Kony 2012: estratégias narrativas de um fenômeno do ativismo digital

  • Flávia Brites USP
  • Tarcisio Torres Silva
Palavras-chave: ativismo digital, Kony 2012, utopia, meme, mito, narratividade, ciborgue

Resumo

Em março de 2012 foi lançada a campanha Kony 2012, cujo instrumento principal foi um filme com 29 minutos de duração realizado pela ONG Invisible Children. Ele trata de uma campanha de mobilização cujo propósito é localizar e prender Joseph Kony, líder do LRA (Lord’s Army Resistance), grupo militante atuante no centro da África acusado de uma série de crimes contra a humanidade. A tamanha popularidade que um filme ativista alcançou na internet nos instigou a pensar sobre quais estratégias foram usadas por seus produtores e os efeitos da campanha. Para tanto, partimos neste trabalho de considerações sobre a significação de diversos fragmentos de vídeos tirados do Youtube e usados como peças básicas da construção do filme Kony 2012. Em seqüência, com base na sua decupagem*1, persegue-se a forma como o filme revela sentidos políticos latentes naqueles micro-vídeos. Partindo da ideia do filme como um momento dentro de um processo complexo de construção, disputa e negociação de uma comunidade digital imaginada, veremos que o filme e as práticas em torno dele propõem uma política global, construída a partir de mitos e utopias, que se coloca ao mesmo tempo jovem, pós-moderna e digital. Ele suscita respostas vindas da prática já existente nessa nova ágora, que demonstrou ser altamente manipulável e, não sem paradoxos, altamente crítica.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2012-08-06
Como Citar
BRITES, F.; TORRES SILVA, T. Kony 2012: estratégias narrativas de um fenômeno do ativismo digital. Revista GEMInIS, v. 3, n. 1, p. 25-50, 6 ago. 2012.
Seção
Dossiê