“SÓ QUEM É FÃ ENTENDE”

UMA ANÁLISE DA CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS SOBRE O “SER FÔ A PARTIR DAS NARRATIVAS DE SUJEITOS PERTENCENTES AO FANDOM ARMY

Autores

  • Francisca Denise Silva Vasconcelos Universidade Federal do Ceará
  • Bárbara Ellen Viana Sales Universidade Federal do Ceará https://orcid.org/0000-0003-3175-0237
  • Luana Paiva da Silva Universidade Federal do Ceará

DOI:

https://doi.org/10.53450/2179-1465.RG.2023v14i2p145-167

Palavras-chave:

Fã, K-Pop, Construção de Significados

Resumo

Nesta pesquisa, de caráter qualitativo, objetivamos apresentar as construções feitas por 11 sujeitos pertencentes ao fandom ARMY sobre os significados do “ser fã” presentes em suas vivências. Através da realização e análise de entrevistas semiestruturadas, obtivemos três categorias que traduziram suas representações: Afetos, Transformação e Identificação. Percebemos que as falas indicam um apoio desses sujeitos no grupo pelos afetos que os une, estando relacionados tanto ao fandom quanto ao artista. Assim, tem-se o sentimento de pertencimento e acolhimento, que perpassam as identificações entre indivíduos, constituindo o que conhecemos enquanto comunidade e que se desenvolve visando uma transformação social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Francisca Denise Silva Vasconcelos, Universidade Federal do Ceará

Possui graduação em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Ceará (2000), mestrado em Sociologia pela Universidade Federal do Ceará (2004) e doutorado em Sociologia pela Universidade Federal do Ceará (2011). Atualmente é Professora Associada I da Universidade Federal do Ceará, Professora colaboradora do Masf (Mestrado em Saúde da Família) da Universidade Federal do Ceará, compõe o colegiado do Mestrado em Psicologia e Políticas Públicas e os colegiados dos cursos de Psicologia, Odontologia, Medicina, Música, e das Licenciaturas Interculturais Indígena PITAKAJA, e KUABA. Tem experiência na área de Sociologia atuando principalmente nos seguintes temas: formação de professores, políticas públicas, representações sociais, pobreza, gênero, desigualdade, etnicidade e negritude, corpo e consumo. Coordena o LAEDDES (Laboratório de Estudos das Desigualdades & Diversidades) atuando diretamente junto às escolas públicas desde 2010.

Bárbara Ellen Viana Sales, Universidade Federal do Ceará

Possui graduação em Psicologia pela Universidade Federal do Ceará - Campus Sobral. Durante o trajeto acadêmico, participou do projeto de monitoria "Um Estranho no Ninho: Escuta e Acolhimento", no qual atuou como bolsista no período de 2019.1 a 2021.2, também foi bolsista, em 2018.2, do projeto de extensão "Água de Chocalho", vinculado ao Laboratório de Clínica, Sujeito e Políticas Públicas (CLIPSUS) e, em 2021, atuou como bolsista do projeto de extensão "Reescrevendo Minha História", vinculado ao Laboratório de Estudos das Desigualdades e Diversidades (LAEDDES), no qual participou durante o período de 2017 a 2022, estando incluso, também, sua participação como membro voluntário do projeto "Entre Muros: Extensão, Docência e Resistência". Participou como voluntária na pesquisa PIBIC "Não à Vida Maria", no período de 2019 a 2020. Tem interesse nas áreas de Psicologia Educacional, Psicologia Social, Psicanálise, e nos temas relacionados a Desigualdades Sociais, Juventude e Mídias Sociais. Realizou, como temática de TCC, um estudo acerca do significados de "ser fã" para sujeitos autodeclarados fãs e teve como público-alvo jovens de diversas idades que se autodenominavam fãs do grupo de música sul-coreano BTS.

Luana Paiva da Silva, Universidade Federal do Ceará

Graduada em Psicologia pela Universidade Federal do Ceará. Atuou como bolsista de Iniciação Científica no período de 2018 a 2019. Foi monitora na disciplina Fundamentos de Anatomia para a Psicologia (2018) e na disciplina de Métodos e Técnicas de Pesquisa Qualitativa em Psicologia (2021). Foi membra do Laboratório de Estudos das Desigualdades e Diversidades (LAEDDES) e da Liga de Estudos e Pesquisas em Análise do Comportamento (LEPAC), vinculada ao Laboratório de Práticas e Pesquisas em Psicologia e Educação (LAPPSIE). Tem interesse pelas áreas: Análise do Comportamento, Psicologia Social, Psicologia Escolar e Educacional, Psicologia Hospitalar, Neuropsicologia, e nos temas relacionados às juventudes.

Referências

AMARAL, Adriana; TASSINARI, Larissa. Fandoms transculturais: apropriações nas práticas de shipping dos fãs brasileiros de K-POP no Facebook. Vozes e Diálogo, Itajaí, v. 15, n. 01, jan./jun. 2016.

BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BENNET, L Fan activism for social mobilization: a critical review of the literature. Transformative works and cultures, v. 10, 2012. Disponível em: <http://journal.transformativeworks.org/index.php/twc/ article/view/346/277>. Acesso em: 23 jun. 2023.

BOSI, Ecléa. Cultura de massas e cultura popular: leituras de operárias. 11. ed. Petrópolis: Vozes, 2007.

CAMPANELLA, Bruno. Em busca do reconhecimento midiático: a autorrealização do sujeito na sociedade midiatizada. Revista da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação | E-compós, Brasília, v.22, n.1, jan/mar. 2019.

CRISÓSTOMO, Raquel. ‘Fannibals ministéricos’: el poder del ‘fandom’. Barcelona: Index.Comunicación, 2016.

CUNHA, Maria Inês Vilhena da. A figura do fã enquanto criador. 2008. Disponível em: http://www.bocc.ubi.pt/pag/cunha-ines-figura-fa-criador. Acesso em: 01 dez. 2021.

CUNHA, Vinicius Ferreira da. A ascensão do pop coreano: o boom do KPOP a trotes de cavalo, o papel da comunicação e as articulações com o modelo pop ocidental. 2013. Trabalho de conclusão de curso (Graduação em Jornalismo) – Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2013.

CURI, Pedro P. Entre fan arts, fan fictions e fan films: o consumo dos fãs gerando uma nova cultura. In: ENECULT: Encontros de Estudos Multidisciplinares em Cultura, Salvador, 2010. Anais [...]. Salvador: Facom-UFBa, 2010.

FREUD, Sigmund. Psicologia das massas e análise do eu e outros textos (1920-1923). São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

HILLS, Matt. Fan Cultures. London: Routledge, 2002.

HILLS, Matt. O fandom como objeto e os objetos do fandom. MATRIZes, São Paulo, v. 9, n. 1, p. 147–163, jan./jun. 2015. Entrevista concedida a Clarisse Greco.

JENKINS, Henry. “Cultural Acupuncture”: fan activism and the Harry Potter Alliance.

Transformative Works and Cultures, n. 10, 2012.

JENKINS, Henry. Textual Poachers: television fans and participatory culture. London: Routledge, 1992.

JENKINS, Henry. Cultura de convergência: a cultura de convergência dos meios de comunicação. São Paulo: Editora Aleph, 2008.

JENSON, Joli. Fandom as pathology: the consequences of characterization. In: LEWIS, Lisa. A. (Org.) The adoring audience: fan culture and popular media. New York: HarperCollins Publishers, 1991.

JIN, Dal Yong. New Korean Wave: Transnational cultural power in the age of social media. Chicago: University of Illinois Press, 2016.

FISKE, John. The cultural economy of fandom. In: LEWIS, Lisa A. (Org.) The Adoring Audience: Fan Culture and Popular Media, 1992. Ed., Londres, Nova Iorque: Routledge, 1992.

MADA, Larissa Lumi. A experiência de ser K-Popper no Brasil: uma visão fenomenológica sobre os ARMYs. 2021. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Psicologia) – Instituto de Saúde e Sociedade, Universidade Federal de São Paulo, São Paulo, 2021.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 10. ed. São Paulo: Hucitec, 2007.

MONTEIRO, Tiago José Lemon. Entre a patologia e a celebração: a questão do fã em uma perspectiva histórica. In: Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, Rio de Janeiro, 2005. Anais [...]. Rio de Janeiro: UERJ, 2005.

PARTOSA, Lady Flor. We Are Not Robots: a preliminary exploration into the affective link between BTS x ARMY. The Rhizomatic Revolution Review, n. 2, 2021.

REZENDE, Cláudia Barcellos; COELHO, Maria Cláudia. Antropologia das emoções. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2010.

SANTANA, Aline Gomes; SANTOS, Maria Salett T. Práticas culturais urbanas: análise do comportamento das "Armys" - fãs do grupo de K-pop BTS. In: INTERCOM: Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, Belém, 2019. Anais [...]. Belém: UFRPE, 2019.

SILVA, Renata Prado Alves; OLIVEIRA, Camyla da Silva. Cultura da celebridade, fãs e a nova mídia: um estudo sobre a promoção da imagem e trabalho de Justin Bieber. Vozes e Diálogo, Itajaí, v. 15, n. 2, 2016.

SILVEIRA, Stephanie Carlan da. Resistência e participação: o conceito de subcultura e o estudo de fãs no atual contexto. In: III Simpósio Nacional ABCiber, São Paulo, 2009. Anais [...]. São Paulo: ABCiber, 2009.

SOUZA, Andressa; MARTINS, Helena. A Majestade do fandom: a cultura e a Identidade dos fãs. In: INTERCOM: Congresso Brasileiro de Ciência da Comunicação, Fortaleza, 2012. Anais [...]. Fortaleza: UFC, 2012.

THOMPSON, John B. Ideologia e cultura moderna: teoria crítica na era dos meios de comunicação de massa. Petrópolis: Vozes, 1995.

TIME. Inside the BTS ARMY, the Devoted Fandom With an Unrivaled Level of Organization. 2020. Disponível em: https://time.com/5912998/bts-army/. Acesso em: 09 jun. 2022.

URBANO, Krystal et al. K-pop, ativismo de fã e desobediência epistêmica: um olhar decolonial sobre os ARMYs do BTS. Logos, Rio de Janeiro, v. 27, n. 3, p. 177–192, 2020.

Downloads

Publicado

2023-10-19

Como Citar

SILVA VASCONCELOS, F. D.; VIANA SALES, B. E.; PAIVA DA SILVA, L. “SÓ QUEM É Fà ENTENDE”: UMA ANÁLISE DA CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS SOBRE O “SER FÔ A PARTIR DAS NARRATIVAS DE SUJEITOS PERTENCENTES AO FANDOM ARMY. Revista GEMInIS, [S. l.], v. 14, n. 2, p. 145–167, 2023. DOI: 10.53450/2179-1465.RG.2023v14i2p145-167. Disponível em: https://www.revistageminis.ufscar.br/index.php/geminis/article/view/755. Acesso em: 18 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos