[1]
D. Tavares e R. Pinto, “Justin Bieber, do doc ao Instagram: a estetização da vid”a, GEMInIS, vol. 4, nº 2, p. 134-151, dez. 2013.