-05-06

Como Citar

PARRA, F.; RODRIGUES IUAMA, T. . "BRINCADEIRINHA! Ó O ALGORITMO": UM ENSAIO CRÍTICO-REFLEXIVO SOBRE A PRODUÇÃO DE UMA COSMOVISÃO A PARTIR DO CONTROLE INFORMACIONAL-ALGORÍTMICO DO SPOTIFY. Revista GEMInIS, [S. l.], v. 15, n. 1, p. 188–204, 2024. DOI: 10.14244/2179-1465.RG.2024v15i1p188-204. Disponível em: https://www.revistageminis.ufscar.br/index.php/geminis/article/view/793. Acesso em: 26 maio. 2024.

Edição

Seção

Dossiê - Narrativas de IA: tendências da produção audiovisual