INDAGAÇÕES SOBRE GÊNEROS CINEMATOGRÁFICOS E AUDIOVISUAIS:

RELIGANDO ALGUNS PONTOS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.53450/2179-1465.RG.2021v12i2p251-275

Palavras-chave:

gêneros literários; gêneros cinematográficos; drama; tragédia; ficção científica.

Resumo

Este artigo pretende levantar alguns interrogantes acerca da análise de filmes na perspectiva dos gêneros cinematográficos e audiovisuais, levando em conta a história dos gêneros literários e esforços predecessores de teorização, tanto no âmbito dos estudos literários, quanto no dos estudos cinematográficos. O objetivo é repensar alguns procedimentos de uso corrente no âmbito dos estudos de gêneros cinematográficos e audiovisuais, bem como alguns gêneros controvertidos, tentando religar pontos que conectam os estudos de cinema a outros campos do saber. Para tal, serão revisitados os pensamentos de autores como Platão, Arisóteles, Friedrich Schiller, Charles Morris, Tzvetan Todorov, John Frow, Rick Altman e Nathalie Denizot, entre outros.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alfredo Suppia, Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP

Professor de história e teoria do cinema no curso de graduação em Comunicação Social com habilitação em Midialogia, no Programa de Pós-graduação em Multimeios e no Doutorado em Ciências Sociais da Universidade Estadual de Campinas.

Referências

Referências:
AGUADO, Virginia Luzón. “Film genre and its vicissitudes: the case of the psychothriller”. Atlantis. Vol. 24, No. 1 (Junio 2002), pp. 163-172.
ARISTÓTELES. Poética. Trad. e notas de Ana Maria Valente. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2008.
_____. Retórica. São Paulo: Edipro, 2011.
BATTEUX. Les Beaux-Arts réduits à un même principe. Paris: Durand: 1746. https://gallica.bnf.fr/ark:/12148/bpt6k50428g/f2.image. Acesso em 02 de maio de 2020.
BAXTER, John. Science fiction in the cinema. New York: A.S. Barnes & Co./London: A. Zwemmer Ltd. 1970.
BORDWELL, David. “The Art Cinema as a Mode of Film Practice”. Film criticism, Vol. 4, No. 1, Film Theory (Fall 1979), pp. 56-64. Disponível em https://www.jstor.org/stable/44018650 . Acesso em 25 de maio de 2020.
BOULD, Mark. Film and Television, In: Edward JAMES e Farah MENDLESOHN (eds.), The Cambridge companion to science fiction, 2003, pp. 79-95.
BOULD, Mark. “From world sf (via, if we must, World Sf) to world-sf: an introduction”. A virtual introduction to science fiction. Disponível em http://eprints.uwe.ac.uk/33549/3/From%20world%20sf.pdf. Acessado em 13 de maio de 2019.
BROOKS, Peter. The melodramatic imagination: Balzac, Henry James, melodrama, and the mode of excess. New Haven and London: Yale University Press, 1976.
BUCKLAND, Warren (Ed.). Puzzle films: complex storytelling in contemporary Cinema. Wiley-Blackwell: 2008.
BUSCOMBE, Edward. A ideia de gênero no cinema americano. In: RAMOS, Fernão (Org.). Teoria contemporânea do cinema vol. II: documentário e narratividade ficcional. São Paulo: Ed. Senac São Paulo, 2005, pp. 303-318.
COMPAGNON, M. A. “Théorie de la littérature: la notion de genre”. UFR de Littérature française et comparée/Cours de licence LLM 316 F2. Paris: Université de Paris IV-Sorbonne, 2001 Disponível em https://www.fabula.org/compagnon/genre.php. Acesso em 29/04/20.
CUDDON, J. A. Dictionary of Literary Terms & Literary Theory (revisado por C. E. Preston). London: Penguin, 1999.
CULLER, Jonathan. Structuralist poetics: structuralism, linguistics and the study of literature. London: Routledge, 1975.
DENIZOT, Nathalie. “Genres littéraires et genres textuels dans la discipline français”. Pratiques n. 145/146, Juin, 2010, pp. 211-230. Disponível em https://journals.openedition.org/pratiques/1562 . Acesso em 11/05/2020.
DERRIDA, Jacques. Parages. Paris: Galilee, 1986.
DUBOIS, Philippe. “A imagem-memória ou a mise-en-film da fotografia no cinema autobiográfico moderno”. Revista Laika. Uma publicação do Laboratório de Investigação e Crítica Audiovisual (LAICA) da USP, Julho 2012, pp. 1-37. Disponível em https://www.revistas.usp.br/revistalaika/article/view/137162 . Acesso em 27/06/2018.
ELIAS, Érico Monteiro. Quando a Fotografia Atravessa ao Cinema. Anais do XXXIX Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, São Paulo – SP, 05 a 09/09/2016, pp. 1-15. Disponível em http://portalintercom.org.br/anais/nacional2016/resumos/R11-0842-1.pdf. Acesso em 27/06/2018.
FROW, John. Genre. New York: Routledge, 2005.
GENETTE, Gérard. Introdução ao arquitexto. Lisboa, Vega, 1990.
GRANT, Barry Keith. Film genre: from iconography to ideology. London: Wallflower, 2007.
GRANT, Barry Keith; KURTZ, Malisa (Eds.). Notions of genre: writings on popular film before genre theory. Austin: The University of Texas Press, 2016.
JOST, François. “La promesse des genres”. Réseaux, volume 15, n°81, 1997. Le genre télévisuel. pp. 11-31; doi : https://doi.org/10.3406/reso.1997.2883. Disponível em https://www.persee.fr/doc/reso_0751-7971_1997_num_15_81_2883. Acesso em 24 de maio de 2020.
LANGFORD, C. (1938). Charles W. Morris. Foundations of the theory of signs. International encyclopedia of unified science, vol. 1, no. 2. The University of Chicago Press, Chicago1938, vii 59 pp. Journal of symbolic logic, 3(4), 158-158. doi:10.2307/2267781. Disponível em https://www.cambridge.org/core/journals/journal-of-symbolic-logic/article/charles-w-morris-foundations-of-the-theory-of-signs-international-encyclopedia-of-unified-science-vol-1-no-2-the-university-of-chicago-press-chicago1938-vii-59-pp/29F6656AB0D0D26A1464911616CB8A06. Acesso em 24 de maio de 2020.
LANGFORD, Barry. Film genre: Hollywood and beyond. Edinburgh: Edinburgh University Press, 2005.
LESSING, Gotthold Ephraim. Lessing: obras, crítica e criação. Organização e tradução de J. Guinsburg e Ingrid D. Koudela; tradução de Gita K. Guinsburg. São Paulo: Perspectiva, 2016.
LIMA, Dellani; IKEDA, Marcelo. Cinema de garagem: um inventário afetivo sobre o jovem cinema brasileiro do século XXI. Editora Suburbana Co.: 2011.
LIOURE, Michel. Le drame. Paris: Armand Colin, 1964.
LULLI, Barbara Ferrario. “Do sublime: a estética crítica e a Tragédia pensada por Friedrich Schiller”. Em curso, v. 4, 2017, pp. 1-12. Disponível em http://doi.editoracubo.com.br/10.4322/2359-5841.20170408 . Acesso em 24 de maio de 2020.
LYRA, Bernadette; SANTANA, Gelson (Orgs.). Cinema de bordas. São Paulo: A Lápis, 2006.
MACEY, David. Dictionary of critical theory. London: Penguin, 2001.
MELLO, Cecília (org.). Realismo fantasmagórico. São Paulo: Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária - USP, 2015. Disponível em https://drive.google.com/file/d/1ySsLiRN9ZF2F-mt02Cv_I71EE9nXTYMt/view . Acesso em 25 de maio de 2020.
MORRIS, Charles, W. [1938] Fundamentos dos teoria dos signos. Rio de Janeiro: Livraria Eldorado, 1976.
NEALE, Steve. “Questions of Genre”. In: GRANT, Barry Keith (Ed.). Film genre reader III. Austin: Univ. of Texas Press, 2003, pp. 160-184.
ODIN, Roger. A questão do público: uma abordagem semiopragmática. In: RAMOS, Fernão Pessoa (Org.). Teoria contemporânea do cinema vol. II: documentário e narratividade ficcional. São Paulo: Ed. Senac São Paulo, 2005, pp. 27-45.
PLATÃO. A República. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2016.
PROPP, V. I. Morfologia do conto maravilhoso. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010, 2a ed.
RIEDER, John. “What is SF? Some Thoughts on Genre”. A virtual introduction to science fiction. Ed. Lars Schmeink. Web. 2012. <http://virtual-sf.com/?page_id=137>. 1-17. Disponível em http://virtual-sf.com/wp-content/uploads/2012/04/Rieder.pdf. Acesso em 24 de maio de 2020.
SANTANA, Gelson (Org.). Cinema de bordas 2. São Paulo: A Lápis, 2008.
SCHILLER, F. Teoria da tragédia. Trad. de Anatol Rosenfeld. São Paulo: E.P.U., 1991, 2a ed.
SCHILLER, F. Do sublime ao trágico. Trad. de Pedro Sussekind e Vladimir Vieira. São Paulo: Autêntica, 2011.
SCONCE, Jeffrey. “‘Trashing’ the academy: taste, excess, and an emerging politics of cinematic style”. Screen, Volume 36, Issue 4, Winter 1995, pp. 371–393, https://doi.org/10.1093/screen/36.4.371. Disponível em https://marcell.memoryoftheworld.org/Jeffrey%20Sconce/Trashing%20the%20Academy%20(2544)/Trashing%20the%20Academy%20-%20Jeffrey%20Sconce.pdf . Acesso em 25 de maio de 2020.
SPENCER, Kathleen. "'The Red Sun is High, the Blue Low': Towards a Stylistic Description of Science Fiction." Science fiction studies 10.1 (1983): 35-49.
STALLONI, Yves. Os gêneros literários: A comédia, o drama, a tragédia. O romance, a novela, os contos. A poesia. Rio de Janeiro: Difel, 2001.
STAM, Robert. Introdução à teoria do cinema. Campinas: Papirus, 2003.
REF. OMITIDA PARA MANTER ANONIMATO.
TODOROV, Tzvetan. Introdução à literatura fantástica. São Paulo: Perspectiva, 1970.
TODOROV, Tzvetan. Os gêneros do discurso. São Paulo: Martins Fontes, 1980.
TODOROV, Tzvetan. As estruturas narrativas. São Paulo: Perspectiva, 2011.
TODOROV, Tzvetan. (Org.) Teoria da literatura: textos dos formalistas russos. São Paulo: Ed. Unesp, 2013.
VADICO, Luiz. O campo do filme religioso. Jundiaí: Paco Editorial, 2015.
WILLIAMS, Linda. “Film Bodies: Gender, Genre, and Excess”. Film Quarterly, Vol. 44, No. 4 (Summer, 1991), pp. 2-13. Disponível em http://www.composingdigitalmedia.org/mca_f14/MCA_reads/williams,linda_filmbodies.pdf . Acesso em 25 de maio de 2020.

Downloads

Publicado

2021-11-04

Como Citar

SUPPIA, A. INDAGAÇÕES SOBRE GÊNEROS CINEMATOGRÁFICOS E AUDIOVISUAIS:: RELIGANDO ALGUNS PONTOS. Revista GEMInIS, [S. l.], v. 12, n. 2, p. 251–275, 2021. DOI: 10.53450/2179-1465.RG.2021v12i2p251-275. Disponível em: https://www.revistageminis.ufscar.br/index.php/geminis/article/view/513. Acesso em: 29 maio. 2022.