As memórias cotidianas na espacialidade fílmica de Seguindo em frente

Autores

Palavras-chave:

Análise fílmica, Espacialidade, Memória

Resumo

O artigo realiza exercício de análise fílmica de Seguindo em frente que tem como tema central o cotidiano e encontro dos membros da família Yokoyama para lembrar a morte do primogênito. Espaço e memória são os aspectos observados, com atenção ao plano “morto” e interfaces entre ficção e sociedade, a fim de verificar como o realizador faz uso de tais dados para que atuem como elementos narrativos. Tomamos amparo conceitual em Maurice Halbwachs (1990), Michel de Certeau (2013 e 2014) e Paul Ricoeur (2007) para os pontos relacionados à memória, e Gastón Bachelard (2008) para tratar da temática da espacialidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mari Sugai, Universidade de São Paulo

Pós-doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Língua, Literatura e Cultura Japonesa do Departamento de Letras Orientais da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH), Universidade de São Paulo (USP). Doutora pelo Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Língua, Literatura e Cultura Japonesa da Universidade de São Paulo (USP). Atua como docente e produtora audiovisual (cinema e TV) e cultural.

Luiz Antonio Mousinho Magalhães, Universidade Federal da Paraíba

Professor Associado IV do Departamento de Comunicação e da Pós-graduação em Letras da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) – DECOM e PPGL/ UFPB. Fez mestrado em Letras na UFPB e doutorado em Teoria e história literária na Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP. Desenvolve pesquisa junto ao CNPq (PQ) sobre análise e recepção de ficção audiovisual. É autor de Uma escuridão em movimento – relações familiares em Clarice Lispector (1997) e  A sombra que me move – ensaios sobre ficção e produção de sentido (cinema, literatura, TV) (2012) (EDUFPB/ Ideia).

As memórias cotidianas na espacialidade fílmica de Seguindo em frente

Referências

BACHELARD, Gaston. A poética do espaço. Tradução: Antonio De Pádua Danesi. São Paulo: Martins Editora, 2008.

BAPTISTA, Mauro; MASCARELLO, Fernando (organizadores). Cinema mundial contemporâneo. Campinas: Papirus, 2008.

BORDWELL, David. Figuras traçadas na luz: a encenação no cinema. Trad. Maria Luiza Machado Jatobá. Campinas: Papirus, 2008.

BURCH, Nöel. Práxis do cinema. Trad. Marcelle Pithon e Regina Machado. São Paulo: Editora Perspectiva, 1992. p. 331-352.

CALIL, Carlos Augusto. O tofu de Ozu: O desencantado senhor da solidão. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/fsp/ilustrissima/il0108201006.htm>. Acesso em: 09 jan. 2018.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano 1: Artes de fazer. Tradução de Ephraim Ferreira Alves. Petrópolis: Vozes, 2014.

CERTEAU, Michel de; GIARD, Luce; MAYOL, Pierre. A invenção do cotidiano 2: Morar, cozinhar. Tradução de Ephraim Ferreira Alves e Lúcia Endlich Orth. Petrópolis: Vozes, 2013.

DELEUZE, Gilles. A imagem-tempo: cinema 2. Trad. Eloisa de Araujo Ribeiro. São Paulo: Brasiliense, 2007.

FISCHER, Sandra. Pai e filha, Não por acaso: cotidiano, lugar e deslugar. In: Revista Significação, nº34, 2010. p. 141 a 153.

GAUDREAULT, André; JOST, François. A narrativa cinematográfica. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2009.

KOWZAN, Tadeusz. Os signos no teatro: introdução à semiologia da arte do espetáculo. In: GUINSBURG, Jacó; COELHO NETO, José Teixeira; CARDOSO, Reni Chaves (org.). Semiologia do teatro. São Paulo: Editora Perspectiva, 1988. Cap. 5, pg. 93-123.

LEFEBVRE, Martin. On landscape in narrative cinema. In: Canadian Journal of Film Studies - Revue Canadienne D’études Cinématographiques. Volume 20, No. 1, 2011, p. 61-78.

LOPES, Denilson (2011). A estética do neutro em Ozu e sua atualidade. Revista Contracampo: Revista do Programa de Pós-Graduação em Comunicação - Universidade Federal Fluminense, Niterói, n. 2, p. 3 a 15.

MACHADO JR., Rubens Luis Ribeiro. São Paulo em movimento: a representação cinematográfica da metrópole nos anos 20. 1989. 159f. Dissertação (Mestrado em Cinema, Rádio e Televisão) – Universidade de São Paulo, Escola de Comunicação e Artes, São Paulo, 1989.

NAGIB, Lúcia; PARENTE, André (orgs.). Ozu: o extraordinário cineasta do cotidiano. São Paulo: Cinemateca Brasileira e Marco Zero, 1990.

OKANO, Michiko. Ma: entre-espaço da comunicação no Japão: um estudo acerca dos diálogos entre Oriente e Ocidente. 2007. 195f. Tese (Doutorado em Comunicação e Semiótica) - PUC (Pontifícia Universidade Católica), São Paulo, 2007.

OMMEN, Merel van. The visual representation of time in the oeuvre of Kore-eda Hirokazu. Disponível em: <http://www.imageandnarrative.be/index.php/imagenarrative/article/download/457/340>. Acesso em: 05 jan. 2018.

REICHERT, Jeff (2013). Left Behind: An Interview with Hirokazu Kore-eda. Disponível em: <http://archive.today/5ilxV#selection-171.4-171.17>. Acesso em: 07 jan. 2018.

REIS, Carlos; LOPES, Ana Cristina M. Dicionário de teoria da narrativa. São Paulo: Editora Ática S.A., 1988.

ROSENFELD, Anatol et al. A personagem de ficção. São Paulo: Editora Perspectiva, 2011.

SHIEL, Mark; FITZMAURICE, Tony. Cinema and the city: film and urban societies in a global context. Oxford: Wiley-Blackwell, 2009.

Downloads

Publicado

2020-03-15

Como Citar

SUGAI, M.; MOUSINHO MAGALHÃES, L. A. As memórias cotidianas na espacialidade fílmica de Seguindo em frente. Revista GEMInIS, [S. l.], v. 10, n. 3, p. 91–108, 2020. Disponível em: https://www.revistageminis.ufscar.br/index.php/geminis/article/view/354. Acesso em: 5 mar. 2024.

Edição

Seção

Espaço Convergente