HUMANOS E ROBÔS PARA ALÉM DE DUALISMOS

VISITA ÀS ZONAS CREPUSCULARES DA FICÇÃO CIENTÍFICA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14244/2179-1465.RG.2024v15i1p72-87

Palavras-chave:

robô, imaginário, ficção científica

Resumo

O artigo objetiva compreender os sentidos circulantes em séries de ficção científica em torno da figura de robôs ao longo do tempo. Para tanto, recorre à Teoria do Imaginário, de Gilbert Durand e aos procedimentos metodológicos por ele sistematizados na Mitocrítica, a fim de mapear os principais elementos simbólicos, arquétipos e mitos que circulam em uma produção cultural midiática. Adota-se como objeto empírico a saga estadunidense Battlestar Galactica (1978 – 2010). Entre os resultados, encontra-se disposto em escala ascendente no desenvolvimento deste universo ficcional, um deslocamento do combate à tentativa de conferir sentido ao medo fundamental do ser - a morte. Assim, constrói-se um imaginário de positivação da finitude humana, delineando um horizonte de eternidade nos termos religiosos como destino comum à humanidade e aos seres artificiais. Dentro desse contexto, ser e saber-se mortal emerge como o que confere sentido à vida, configurando essa condição existencial como consolo frente ao inexorável.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lívia de Pádua Nóbrega, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

Doutora em Comunicação Social pela Universidade Federal de Minas Gerais; Mestra em Comunicação pela Universidade Federal de Goiás; Graduada em Jornalismo pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás e História pela Universidade Federal de Goiás. Autora do livro “Robôs e Inteligência Artificial nas telas: Tecnociência, Imaginário e Política na ficção” (2023) pela Editora Appris.

Referências

ANAZ, S. A. L. Matrizes arquetípicas da cultura midiática: o imaginário científico-tecnológico do cinema mainstream. Anais do XXXVIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. Brasil, Rio de Janeiro: Intercom.

ANAZ, S. A. L. O sucesso do arquétipo do herói vigilante: Ciência, tecnologia e ética na trilogia cinematográfica O Cavaleiro das Trevas. Comun. Mídia Consumo. São Paulo, v. 3, n. 36, jan.-abr. 2016.

ANAZ, A. L.; CERETTA, F. M. Ciência e tecnologia no imaginário de The Big Bang Theory: das imagens arquetípicas à atualização de mitos e estereótipos na “Era do Conhecimento”. Revista FAMECOS: mídia, cultura e tecnologia. Porto Alegre, v. 21, n. 2, maio-ago. 2014.

ANAZ, S. A. L.; SOARES, R. de L. O mesmo e o outro em “Blade Runner”. Tríade, Sorocaba, SP, v. 5, n. 9, jun. 2017.

BARROS, A. T. M. P. A saia de Marilyn: Do arquétipo ao estereótipo nas imagens midiáticas. Revista da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação, Brasília: E-Compós, v. 12, n. 1, jan.-abr. 2009.

BARROS, A. T. M. P. Comunicação e Imaginário – Uma proposta mitolodógica. Intercom - Revista Brasileira de Ciências da Comunicação. São Paulo, v. 33, n. 2, jul.-dez. 2010.

DURAND, G. Sobre a exploração do imaginário, seu vocabulário, método e aplicações transdisciplinares: Mito, mitanálise e mitocrítica. R. Fac. Educ., 11 (1/2), 1985.

DURAND, G. A imaginação simbólica. São Paulo: Cultrix, 1988.

DURAND, G. As estruturas antropológicas do imaginário. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

DURAND, G. O imaginário: Ensaio acerca das ciências e da filosofia da imagem. Rio de Janeiro: Difel, 1998.

FELINTO, E. Novas tecnologias, antigos mitos: Apontamentos para uma definição operatória de imaginário tecnológico. Galáxia, n. 6, out. 2003.

FELINTO, E. À imagem do homem: Robôs, autômatos e pós-humanos no imaginário tecnológico. ComCiência, Brasília: SBPC, v. 70, n. 70, 2005. Disponível em: www.comciencia.br/reportagens/2005/10/07.shtml Acesso: 21/jun./2016.

LEGROS, P.; MONNEYRON, F.; RENARD, J-B.; TACUSSEL, P. Sociologia do Imaginário. Porto Alegre: Sulina, 2014.

LLOPIS, R. Introducción: Em busca del paraíso perdido. In: Viajes al otro mundo: Ciclo de aventuras oníricas de Randolph Carter. Madrid, Espanha: Alianza Editorial, 1998.

MORIN, E. O cinema ou o homem imaginário: Ensaio de antropologia sociológica. São Paulo: É Realizações, 2014.

RÉGIS, F. De Sujeito a Sistema de Informação: Como as novas concepções de mente afetam a subjetividade. Ciência & Cognição, Rio de Janeiro: UFRJ, v. 9, 2006.

SARTRE, J-P. A náusea. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2005.

SILVA, J. M. As tecnologias do imaginário. Porto Alegre: Sulina, 2006.

Downloads

Publicado

2024-05-06

Como Citar

DE PÁDUA NÓBREGA, L. HUMANOS E ROBÔS PARA ALÉM DE DUALISMOS: VISITA ÀS ZONAS CREPUSCULARES DA FICÇÃO CIENTÍFICA. Revista GEMInIS, [S. l.], v. 15, n. 1, p. 72–87, 2024. DOI: 10.14244/2179-1465.RG.2024v15i1p72-87. Disponível em: https://www.revistageminis.ufscar.br/index.php/geminis/article/view/802. Acesso em: 25 jul. 2024.

Edição

Seção

Dossiê - Narrativas de IA: tendências da produção audiovisual