A REDE HUMANIZASUS COMO DISPOSITIVO DE FORMAÇÃO EM SAÚDE

Autores

Palavras-chave:

Educação em Saúde, Comunicação, Recursos Humanos em Saúde, Redes Sociais

Resumo

O objetivo do estudo foi descrever e analisar os processos formativos de profissionais de saúde, fomentados e disparados pelas redes sociais, com ênfase na Rede HumanizaSUS (RHS). Para tanto, utilizou-se de uma abordagem quanti qualitativa a partir do método perspectivista de análise de redes. Foram selecionados posts pelo sistema de busca da própria rede, referentes a 2004 a 2018. A análise dos dados foi realizada tematicamente e a partir do uso do software Gephi.  As análises webométricas e temática dos posts selecionados na rede, apontam para pelo menos 8 categorias de processos formativos em saúde promovidos pela RHS no ciberespaço.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paula Fernanda de Andrade Leite, Universidade Federal de São Carlos

Terapeuta Ocupacional graduada pela Universidade Federal de São Carlos

Ricardo Rodrigues Teixeira, Universidade de São Paulo

Docente do Departamento de Medicina Preventiva da Faculdade de Medicina - Universidade de São Paulo

Amanda Dourado Souza Akahosi Fernandes, Universidade Federal de São Carlos

Docente do Departamento de Terapia Ocupacional - Universidade Federal de São Carlos

Sabrina Helena Ferigato, Universidade Federal de São Carlos

Docente do Departamento de Terapia Ocupacional - Universidade Federal de São Carlos

Referências

CARDOSO, J.N; ARAÚJO, I.S. Comunicação e Saúde. In: FIOCRUZ (org), Dicionário de educação profissional em saúde. Rio de Janeiro: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio/Fiocruz, 2009. Disponível em: http://www.sites.epsjv.fiocruz.br/dicionario/verbetes/comsau.html. Acesso em 07/10/2020.

COSTA R. Inteligência coletiva: comunicação, capitalismo cognitivo e micropolítica. Revista FAMECOS. v.15, n.37, p.61-68, 2008.

FERIGATO, S.H et al. Potências do CiberespaSUS: redes sociais como dispositivos de políticas públicas de saúde no Brasil. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro , v. 23, n. 10, p. 3277-3286, Out. 2018 https://doi.org/10.1590/1413-812320182310.14082018.

FERNANDES, L. de S; CALADO, C; ARAUJO, C.A.F. Redes sociais e práticas em saúde: influência de uma comunidade online de diabetes na adesão ao tratamento. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro , v. 23, n. 10, p. 3357-3368, Oct. 2018.

FONSECA, J.S.A et al. Redes sociais, acesso e regulação dos serviços de saúde em um município de pequeno porte do Rio de Janeiro, Brasil. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 23, n. 10, p. 3211-3222, Out. 2018.

LATOUR, B. Ciência em ação. São Paulo: Ed. Unesp, 2000.

LATOUR, B et al. O Todo é Sempre Menor que as Partes: um teste digital das mônadas de Gabriel Tarde. Parágrafo, [S.l.], v. 3, n. 2, p. 7-26, ago. 2015. ISSN 2317-4919. Disponível em: <http://revistaseletronicas.fiamfaam.br/index.php/recicofi/article/view/329>. Acesso em: 07 nov. 2020.

LÉVI-STRAUSS, C. Mito e significado. Lisboa: Edições 70, 1987.

LÉVY, P. A inteligência coletiva: por uma antropologia do ciberespaço. 4th ed. São Paulo: Loyola, 2003.

LIMA, S.A.V; ALBUQUERQUE, P.C; WENCESLAU, L.D. Educação permanente em saúde segundo os profissionais da gestão de Recife, Pernambuco. Trabalho, Educação e Saúde, [S.L.], v. 12, n. 2, p. 425-441, ago. 2014. FapUNIFESP (SciELO). http://dx.doi.org/10.1590/s1981-77462014000200012.

MALINI, F. Um método perspectivista de análise de redes sociais: cartografando topologias e temporalidades em rede. Encontro Anual da Compós, Universidade Federal de Goiás, 7 a 10 junho de 2016, Goiânia.

MÂNGIA, E.F; MURAMOTO, M.T. O estudo de redes sociais: apontamentos teóricos e contribuições para o campo da saúde . Revista de Terapia Ocupacional da Universidade de São Paulo, v. 16, n. 1, p. 22-30, 1 abr. 2005.

MARTELETO, R.M. Análise de redes sociais - aplicação nos estudos de transferência da informação. Ci. Inf., Brasília, v. 30, n. 1, p. 71-81, Apr. 2001.

MINAYO, M.C de S. Técnicas de análise do material qualitativo. In: MINAYO, Maria Cecília de Souza. O Desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec, 2010.

RECUERO, R. da C. Redes Sociais na Internet: Considerações Iniciais. E-Compós, v. 2, 26 jun. 2005.

REDE HUMANIZA SUS [Internet]. Rede HumanizaSUS. [Internet]. [acesso em 2020 Jan 14]. Disponível em: http://redehumanizasus.net/

REDE HUMANIZA SUS [Internet]. II Mostra de Humanização: Dossiê do Colegiado Gestor e Materiais disponibilizados aos participantes; 2013 [acesso em 13 jan. 2020].

TOMAEL, M.I; MARTELETO, R.M. Redes sociais de dois modos: aspectos conceituais. Transinformação, Campinas, v. 25, n. 3, p. 245-253, Dec. 2013.

VERMELHO, S.C; VELHO, A.P.M; BERTONCELLO, V. Sobre o conceito de redes sociais e seus pesquisadores. Educ. Pesqui., São Paulo, v. 41, n. 4, p. 863-881, Dez. 2015.

Downloads

Publicado

2020-12-21

Como Citar

LEITE, P. F. de A.; TEIXEIRA, R. R.; FERNANDES, A. D. S. A.; FERIGATO, S. H. A REDE HUMANIZASUS COMO DISPOSITIVO DE FORMAÇÃO EM SAÚDE. Revista GEMInIS, [S. l.], v. 11, n. 2, p. 165–186, 2020. Disponível em: https://www.revistageminis.ufscar.br/index.php/geminis/article/view/555. Acesso em: 18 abr. 2024.

Edição

Seção

Dossiê - Redes de Comunicação e Narrativas em Saúde