FACES DE ADÉLIA

FRAGMENTAÇÃO E FEMININO NO TEATRO DE DOC COMPARATO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.53450/2179-1465.RG.2021v12i2p128-145

Palavras-chave:

Crítica Genética, Criação textual, Dramaturgia

Resumo

Por meio da observação de manuscritos do texto dramatúrgico Sempre, de Doc Comparato, analisamos a construção da personagem Adélia, que encarna uma escritora de literatura infantil. Utilizando fundamentos da Crítica Genética, buscamos as referências que nortearam o processo de escrita da peça em sua fase inicial e as remanências no texto publicado. Investigamos os rastros que revelam as escolhas do autor e o repertório mobilizado para produzir a obra. A narrativa fragmentada revela as várias faces da protagonista e das mulheres em sua esfera de ação. Estamos diante de uma metalinguagem sobre a criação que simula uma perspectiva feminina plural, composta por um mosaico de referências que oscilam entre a realidade e a imaginação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Livia Sprizão de Oliveira, UEL

Jornalista, mestre e doutoranda em Estudos da Linguagem pela Universidade Estadual de Londrina.

Referências

Barthes, Roland. O rumor da língua. Trad. Mário Laranjeira. São Paulo: Martins Fontes, 2004.
BELLEMIN-NOEL, Jean. Pychoanalytic reading and the avant-texte. Chaper 3, p. 28-35. In: Deppman. J., Ferrer. D. and Groden, M. Genetic Criticism: text and avant-textes. Philadelphia: University of Pensilvannya Press, 2004.
BEAUVOIR, Simone. O Segundo sexo. Trad. Sérgio de Milliet. Amadora: Bertrand, 1976.
BRAIT, Beth. A personagem. 3. ed. São Paulo: Ática, 1985.
COMPARATO, Doc. Da Criação ao Roteiro. 11. ed. São Paulo: Summus, 2018.
_________, Doc. Sempre. Edição digital. Rio de Janeiro: Simplíssimo Livros, 2013.
_________, Doc. Eterno. Edição digital. Rio de Janeiro: Simplíssimo Livros, 2013.
ANDRADE, Carlos Drummond. Antologia poética. 2. ed. Lisboa: Dom Quixote, 2002.
FRIEDAN, Betty. A mística da mulher. Trad. José Vaz Pereira. Lisboa: Ed. Ulisseia, 1963.
FERRER, Daniel. La toque de Clementis: rétroaction et rémanence dans les processus génétiques. Genesis: Manuscrits-Recherche-Invention, Paris, n. 6, p. 93-106, 1994. Disponível em: https://www.persee.fr/doc/item_1167-5101_1994_num_6_1_979. Acesso em: 5 abr. 2020.
PANICHI, Edina Regina Pugas e CONTANI, Miguel Luiz. Pedro Nava e a construção do texto. Londrina: EDUEL; São Paulo: Ateliê Editorial, 2003.
PRADO, Adélia. Com licença poética. Lisboa: Edições Cotovia, 2003.
REYNAUD, Maria João. Metamorfoses da escrita. Porto: Campo das letras, 2000.
SALLES, Cecília. Crítica Genética: Fundamentos dos estudos genéticos sobre o processo de criação artística. 3. ed. São Paulo: Educ, 2008.
WILLEMART, Philippe. Como se constituiu a escritura literária? In: ZULAR, Roberto. Criação em Processo: ensaios de crítica genética. São Paulo: Iluminuras, 2002.
____________. Philippe. Universo da Criação literária. São Paulo: Edusp, 1993

Downloads

Publicado

2021-11-04

Como Citar

SPRIZÃO DE OLIVEIRA, L. FACES DE ADÉLIA: FRAGMENTAÇÃO E FEMININO NO TEATRO DE DOC COMPARATO. Revista GEMInIS, [S. l.], v. 12, n. 2, p. 128–145, 2021. DOI: 10.53450/2179-1465.RG.2021v12i2p128-145. Disponível em: https://www.revistageminis.ufscar.br/index.php/geminis/article/view/605. Acesso em: 29 maio. 2022.

Edição

Seção

Dossiê - Desafios, tendências e pesquisas. Roteiros Audiovisuais