CRIAÇÃO E LITERACIA NAS PRÁTICAS DE ROTEIRO

Palavras-chave: processos de criação, literacia, práticas de roteiro

Resumo

A teoria crítica dos processos de criação é uma abordagem teórico-metodológica que leva à reflexão sobre os objetos da comunicação e das artes, focando principalmente nos meios e materiais da criação. A literacia, por sua vez, propõe uma leitura dialógica do mundo que implica uma compreensão mais ampla e com múltiplas referências culturais das criações artísticas. Este artigo propõe uma convergência entre esses dois campos para observar a presença do leitor criador nas práticas de roteiro. Para tanto, analisa as materialidades do processo de criação de alguns cineastas e roteiristas brasileiros contemporâneos em uma perspectiva complementar. Inicialmente é apresentada a teoria crítica dos processos de criação e alguns aspectos do conceito de criação como rede em construção. Em seguida, propomos uma aproximação com os estudos da literacia. E, por fim, concluímos com uma análise das materialidades das práticas de roteiro em uma perspectiva complementar entre diferentes cineastas com foco na leitura criadora. São eles Eliane Caffé, Anna Muylaert, Alê Abreu, Leonardo Mouramateus, Cao Guimarães, Marcelo Gomes e Karim Ainouz. A percepção dessas práticas no contexto dos roteiros enfatiza a importância de olhar para a criação enquanto processo de leitura e para a leitura enquanto processo de criação no contexto da acumulação de práticas e da abundância de informação das novas mídias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Patrícia Dourado, PUC-SP / Ciac-UAlg
Pesquisadora do Grupo de Pesquisa em Processos de Criação da PUC-SP e do Centro de Investigação em Artes e Comunicação – CIAC, da Universidade do Algarve. Doutoranda em Comunicação e Semiótica na PUC-SP, com bolsa Capes.
Cecília Salles, PUC-SP
Professora titular do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Semiótica da PUC-SP. Coordenadora do Grupo de Pesquisa em Processos de Criação da PUC-SP. Pós-doutora pelo Departamento de Cinema, Rádio e TV da ECA/USP. Doutora e mestre em Linguística Aplicada pela PUC-SP.
Mirian Tavares, CIAC/UAlg
Professora associada da Universidade do Algarve. Coordenadora do Centro de Investigação em Artes e Comunicação – CIAC/UAlg. Doutora em Comunicação e Cultura Contemporânea pela UFBA e mestre em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP.

Referências

ABREU, A. Entrevista. Época. 12 de janeiro de 2016. Disponível em: Acesso em: 7 fev. 2021.
ABREU, A. Entrevista. A voz da animação. Creative Minds. Episódio 1. 18 de março de 2017. Disponível em: Acesso em: 7 fev. 2021.
AINOUZ, K.; Gomes, M. Viajo porque preciso, volto porque te amo. [Roteiro]. 11 de setembro de 2008. Roteiro cedido pelos autores.
______. Entrevista. Blog do Jean-Claude Bernardet. Uol, 6 de maio de 2010. Página não mais disponível.
BALLERINI, F. Cinema brasileiro no século XXI. São Paulo: Summus, 2012.
BENNETT, P. McDougall, J. Potter, J. The uses of media literacy. Oxford: Routledge, 2020.
CAFFÉ, E.; ABREU, L. Lourenço Príncipe (Era o Hotel Cambridge). [Roteiro]. Versão 1. 2010-2012. Roteiro cedido pelos autores.
______. Um passo para ir (Era o Hotel Cambridge). [Roteiro]. Versão 2. 12 de outubro de 2013. Roteiro cedido pelos autores.
CAFFÉ, E.; ABREU, L.; FIGUEIRÓ, I. Um passo para ir (Era o Hotel Cambridge). [Roteiro]. Versão 3. 30 de setembro de 2014. Roteiro cedido pelos autores.
CALVINO, I. Visualidade. In: ______. Seis propostas para o próximo milênio. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.
COLAPIETRO, V. The loci of creativity: fissured selves, interwoven practices. Manuscrítica, 11, 59-82, 2003. Disponível em: Acesso em: 7 fev. 2021.
COLAPIETRO, V. Processes of imaging and imagining: toward a pragmatic clarification of the image. Recherches sémiotiques, Peirce et l’image, 33, 95-114, 2013. DOI: https://doi.org/10.7202/1035286ar
COMISSÃO Europeia. Recomendação da comissão sobre literacia mediática no ambiente digital para uma indústria audiovisual e de conteúdos mais competitiva e uma sociedade do conhecimento inclusiva. Jornal Oficial da União Europeia. 20 de agosto de 2009. Disponível em: Acesso em: 7 fev. 2021.
DENNISON, S. Remapping Brazilian film culture in the Twenty-First Century. Abingdon: Taylor and Francis, 2019.
DOURADO, P. Experimentações do roteiro no cinema brasileiro contemporâneo. In: ARAUJO, D.; CARREGA, J.; FECHINE, I. (eds.). Perspectivas luso-brasileiras em artes e comunicação. v. 2. Faro: Ciac, 2019. Acesso em: 7 fev. 2021.
DOURADO, P. Martinelli, P. Miranda, W. A crítica de processos na perspectiva da continuidade da criação no espectador. Farol, 20, 33-40, 2019. DOI: https://doi.org/10.47456/rf.v1i20.23441
FLUSSER, V. A escrita: há futuro para a escrita? São Paulo: Anablume, 2010.
FREIRE, P. A importância do ato de ler. São Paulo: Cortez, 2003.
GARCÍA-RUIZ, R. Ramírez-García, A.; Rodríguez-Rosell, M. Media literacy education for a new prosumer citizenship. Comunicar, 43, 15-23, 2014. DOI: https://doi.org/10.3916/C43-2014-01
GUIMAÃES, C. Entrevista a Fabio Maleronka Ferron e Sergio Cohn. Casa Rui Barbosa, 12 de junho de 2010. Disponível em:
MARAS, S. Screenwriting: history, theory and practice. New York: Wallflower Press, 2009.
MILLARD, K. Screenwriting in a Digital Era. London: Palgrave, 2014. DOI: https://doi.org/10.1057/9781137319104
MORIN, E. Da necessidade de um pensamento complexo. In: MARTINS, F. M.; DA SILVA, J. M. (eds.). Para navegar no século XXI. Porto Alegre: Sulina/Edipucrs, 2003.
______. O método 4: as ideias. Porto Alegre: Sulinas, 2011.
MOURAMATEUS, L. Entrevista. Arquivo pessoal. 2020.
MUSSO, P. A filosofia da rede. In: PARENTE, A. Tramas da rede: novas dimensões filosóficas, estéticas e políticas da cognição. Porto Alegre: Sulina, 2010.
MUYLAERT, A. Encontros de cinema. Itaú Cultural (Vídeo). 2015. Disponível em: Acesso em: 7 fev. 2021.
PEIRCE, C. S. Collected papers. Cambridge: Harvard Press, s.d. 8v.
NAGIB, L. Towards a positive definition of world cinema. In DENNISON, S.; LIM, S. H. (eds.) Remapping world cinema. London: Wallflower, 2006.
PRICE, S. The screenplay: authorship, theory and criticism. London: Palgrave, 2013.
REIA-BAPTISTA, V. Film literacy: media appropriations with examples from the European film context. Comunicar, 39, 81-90, 2012. DOI: https://doi.org/10.3916/C39-2012-02-08
______. Literacia dos media como resultado de multi-aprendizagens multiculturais e multimediáticas. In: MIRANDA, G.L. (ed.) Ensino online e aprendizagem multimediática. Lisboa: Relógio D’Água, 2009. Disponível em: Acesso em: 7 fev. 2021.
REIA-BAPTISTA, V.; TAVARES, M. Access. In: HOBBS, R.; MIHAILIDIS, P. (eds.), The international encyclopedia of media literacy. Hoboken: Wiley-Blackwell, 2020. 2v. DOI: https://doi.org/10.1002/9781118978238.ieml0002
SALLES, C. Crítica dos processos de criação e a recepção em arte: uma interação possível. In: DESGRANGES, F.; SIMÕES, G. O ato do espectador: perspectivas artísticas e pedagógicas. São Paulo: Hucitec, 2017a.
______. Gesto inacabado: processo de criação artística. São Paulo: Anablume, 2012.
______. Processos de criação em grupo: diálogos. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2017b.
______. Redes da criação: construção da obra de arte. São Paulo: Anablume, 2006.
Publicado
2021-06-27
Como Citar
DOURADO, P.; SALLES, C.; TAVARES, M. CRIAÇÃO E LITERACIA NAS PRÁTICAS DE ROTEIRO. Revista GEMInIS, v. 12, n. 1, p. 157-172, 27 jun. 2021.
Seção
Dossiê - Desafios, tendências e pesquisas. Roteiros Audiovisuais