HABILIDADES DO TELESPECTADOR NA TV SOCIAL

  • Melissa Ribeiro Almeida Centro Universitário Estácio Juiz de Fora
Palavras-chave: Televisão, TV Social, Literacia Midiática, Habilidades Cognitivas

Resumo

O artigo analisa as implicações cognitivas, sensoriais e materiais do comportamento multitela no consumo televisivo, especialmente as habilidades demandadas ao telespectador para práticas de TV Social. A introdução da televisão no ambiente de convergência aponta para práticas de audiência que necessitam ser melhor identificadas e problematizadas. Nessa perspectiva, o artigo apresenta uma parcela dos resultados de pesquisa empírica que analisou a interação de telespectadores de The Voice Brasil e de MasterChef Brasil durante três temporadas, nas redes sociais Twitter, Facebook e WhatsApp. O estudo aponta sete habilidades necessárias ao telespectador para práticas de TV Social.

Referências

ANDERSON, C. A Cauda Longa: do mercado de massa para o mercado de nicho. Tradução de Afonso da Celso da Cunha Serra. Rio de Janeiro: Elsevier, 2006.
BLAKE, J. Television and The Second Screen: Interactive TV in the age of social participation. London e New York: Routledge, 2017.
CLARK, A. Mindware: an introduction to the philosophy of cognitive science. New York/Oxford: Oxford University Press, 2001.
COULDRY, N. Liveness, "Reality" and the Mediated from Television to the Mobile Phone. In: The Communication Review, vol. 7, n.4, p. 353-361, 2004.
DAVENPORT, T.; BECK, J. The Attention Economy. Boston: Harvard Business School Press, 2001.
FERRÉS, J; PISCITELLI, A. Competência midiática: proposta articulada de dimensões e indicadores. Lumina, vol.9, n.1, p.1-16, 2015.
GUMBRECHT, H. U. Produção de Presença: o que o sentido não conseguiu transmitir. Tradução Ana Isabel Soares. Rio de Janeiro: Contraponto: Ed.PUC-RIO, 2010.
HASSOUN, D. Tracing Attentions: Toward an Analysis of Simultaneous Media Use. Television and New Media, vol.15, n.4, p.271-288, 2014.
HUTCHINS, E. Distributed cognition. 2000. Disponível em: http://files.meetup.com/410989/DistributedCognition.pdf. Acesso em 05 de fevereiro de 2018.
JENKINS, H. Cultura da Convergência. Tradução de Susana Alexandria. São Paulo: Aleph, 2008.
JOHNSON, Steven. Cultura da interface: como o computador transforma nossa maneira de criar e comunicar. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2001.
JOHNSON, S. Surpreendente! A televisão e o videogame nos tornam mais inteligentes. Rio de Janeiro: Elsevier, 2005.
LATOUR, B. Reagregando o social: uma introdução à teoria Ator-Rede. Salvador: Edufba e Bauru: Edusc, 2012.
LIVINGSTONE, S. Internet literacy: a negociação dos jovens com as novas oportunidades on-line. Matrizes, vol.4, n.2, p. 11-42, 2011.
MANOVICH, L. The Language of New Media. MIT Press: 2001.
MARINELLI, A.; Andò, R. Multiscreening and Social TV: the changing landscape of TV consumption in Italy. View, vol.3, n.6, p. 24-36, 2014.
NORMAN, D. Distributed cognition. In: ____.Things that make us smart: defending human attributes in the age of the machine. Cambridge: Perseus Books, 1993.
PERANI, L. Interfaces gráficas e os elementos lúdicos: aproximações para um estudo comunicacional. Dissertação (Mestrado em Comunicação). Programa de Pós-Graduação em Comunicação, Universidade Estadual do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2008.
PROULX, M.; SHEPATIN, S. Social TV: how marketers ca reach and engage audiences by connecting television to the web, social media and mobile. New Jersey, John Wiley & Sons, Inc., 2012, 272p.
RECUERO, R. A conversação em rede: comunicação mediada pelo computador e redes socias na Internet. Porto Alegre: Sulina, 2014.
RÉGIS, F. Práticas de Comunicação e Desenvolvimento Cognitivo na Cibercultura. XIX Encontro da Compós, PUC, Rio de Janeiro, RJ, junho de 2010.
RÉGIS, F; AUDI, G.; MAIA, A. Do letramento ao letramento midiático: práticas e competências cognitivas na cibercultura. XXXVII Congresso brasileiro de Ciências da Comunicação – INTERCOM. Foz do Iguaçu, PR, 02 a 05 de setembro de 2014.
RODRIGUES, R. T. P. Modos de leitura do jovem brasileiro contemporâneo: um estudo dos audiolivros e dos livroclipes. Tese (Doutorado em Comunicação e Cultura), Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ, Escola de Comunicação – ECO, 2015. 2vols.
SALVUCCI, D; TAATGEN, N. The multitasking mind. New York: Oxford Univestiy Press, 2011.
SCOLARI, C. A. Literacia transmedia na nova ecologia mediática, 2018. Disponível em: http://transmedialiteracy.upf.edu/sites/default/files/files/TL_whit_port.pdf. Acesso em 10 de julho de 2018.
SANTAELLA, L. Navegar no ciberespaço: o perfil cognitivo do leitor imersivo. São Paulo: Paulus, 2004.
SIBILIA, P. O show do eu: a intimidade como espetáculo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2008.
WOLTON, D. Elogio do grande público: uma teoria crítica da televisão. Tradução: José Rubens Siqueira. São Paulo: Editora Ática, 1996.
Publicado
2019-04-06
Como Citar
ALMEIDA, M. HABILIDADES DO TELESPECTADOR NA TV SOCIAL. Revista GEMInIS, v. 9, n. 3, p. 89-106, 6 abr. 2019.