A GESTAÇÃO DA BOSSA NOVA EM DOIS FILMES SEMINAIS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.53450/2179-1465.RG.2022v13i1p188-203

Palavras-chave:

Bossa Nova, Vinícius de Moraes, Julio Bressane

Resumo

Os filmes Orfeu do carnaval (1958), de Marcel Camus, e O mandarim (1995), de Júlio Bressane, são foco do artigo. Partindo da pergunta “Até que ponto o audiovisual pode contribuir para a compreensão do surgimento da Bossa Nova e ajuda a preservar sua memória como reinvenção do samba?”, objetivamos desvelar como as obras inserem-se no traçado histórico do movimento carioca e como a ascendência de Orfeu se evidencia. Para isso, seguimos uma metodologia teórico-exploratória, concluindo que as obras funcionam como importante lugar de memória (NORA, 1993) do ritmo que até hoje encanta o mundo inteiro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aurora Almeida de Miranda Leão, UFJF

Doutoranda do PPGCom da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), linha de pesquisa Competência Midiática, Estética e Temporalidade. Integra os Grupos de Pesquisa/CNPq Narrativas Midiáticas e Dialogias (NAMÍDIA), coordenado pela profa Dra. Cláudia Thomé, e Comunicação, Cidade e Memória (COMCIME), liderado pela profa. Dra. Christina Ferraz Musse. É bolsista FAPEMIG. Mestra em Comunicação pela mesma instituição com a dissertação “Meu pedacinho de chão: sete movimentos à procura da narrativa”. É autora dos e-books “Telenovela: a ficção popular do Brasil”, “O cinema que mora na minha saudade”, e “Na televisão na palavra no átimo no chão”, lançados em 2021 pela RFB Editora.

Referências

BRESSANE, Julio – Alguns, Rio de Janeiro: Imago, 1995.
_______________ – Cinemancia, Rio de Janeiro: Imago, 2003.
CASTELLO, José. Vinícius de Moraes, o poeta da paixão. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.
GIRON, Luís Antônio. Mário Reis, o fino do samba. São Paulo: editora 34 (Coleção Todos os cantos), 2001.
HUYSSEN, Andreas. Seduzidos pela memória: arquitetura, monumentos, mídia. 2. ed. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2004.
MORAES,Vinícius de. Entrevista
ao
Museu
da
Imagem
e
do
Som (MIS). Rio
de
Janeiro,1968.
NAVES, Santuza Cambraia. Da Bossa Nova à Tropicália. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.
NORA, Pierre. Entre memória e história: a problemática dos lugares. Projeto História. Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados de História, v. 10, 1993.
PECCI, José Carlos. Vinícius sem ponto final. São Paulo: editora Saraiva, 1994.
RICOEUR, Paul. La mémoire, l’histoire, l’oubli. Paris: Éditions du Seuil, 2000a.
SEVERIANO, Jairo. Uma História da Música Popular Brasileira. São Paulo: Editora 34, 2008.
TÁVOLA, Artur da. 40 anos de Bossa Nova. Rio de Janeiro: Sextante, 1998.
VOROBOW, Bernardo; ADRIANO, Carlos (org). Júlio Bressane: cinepoética. São Paulo: Massao Ohno, 1995.
WISNIK, José Miguel. O som e o sentido: uma outra história das músicas. São Paulo: Cia das Letras,1989.

Downloads

Publicado

2022-04-29

Como Citar

MIRANDA LEÃO, A. A. de. A GESTAÇÃO DA BOSSA NOVA EM DOIS FILMES SEMINAIS. Revista GEMInIS, [S. l.], v. 13, n. 1, p. 188–203, 2022. DOI: 10.53450/2179-1465.RG.2022v13i1p188-203. Disponível em: https://www.revistageminis.ufscar.br/index.php/geminis/article/view/591. Acesso em: 29 maio. 2022.