ESTADO DA ARTE DA PESQUISA SOBRE A INDÚSTRIA DE JOGOS DIGITAIS NO BRASIL

TEMÁTICAS CORRENTES E CAMINHOS FUTUROS

Autores

  • Leandro Lima Universidade Federal do Rio Grande do Sul

DOI:

https://doi.org/10.53450/2179-1465.RG.2023v14i1p23-45

Palavras-chave:

jogos digitais, indústria, bibliografia

Resumo

Neste artigo discutimos a produção acadêmica dedicada à compreensão da Indústria Brasileira de Jogos Digitais por pesquisadores e pesquisadoras de distintas áreas do conhecimento. A produção coletada é oriunda de trabalhos como dissertações e teses, artigos em periódicos e anais de eventos, relatórios de pesquisa e livros. Através de uma análise temática quanti-qualitativa levantamos temas de interesse ligados à economia, direito, brasilidade e diversidade que são caros à academia brasileira. Na comunicação em particular encontramos lacunas e oportunidades pesquisa nas práticas comunicacionais internas e externas da indústria.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGNELLI, Felipe. Identidade nacional em games brasileiros. 2019. 38f. Trabalho de Conclusão de Curso – Especialização (Centro de Estudos Latino-Americanos sobre Cultura e Comunicação) – Escola de Comunicação e Artes, USP, São Paulo, 2019.

ALBINO, Raphael D.; SOUZA, Cesar A.; PRADO, Edmir P. V.. Benefícios Alcançados por Meio de um Modelo de Gestão Ágil de Projetos em uma Empresa de Jogos Eletrônicos. Revista de Gestão e Projetos, v. 5, n. 1, p. 15–27, 26 abr, 2014.

ALVES, Lynn R. G.. Games e educação: desvendando o labirinto da pesquisa. Revista da FAEEBA: Educação e Contemporaneidade, v. 22, n. 40, p. 177–186, 2013.

ALVES, Lynn R. G.; JUNIOR, Romero M.; LIMA, Carmen L. .. Cena baiana de jogos digitais: Um olhar a partir da sua organização produtiva e análise de redes sociais complexas. Salvador: EDUFBA, 2021.

AMARO, Mariana; FRAGOSO, Suely D. East Meets South: the creative appropriation of Nintendo and Sega videogames in Brazil. In: DIGRA INTERNATIONAL CONFERENCE – PLAY EVERYWHERE, 2020, online. Proceedings [...]. Online, 2020, p. 1-4.

AMÉLIO, Camila. A indústria e o mercado de jogos digitais no Brasil. In: XVII SBGAMES, 2018, Foz do Iguaçu. Proceedings[...] Foz do Iguaçu: SBC, 2018, p.1497-1506.

ARAÚJO, João; ALVES, Lynn R. G.; PEREIRA, Filipe. Jogos de todos os santos: um estudo da construção de mundos ficcionais nos videogames baianos. Salvador: EDUFBA, 2021.

BALISTA, Vania G. Desenvolvimento De Jogos Eletrônicos: um estudo relacional entre gerenciamento de escopo e custos de desenvolvimento. In: XII SBGAMES, 2013, São Paulo. Proceedings[...] São Paulo: SBC, 2013, p. 1-8.

BRAUN, Virginia; CLARKE, Victoria. Using thematic analysis in psychology. Qualitative Research in Psychology, [S. l.], v. 3, n. 2, p. 77–101, 2006. DOI: 10.1191/1478088706qp063oa.

CARAMELLO, Érika F. Vida extra: vivendo e aprendendo na indústria brasileira de games. 2019b. Tese de Doutorado - Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, 2019.

CARDOSO, Marcos V. A proposição de um modelo de análise para a indústria criativa de videogames no Brasil. 2013. Doutorado em Administração - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013. DOI: 10.11606/T.12.2013.tde-24062013-182243.

CARVALHO, Alan. Uma proposta de curriculo para o Curso Superior de Tecnologia em Jogos Digitais. Em: PROCEEDINGS DO SBGAMES 2019 2019, Rio de Janeiro. Anais [...]. Rio de Janeiro: SBGames, 2019. p. 1332–1339.

CASTANHO, Carla D.; WANG, Aurora; SANTANA, Ingrid. Mulheres e jogos eletrônicos: muitas jogadoras, poucas programadoras! Em: ANAIS DO WOMEN IN INFORMATION TECHNOLOGY (WIT) 2018, Anais [...]. : Sociedade Brasileira de Computação - SBC, 2018. DOI: 10.5753/wit.2018.3398.

CHAGAS, Maria d. G. A inserção do designer de games na indústria Brasileira de jogos digitais. 2009. Tese - Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2009. DOI: 10.17771/PUCRio.acad.15440.

CHIADO, Marcus V. G. 1983+1984: Quando os videogames chegaram. 1. ed. São Paulo: Marcus Vinícius Garret Chiado, 2016.

COELHO, Marcelly H et al.. O Desafio de Mudar o Papel das Mulheres na Indústria de Games. Anais do Computer on the Beach, [S. l.], p. 249–258, 2015. DOI: 10.14210/cotb.v0n0.p249.

CRUZ, Carolina A. Indie Games e a produção de jogos no Brasil. 2016. Trabalho de Conclusão de Curso - Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2016.

DANTAS, João P.; BARBOSA, Cledinaldo; QUEIROZ, Antônio. Análise da indústria brasileira de jogos digitais à luz da economia dos custos de transação. Revista Eletrônica de Economia da Universidade Estadual de Goiás, [S. l.], v. 12, n. 2, p. 78–97, 2016.

FALCÃO, Thiago; GRAY, Kishonna. Editorial vol. 40 n. 2. Revista Contracampo, [S. l.], v. 40, n. 2, 2021. DOI: 10.22409/contracampo.v40i2.51455.

FANTINI, Laís. LGPD and gaming companies: main compliance aspects to Brazil’s General Data Protection Law. Em: PROCEEDINGS OF SBGAMES 2020 2020, Recife. Anais [...]. Recife: SBGames, 2020. p. 7.

FANTINI, Laís; FANTINI, Eduardo; GARROCHO, Luís Felipe. A regulamentação das loot boxes no Brasil: considerações éticas e legais acerca das microtransações e dos jogos de azar. Em: PROCEEDINGS OF SBGAMES 2019 2019, Rio de Janeiro. Anais [...]. Rio de Janeiro: SBGames, 2019. p. 10.

FERREIRA, Emmanoel. A guerra dos clones: transgressão e criatividade na aurora dos videogames no Brasil. Sessões do Imaginário, [S. l.], v. 22, n. 38, p. 72, 2017. DOI: 10.15448/1980-3710.2017.2.29806.

FERREIRA, Thiago A. Liderança criativa: um estudo da indústria de jogos digitais na cidade de Fortaleza/CE. 2019. Dissertação - Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2019.

FILHO, Jose L. J. X. Jogos eletrônicos como mediação comunicativa da cultura: um olhar a partir da cultura da produção. 2017. Tese de Doutorado - Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2017.

FONTOURA, Mariana M; OLIVEIRA, Leander; AMARAL, Marília A. Mulheres e Desenvolvimento de Jogos: essa conjunção já existe? Em: ANAIS DO WOMEN IN INFORMATION TECHNOLOGY (WIT) 2018, Anais [...]. : SBC, 2018. DOI: 10.5753/wit.2018.3392.

FRAGOSO, Suely et al. Estudos de Games na área da Comunicação no Brasil: tendências no período 2000-2014. Verso e Reverso, [S. l.], v. 31, n. 76, p. 2–13, 2017. DOI: 10.4013/ver.2016.31.76.01.

FRAGOSO, Suely et al. Tendências temáticas das trilhas do SBGames e das Teses e. Em: PROCEEDINGS OF SBGAMES 2016 2016, São Paulo. Anais [...]. São Paulo p. 9. Disponível em: http://www.sbgames.org/sbgames2016/downloads/anais/157675.pdf.

ISSA, Elias; FANTINI, Laís; FANTINI, Eduardo. Soluções para problemas contratuais e cotidianos entre Empresas no desenvolvimento de jogos digitais. Em: PROCEEDINGS OF SBGAMES 2019 2019, Rio de Janeiro. Anais [...]. Rio de Janeiro: SBgames, 2019. p. 10.

JÚNIOR, Jaime. EDUCAÇÃO E JOGOS ELETRÔNICOS: Estudo de Caso dos Games produzidos com Financiamento da FINEP. Em: PROCEEDINGS DO SBGAMES 2010 2010, Florianópolis. Anais [...]. Florianópolis: SBGames, 2010. p. 77–86.

LEITE, Leonardo C. O fenômeno Rio PUC Games: novas práticas de construção de conhecimento em design de jogos. 2019. Tese - Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brazil, 2019. DOI: 10.17771/PUCRio.acad.45923.

LINZMAYER, Gustavo C. O papel da iniciativa pública na produção nacional de games. 2014. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de São Carlos, 135, 2014. Disponível em: https://repositorio.ufscar.br/handle/ufscar/5621. Acesso em: 7 jul. 2022.

MANGO, Andrei R. Fomento do Estado: estudo sobre a natureza jurídica e incentivo na atividade e indústria nacional de jogos digitais. 2019. Dissertação (Mestrado) - Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2019. DOI:

MELLO, Gustavo A. T.; ZENDRON, Patricia. Como a indústria brasileira de jogos digitais pode passar de fase. BNDES Setorial, [S. l.], n. 42, p. 337–381, 2015.

MENEGHETTI, Tarcísio V. Autoria e titularidade em jogos eletrônicos. 2013. Dissertação - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2013.

MIYAZAKI, Fernando R. Modelos de negócios para a indústria Brasileira de jogos digitais independentes. Em: PROCEEDINGS OF SBGAMES 2015 2015, Teresina. Anais [...]. Teresina DOI: 10.22533/at.ed.75919250112.

MORAIS, Priscila. A princesa não precisa ser salva: uma reflexão sobre a percepção das mulheres no desenvolvimento de jogos digitais. 2020. Dissertação - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2020.

MOTTA, Rodrigo P. S. A modernização autoritário-conservadora nas universidades e a influência da cultura política. Em: A ditadura que mudou o Brasil: 50 anos do golpe de 1964. e-pub ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2014.

MUSTARO, Pollyana N.; FORTIM, Ivelise. Culture Track from SBGames: A descriptive analysis from five years of activities. [S. l.], p. 9, 2012.

NOGUEIRA, Leilyanne V. Ensaios sobre crescimento econômico : Instituições de Ensino Superior , qualidade das finanças públicas : abertura. 2019. Tese de Doutorado - Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2019.

O BELJOGOS #GAMEDEV #JOGOSPARAENSES. Direção: [s.l: s.n.] Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=RevtjpqM5LE. Acesso em: 22 jul. 2022.

O MARKETING PAGO E IMPULSIONAMENTO NÃO BASTA: POR QUE OS GAMES PRECISAM DA COMUNICAÇÃO E ASSESSOR? Direção: [s.l: s.n.] Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=SUga62X5Ecs. Acesso em: 22 jul. 2022.

OLIVEIRA, Jônatas K.. Uma análise crítica do edital JogosBR 2004 para a compreensão do mercado brasileiro de jogos eletrônicos. Revista GEMInIS, [S. l.], v. 3, n. 2, p. 121–153, 2012.

PASSOS, Ketry G. F. O fluxo de informação no processo de desenvolvimento de jogos eletrônicos. 2012. Dissertação - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2012.

PAULA, Bruno De. “Emergent countries play, too!”: The Zeebo console as a (partial) decolonial project. Revista Contracampo, [S. l.], v. 40, n. 2, 2021. DOI: 10.22409/contracampo.v40i2.50267.

PEREIRA, Leônidas S.; BERNARDES, Maurício M. S. Aspects of Independent Game Production: An Exploratory Study. Computers in Entertainment, [S. l.], v. 16, n. 4, p. 4:1-4:16, 2018. DOI: 10.1145/3276322.

PEREIRA, Thiago I; SILVA, Luís F. S.. As políticas públicas do ensino superior no Goverrno Lula: expansão ou democratização? Revista Debates, [S. l.], v. 4, n. 2, p. 10, 2010. DOI: 10.22456/1982-5269.16316.

PERUCIA, Alexandre; BALESTRIN, Alsones; VERSCHOORE, Jorge. Coordenação das atividades produtivas na indústria brasileira de jogos eletrônicos: hierarquia, mercado ou aliança? Production, [S. l.], v. 21, n. 1, p. 64–75, 2010. DOI: 10.1590/S0103-65132010005000046.

PIMENTEL, Fernando S. C. et al. A produção acadêmica Brasileira sobre jogos digitais. Internet Latent Corpus Journal, [S. l.], v. 11, n. 1, p. 109–124, 2021. DOI: 10.34624/ilcj.v11i1.24520.

PINHEIRO, Jéssica R. A comunicação digital nos estúdios de jogos brasileiros: uma análise da sua presença virtual e o impacto para as organizações. 2020. Dissertação - Universidade da Beira Interior, Covilhã, 2020.

QUERETTE, Emanoel et al. Políticas públicas para a indústria de games: uma agenda para o Brasil. Em: PROCEEDINGS OF SBGAMES 2012 2012, Brasília. Anais [...]. Brasília: SBC, 2012. p. 10.

ROCHA, Vítor A. G. A. Atributos competitivos e ações estratégicas para o cluster de games de Pernambuco. 2010. Dissertação - Faculdade Boa Viagem, Recife, 2010.

RODRIGUES, Gabriel. Pandemia impulsiona o mercado de games no Brasil e cria nova demanda. 2022.

SAKUDA, Luiz O.; FORTIM, Ivelise. 2o Censo da Indústria Brasileira de Jogos Digitais. Brasília: Ministério da Cultura, 2018.

SANTOS, Robson R. Panorama do Mercado de Jogos Educativos no Brasil. FaSCi-Tech, [S. l.], v. 1, n. 3, 2016.

SILVA, Júlio; CALLADO, Arthur; JUCÁ, Paulyne. Investigação de métodos e práticas de Engenharia de Software utilizadas pelas empresas cearenses de desenvolvimento de jogos. Em: PROCEEDINGS OF SBGAMES 2016 2016, São Paulo. Anais [...]. São Paulo: SBGames, 2016. p. 9.

SOUZA, Daniel G. F. A criação brasileira de videogames segundo a imprensa especializada: uma análise das revistas EGW e Edge. 2011. Monografia - Universidade Estadual Paulista, Bauro, 2011.

STATERI, Julia; SOUZA, Jaderson. Propondo princípios orientadores à produção decolonial de videogames diversos. Revista Contracampo, [S. l.], v. 40, n. 3, 2021. DOI: 10.22409/contracampo.v40i3.50212.

VAZ, Alberto J. M. Modelos Inovadores na Indústria Criativa de Indie Games: Uma análise do modelo organizacional da Indie House Brasília. 2017. Trabalho de Conclusão de Curso - Universidade de Brasília, Brasília, 2017.

VIANA, Zarathon; FERRAZ, Felipe; JUCÁ, Paulyne. Levantamento das Ferramentas e Necessidades da Indústria de Jogos na Escrita e Manutenção de Game Design Documents. Em: PROCEEDINGS OF SBGAMES 2017 2017, Curitiba. Anais [...]. Curitiba p. 7.

VIEIRA, Lucas. Games independentes: plataformas de inovação das novas mídias no contexto da economia criativa. 2015. Trabalho de Conclusão de Curso - Universidade Estadual Paulista, Bauru, 2015.

XAVIER, Guilherme A. A experiência Gamerama: metodologia e deisgn de jogos eletrônicos para futuros produtores nacionais. 2013. Tese de Doutorado - Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brazil, 2013. DOI: 10.17771/PUCRio.acad.22160.

ZAMBON, Pedro. Entrando na partida: a formulação de políticas de comunicação e cultura para jogos digitais no Brasil entre 2003 e 2014. 2015. Dissertação (Mestrado) - Universidade Estadual Paulista, Bauru, 2015.

ZAMBON, Pedro. As vantagens de ser independente: inovação e criatividade na indústria brasileira de jogos digitais e suas influências no processo produtivo. Revista Metamorfose, [S. l.], v. 2, n. 1, p. 277–294, 2017.

ZAMBON, Pedro. Hubs criativos no desenvolvimento da indústria de jogos digitais. 2020. Tese de Doutorado - Universidade do Estado de São Paulo, São Paulo, 2020.

Downloads

Publicado

2023-05-27

Como Citar

LIMA, L. ESTADO DA ARTE DA PESQUISA SOBRE A INDÚSTRIA DE JOGOS DIGITAIS NO BRASIL: TEMÁTICAS CORRENTES E CAMINHOS FUTUROS . Revista GEMInIS, [S. l.], v. 14, n. 1, p. 23–45, 2023. DOI: 10.53450/2179-1465.RG.2023v14i1p23-45. Disponível em: https://www.revistageminis.ufscar.br/index.php/geminis/article/view/756. Acesso em: 26 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos