Um Mapeamento do Conceito de Jogo

  • Patrícia M. F. Coelho PUC-SP
Palavras-chave: jogos, games, advergames, mapeamento, lúdico

Resumo

Este artigo é o resultado inicial de meu Pós - Doutoramento em desenvolvimento no Programa TIDD na PUC-SP com o auxílio de bolsa da FAPESP. O presente estudo busca apresentar um mapeamento do conceito de jogo para compreender: 1 - diferenças entre jogos humanos e jogos animais, 2 - o que caracteriza um jogo e 3 - quais os tipos de jogo que podem existir. Este artigo busca compreender o jogo através de seus aspectos lúdicos, pois o jogo, quando visto a partir dessa perspectiva, aparece marcado principalmente pelo ato e impulso do jogador em jogar. Este trabalho preliminar não pretende fazer um estudo cronológico da história dos jogos, o que seria uma pesquisa infinda, mas sim apresentar um mapeamento conceitual a partir do momento em que o jogo começou a ser entendido enquanto um “corpus” de análise e pesquisa, ou seja, quando determinados autores/pensadores começaram a refletir e criar uma “teoria” para explicá-lo, conceituando-o e observando seu funcionamento na sociedade e nas relações humanas. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Patrícia M. F. Coelho, PUC-SP
Pós-Doutorado TIDD-PUC-SP/Bolsista FAPESP.

Referências

ALVES, Lynn. Game over: jogos eletrônicos e violência. São Paulo: Futura, 2005.

BAIRON, SÉRGIO. Os Jogos de Linguagem e a Hipermídia. Revista de Comunicação Faap, São Paulo, v. 01, n. 01, p. 33-56, 1995.

BARBOSA, Ivan Santo. Jogada publicitária: a construção lúdica de um projeto social. Tese (Livre-Docência). São Paulo. Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo, 1989.

_____. (Org). Os sentidos da publicidade – Estudos interdisciplinares. 1ª ed. Pioeira Thompson, 2005.

CAILLOIS, Roger. Os jogos e os homens: a máscara e a vertigem. Lisboa: Cotovia, 2001.

CAPPO, Joe. O Futuro da propaganda: nova mídia, novos clientes, novos consumidores na era pós-televisão. Tradução de Henrique A. R. Monteiro. São Paulo: Cultrix, 2003.

COURTNEY, Richard. Jogo, teatro & pensamento. Editora Perspectiva. São Paulo, 2006.

GOMES, Itania Maria Mota. O embaralhamento de fronteiras entre informação e entretenimento e a consideração do jornalismo como processo cultural e histórico. In: Castro, Maria Líbia Dias de; Duarte, Elizabeth Bastos. Em torno das Mídias: práticas e ambiências. Porto Alegre: Sulina, 2008.

GOMES, Renata C. L. F. Imersão e Participação: Mecanismos Narrativos nos Jogos Eletrônicos. Dissertação de Mestrado defendida em Comunicação e Semiótica. São Paulo: PUC-SP, 2003.

GOODARD, Angela. The Language of Advertising. Routledge, London and New York, 2001.

Huizinga, Johan. Homo ludens: O jogo como elemento da cultura. São Paulo: Perspectiva, 2001.

MENDES, Cláudio. Jogos eletrônicos: diversão, poder e subjetivação. Campinas: Papirus, 2006.

PETITINGA JÚNIOR, Paulo Roberto. É hora de jogar: a interação entre marcas e consumidores no formato de advergame. Monografia de conclusão do curso de Publicidade e Propaganda. Departamento de Comunicação. Universidade Salgado de Oliveira, 2006.

PFÜTZENREUTER, Edson. P. A linguagem do terror nos videogames. In: Lucilinda Teixeira. (Org.). Leituras intersemióticas. Manaus: Editora da UNAMA, 2008.

Santaella, Lucia. Matrizes da linguagem e pensamento: sonora, visual e verbal. 3ª edição. São Paulo: Iluminuras, 2005.

_____.Semiótica aplicada. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2002.

_____.Linguagens líquidas na era da mobilidade. São Paulo: Paulus, 2007.

_____.Lúcia; NÖTH, W. Estratégias semióticas da publicidade. 1. ed. São Paulo: Cengage Learning, 2010.

_____. Imagem: cognição, semiótica e mídia. São Paulo: Iluminuras, 2001.

_____.Lucia; Pereira, M. F. (orgs.) Mapa do jogo. A diversidade cultural dos games. 1. ed. São Paulo: Cengage Learning, 2009.

SOUZA JÚNIOR, P. C.. A interatividade no jogo eletrônico Shadow of the Colossus. Estudos Semióticos (USP), v. 5, p. 52-59, 2009.

SPENCE, Lewis. Myth and Ritual in Dance, Game and Rhyme. Watts, 1947.

Como Citar
M. F. COELHO, P. Um Mapeamento do Conceito de Jogo. Revista GEMInIS, v. 2, n. 1, p. 251-261, 11.