QUAL O LUGAR DA TRANSMIDIAÇÃO NO TELEJORNALISMO LOCAL?

Um panorama da atuação dos telejornais de afiliadas da Globo (JPB, SETV e PITV) nas redes sociais

  • Thaísa Bueno UFMA
  • Lívia Cirne UFRN
  • Ariel Rocha UFMA
Palavras-chave: Transmídia; telejornalismo; convergência; Nordeste; Rede Globo.

Resumo

Esta investigação analisa o uso do Facebook e do Twitter como auxiliares na propagação de conteúdo jornalístico e participação do público pelos telejornais JPB, SETV e PITV, pertencentes a emissoras afiliadas à Rede Globo no Nordeste. O levantamento se propõe a entender como ocorre o fenômeno da convergência e da produção de conteúdo transmídia quando esses três telejornais locais se apropriam das plataformas de redes sociais na internet, a partir da seleção de 382 publicações que dizem respeito às edições dos telejornais, extraídas de um universo de 2.518 postagens realizadas nas páginas oficiais das emissoras, no período fevereiro a julho de 2018. Entre as constatações, pode-se desvendar que a transmidiação no telejornalismo local brasileiro segue um desenvolvimento diferente do que se observa nas características vindas da indústria do entretenimento, com uma organicidade específica: apostas, basicamente, em estratégia limitadas, de transposição de conteúdos, e práticas interativas apoiadas em conteúdo colaborativo.    

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thaísa Bueno, UFMA
Mestre em Letras pela Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (2007), doutora em Comunicação pela Pontifícia Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2015), professora adjunta no curso de Comunicação Social – Jornalismo na Universidade Federal do Maranhão. Atualmente é coordenadora do programa de Mestrado em Comunicação na UFMA em Imperatriz (PPGCom/CAPES).
Lívia Cirne, UFRN
Professora adjunta do curso de Jornalismo da UFRN e do Programa de Pós-graduação em Estudos da Mídia (PPGEM/UFRN/CAPES). Doutora em Comunicação pela UFPE, tendo feito estágio doutoral no CETAC.Media, na Universidade de Aveiro.
Ariel Rocha, UFMA
Formada em Jornalismo na UFMA de Imperatriz e aluna do programa de Mestrado (PPGCom/Capes) na mesma instituição. Integra os grupos de pesquisa em Comuniação e Cibercultura (Gciber) e de Comunicação, Política e Sociedade (COPS).  

Referências

AROSO, I. As redes sociais como ferramentas de jornalismo participativo nos meios de comunicação regionais: um estudo de caso. Biblioteca Online de Ciências da Comunicação. Recuperado de http://bit. ly/1HWeJAN, 2013.

BAUER, M. W.; GASKELL, G. Pesquisa qualitativa com texto: imagem e som: um manual prático. 2. ed. Petrópolis: Editora Vozes, 2003.

CAJAZEIRA, P. E. S. L. A audiência convergida do telejornal nas Redes Sociais. BOCC. Biblioteca Online de Ciências da Comunicação, v. 1, p. 1-97, 2014.

CAJAZEIRA, P. E. S. L. O Telejornalismo Estendido nas Redes Sociais: Participação ou Interação?.Ação Midiática - Estudos em Comunicação, Sociedade e Cultura, v. 1, p. 1-18, 2014.

CIRNE, L. Repensando o telejornalismo a partir da digitalização da TV: em busca de formatos interativos (Tese de doutorado). Recife: UFPE, 2014.

CIRNE, L. De uma para muitas... mídias: uma abordagem da transmidiação no telejornalismo. Revista Latino-Americana de Jornalismo - ÂNCORA, 2016.

DINIZ, T. R. (In)conclusões sobre a narrativa transmídia no jornalismo: sobre o que pode ser e o que se deseja. In: Intercom Nordeste, 2011, Maceió. XIII Congresso de Ciências da Comunicação na Região Nordeste. Maceió: Cesmac, 2011. v. 1. p. 1-12.

DOS SANTOS, Márcio Carneiro. Existe jornalismo transmídia? considerações sobre o reúso de conceitos. Revista GEMInIS,São Carlos, UFSCar, v. 8, n. 3, pp.136-149, set./dez. 2017.

FECHINE, Y.; FIGUEIRÔA, A.; CIRNE, L. Transmidiação: explorações conceituais a partir da telenovela brasileira. In: LOPES, M. I. V. (org.). Ficção televisiva transmidiática no Brasil: plataformas, convergência, comunidades virtuais. Porto Alegre: Sulina, 2011.

FECHINE, Y.; GOUVEIA, D.; ALMEIDA, C.; COSTA, M.; ESTEVÃO, F. Como pensar os conteúdos transmídias na teledramaturgia brasileira? Uma proposta de abordagem a partir das telenovelas da Globo. In: LOPES, Maria Immacolata Vassalo de (org.). Estratégias de transmidiação na ficção televisiva brasileira. Porto alegre: Sulina, 2013.

FINGER, C. Crossmedia e Transmedia: desafios do telejornalismo na era da convergência digital. In: XXXIV Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, 2011, São Paulo. Quem tem medo da pesquisa empírica?. São Paulo: Intercom, 2011. p. 91-91.

JENKINS, H. Cultura da convergência. São Paulo: Aleph, 2009.

MARTINS, A. V. Experiência das Narrativas Cross e Transmidiáticas no Webjornalismo. Logos (UERJ. Impresso), v. 34, p. 18-31, 2011.

RECUERO, R. “Deu no Twitter, alguém confirma?” Funções do Jornalismo na Era das Redes Sociais. In: 9o Encontro da Sociedade Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo, 2011, Rio de Janeiro. Anais da 9o SBPJor, 2011.

RÊGO, S. C. Telejornalismo transmídia: identificação das estratégias transmídias no Jornal da Record News. In: XVIII Congresso de Ciências da Comunicação na Região Nordeste, 2016, Caruaru. DT 1 Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação.

SOUSA, J. P. As notícias e seus efeitos. As teorias do jornalismo e dos efeitos sociais dos media jornalísticos. Lisboa: Universidade Fernando Pessoa, 1999.
Publicado
2019-09-26
Como Citar
BUENO, T.; CIRNE, L.; ROCHA, A. QUAL O LUGAR DA TRANSMIDIAÇÃO NO TELEJORNALISMO LOCAL?. Revista GEMInIS, v. 10, n. 2, p. 160-178, 26 set. 2019.