CONVIVÊNCIA VIRTUAL:

A ARTE DE TECER REDES COM O TRABALHO AFETIVO ANTIMANICOMIAL

Autores

Palavras-chave:

convivência, isolamento social, comunicação

Resumo

Este artigo visa compartilhar a experiência de trabalho do Centro de Convivência e Cultura da Zona Oeste da cidade do Rio de Janeiro, problematizando o conceito de trabalho afetivo antimanicomial, antes e durante a pandemia de Covid-19. Apresenta-se uma pesquisa com os trabalhadores destes serviços sobre a atividade de convivência e como se opera a dimensão afetiva, usando o método da oficina de fotos. Narra-se a construção de oficinas virtuais, decorrentes do contexto pandêmico, que inventaram outros modos de fortalecer redes de afeto e reduzir os danos do isolamento social através de tecnologias de informação e comunicação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ariadna Patricia Estevez Alvarez, Fiocruz

Psicóloga, Doutora em Psicologia (UFF), Professora-pesquisadora Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio (Fiocruz)

Janaina de Barros Fernandes, Secretaria Municipal de Saúde - RJ

Psicóloga, Especialista em Saúde Mental pelo IPUB, e em Atenção Psicossocial pela ENSP/Fiocruz. Coordenadora do Centro de Convivência e Cultura da Zona Oeste da Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro.

Maria Isabel Quiñonez de Oliveira, UFMG

Estudante de Psicologia da Universidade Federal de Minas Gerais. Integrante do Grupo de Estudos Trabalho Afetivo Antimanicomial.

Isabella Cunha Alves da Silva, UFF

Estudante de Psicologia da Universidade Federal Fluminense. Integrante do Grupo de Estudos Trabalho Afetivo Antimanicomial.

Rodrigo de Castro, Secretaria Municipal de Saúde - RJ

Licenciado em Teatro, Pós-graduando em Artes Cênicas pela UNESA. Professor de Teatro Centro de Convivência e Cultura da Zona Oeste. Educador social da Secretaria de Ação Social de Mangaratiba-RJ.

Referências

ALVAREZ, A. P. E. Convivência como atividade de produção do comum: Cartografias com Centros de Convivência. 2020. 272f. Tese de Doutorado em Psicologia. Programa de Pós-graduação em Psicologia, Universidade Federal Fluminense, Niterói.
BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2003.
BASAGLIA, F. O circuito do controle: do manicômio à descentralização psiquiátrica. Comunicação ao III Encontro da Rede Internacional de Alternativa à Psiquiatria, Trieste, 1977. In: AMARANTE, P. (Org.). Escritos selecionados em saúde mental e reforma psiquiátrica. Rio de Janeiro: Garamond, 2005.
BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n. 3.088, de 23 dezembro de 2011. Republicada em 21 de maio de 2013c. Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS).
CANGUILHEM, G. O normal e o patológico. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2007.
CASTIEL, L. D. Promoção de saúde e sensibilidade epistemológica da categoria comunidade. Revista de Saúde Pública, v. 38, n. 5, p. 615-622, 2004.
CLOT, Y. Trabalho e poder de agir. Belo Horizonte: Fabrefactum, 2010.
FERIGATO, S. Cartografia dos Centros de Convivência de Campinas: produzindo redes de encontros, 2013. 320 f. Tese (Doutorado em Saúde Coletiva) – Faculdade de Ciências Médicas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2013.
GALLETTI, M. C. Qual o lugar dos Centros de Convivência na rede substitutiva? Centros de Convivência e Cooperativa, Cadernos Temáticos, CRP-SP, São Paulo, 2015.
HARDT, M. Trabalho afetivo. Cadernos de Subjetividade, PUC-SP, n. 11, p.142-157, 2003.
LANCETTI, A. Clínica peripatética. São Paulo: Hucitec, 2008. RDT, M.
LÉVY, P. O que é virtual? Trad. Paulo Neves. São Paulo, Ed. 34, 1996.
OSORIO DA SILVA, C.; RAMMINGER, T. O trabalho como operador de saúde. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 19, n. 12, p. 4751-4758, 2014.
PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, L. (Orgs.). Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2009.
PASSOS, E.; KASTRUP, V.; TEDESCO, S. (Orgs.). Pistas do método da cartografia: a experiência da pesquisa e o plano do comum. v. 2. Porto Alegre: Sulina, 2014.
PELBART, P. Manicômio mental: a outra face da clausura. In: GUATTARI, F. et al. Saúde e loucura 2. São Paulo: Hucitec, 1991. p. 131-138.
PELBART, P. Nau do Tempo Rei: ensaios sobre o tempo da loucura. Rio de Janeiro: Imago, 1993.
SPINOZA, B. Ética. Tradução Tomaz Tadeu. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2011.
VENTURINI, E. A linha curva: o espaço e o tempo da desinstitucionalização. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2016.

Downloads

Publicado

2021-01-28

Como Citar

ALVAREZ, A. P. E.; FERNANDES, J. de B.; DE OLIVEIRA, M. I. Q.; ALVES DA SILVA, I. C.; CASTRO, R. de. CONVIVÊNCIA VIRTUAL:: A ARTE DE TECER REDES COM O TRABALHO AFETIVO ANTIMANICOMIAL. Revista GEMInIS, [S. l.], v. 11, n. 3, p. 87–107, 2021. Disponível em: https://www.revistageminis.ufscar.br/index.php/geminis/article/view/566. Acesso em: 16 jun. 2024.

Edição

Seção

Dossiê - Redes de Comunicação e Narrativas em Saúde

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.