Do convite à participação:

o percurso do telespectador em programas esportivos

  • Pedro Paula de Oliveira Vasconcelos Universidade Federal de Pernambuco
  • Yvana Fechine niversidade Federal de Pernambuc- UFPE
Palavras-chave: Participação, Espectador, Programas televisivos, Modelo, Semiótica de linha francesa

Resumo

O objetivo deste trabalho é investigar a participação do espectador em programas televisivos, uma vez que diversas emissoras têm incentivado o público a intervir em processos e rotinas, geralmente por meio da criação de conteúdos. Com base no referencial teórico-metodológico da semiótica de linha francesa, vamos propor aqui um modelo capaz de explicar como tais estratégias se articulam dentro das atrações de TV. Embora esse esquema tenha nascido da análise de uma série de programas sobre futebol da televisão paga, acreditamos que os resultados podem ser ampliados para outras experiências de mídia nas quais se convida o consumidor a participar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pedro Paula de Oliveira Vasconcelos, Universidade Federal de Pernambuco
Mestre em Comunicação pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e jornalista formado na Universidade Federal do Ceará (UFC).
Yvana Fechine, niversidade Federal de Pernambuc- UFPE
Jornalista, professora do Departamento de Comunicação Social e do Programa de Pós-graduação em Comunicação da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). É bolsista de produtividade em Pesquisa do CNPq. Possui mestrado e doutorado em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUCSP). É pesquisadora associada ao Centro de Pesquisas Sociossemiticas e ao Observatório Ibero-americano de Ficção Televisiva (Obitel).

Referências

BARROS, Diana Luz Pessoa de. Teoria Semiótica do Texto. São Paulo: Ática, 2005.

BERTRAND, Denis. Caminhos da semiótica literária. Bauru: Edusc, 2003.

BRASIL, André; MIGLIORIN, Cézar. Biopolítica do amador: generalização de uma prática, limites de um conceito. Galáxia, São Paulo, n. 20, p.84-94, dez. 2010. Disponível em: . Acesso em: 27 jan. 2019.

DAMO, Arlei Sander. Para o que der e vier: o pertencimento clubístico no futebol brasileiro a partir do Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense e seus torcedores. 1998. 241 f. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós-graduação em Antropologia Social, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 1998.

DELWICHE, Aaron; HENDERSON, Jennifer. Introduction: What is Participatory Culture? In: DELWICHE, Aaron; HENDERSON, Jennifer (Org.). The participatory cultures handbook. Nova York: Routledge, 2013. p. 3-9.

DUARTE, Elizabeth Bastos. Televisão: ensaios metodológicos. Porto Alegre: Editora Sulina, 2004.

ELLIS, John. Seeing Things: Television in the Age of Uncertainty. Londres / Nova York: I.B. Tauris, 2002.

FECHINE, Yvana. Televisão e presença: uma abordagem semiótica da transmissão direta. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2008.

FIORIN, José Luiz. Elementos de análise do discurso. São Paulo: Editora Contexto, 2014.

GREIMAS, A. J. Semântica Estrutural. São Paulo: Cultrix, 1973.

_____________. Sobre o sentido: ensaios semióticos. Petrópolis: Vozes, 1975.

GREIMAS, A. J.; COURTÉS, J. Dicionário de Semiótica. São Paulo: Editora Contexto, 2016.

HJELMSLEV, Louis. Prolegômenos a uma teoria da linguagem. São Paulo: Editora Perspectiva, 1975.

JENKINS, Henry. Cultura da Convergência. São Paulo: Aleph, 2008.

JENKINS, Henry; FORD, Sam; GREEN, Joshua. Spreadable media: creating value and meaning in a networked culture. Nova York: New York University Press, 2013.

LANDOWSKI, Eric. A Sociedade Refletida. São Paulo: Educ/pontes, 1992.

________________. Com Greimas: Interações semióticas. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2017.

LEMOS, André. Cibercultura: Tecnologia e Vida Social na Cultura Contemporânea. Porto Alegre: Sulina, 2002.

LOTZ, Amanda. The television will be revolutionized. Nova York: New York University Press, 2014.

MURRAY, Janet. Hamlet no Holodeck: o futuro da narrativa no ciberespaço. São Paulo: Unesp, 2003.

PARTICIPAR. In: HOUAISS, Antônio; VILAR, Mauro de Salles. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2009. p. 1439.

ROSS, Sharon Marie. Beyond the box: television and the internet. Oxford: Blackwell Publishing, 2008.

SANTAELLA, Lúcia. Culturas e artes do pós-humano: Da cultura das mídias à cibercultura. São Paulo: Paulus, 2010.

SANTOS, João Manuel. Televisão paga e as 24 horas do mundo esportivo. In: HOLLANDA, Bernardo Borges Buarque de et al. Olho no lance: ensaios sobre esporte e televisão. Rio de Janeiro: 7Letras, 2013. p. 148-167.

SCOLARI, Carlos. Hacia la hipertelevisión. Los primeros síntomas de una nueva configuración del dispositivo televisivo. Diálogos de la Comunicación, Peru, n. 77, p.1-9, jul-dez. 2008. Disponível em: . Acesso em: 24 set. 2018.

______________. This is the end: as intermináveis discussões sobre o fim da televisão. In: CARLÓN, Mario; FECHINE, Yvana (Org.). O fim da televisão. Rio de Janeiro: Confraria do Vento, 2014. p. 34-53.

THOMPSON, John. A mídia e a modernidade: uma teoria social da mídia. Petrópolis: Vozes, 1998.

TOLEDO, Luiz Henrique de. Lógicas no Futebol: Dimensões Simbólicas de um Esporte Nacional. 2000. 341 f. Tese (Doutorado) - Curso de Antropologia Social, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2000.

ZAGO, Gabriela. Recirculação jornalística no Twitter: filtro e comentário de notícias por interagentes como forma de potencialização da circulação. 2011. 201 f. Tese (Doutorado) - Programa de Pós-graduação em Comunicação e Informação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2011. Disponível em: . Acesso em: 16 jul. 2018.
Publicado
2020-06-11
Como Citar
VASCONCELOS, P.; FECHINE, Y. Do convite à participação:. Revista GEMInIS, v. 11, n. 1, p. 111-130, 11 jun. 2020.
Seção
Artigos