ESTRATÉGIAS DE STREAMING DE SÉRIES BRASILEIRAS NA PLATAFORMA GLOBOPLAY NO PERÍODO DE 2016 A 2018

  • Maria Cristina Palma Mungioli Universidade de São Paulo - USP http://orcid.org/0000-0002-5553-6107
  • Tomaz Affonso Penner Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo
  • Flavia Suzue de M. Ikeda Escola de Comunicações e Artes - Universidade de São Paulo https://orcid.org/0000-0002-2597-7673
Palavras-chave: Streaming, Globoplay, Ficção televisiva

Resumo

O trabalho analisa estratégias de streaming da plataforma Globoplay para as séries brasileiras também exibidas na TV Globo de janeiro de 2016 a agosto de 2018. O artigo examina as relações entre os sistemas streaming e broadcasting e sua possível retroalimentação. Ao longo do período analisado foi possível identificar um modelo de lançamentos que subordinava o streaming à grade da emissora aberta. Algumas implicações dessa estratégia são discutidas neste artigo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Cristina Palma Mungioli, Universidade de São Paulo - USP
Professora doutora na Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo. Professora do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação da ECA/USP. Líder do grupo de pesquisa GELiDiS – Linguagens e Discursos nos Meios de Comunicação ECA-USP/CNPq.  Email: crismungioli@usp.br
Tomaz Affonso Penner, Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo
Doutorando no Programa de Pós-graduação em Ciências da Comunicação da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo. Pesquisador do grupo de pesquisa GELiDis–Linguagens e Discursos nos Meios de Comunicação ECA-USP/CNPq. Realiza pesquisa de doutorado com o apoio do CNPq. De setembro de 2018 a março de 2019 realizou estágio doutoral por meio de bolsa-sanduíche da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) na Universidade do Texas, em Austin, EUA.
Flavia Suzue de M. Ikeda, Escola de Comunicações e Artes - Universidade de São Paulo
Doutoranda no Programa de Pós-graduação em Ciências da Comunicação da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo. Pesquisadora do grupo de pesquisa GELiDis – Linguagens e Discursos nos Meios de Comunicação ECA-USP/CNPq. O presente trabalho foi realizado com apoio da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - Brasil (CAPES) - Código de Financiamento 001. Email: flaviasuzue@usp.br.

Referências

BURNAY, Catarina; LOPES, Pedro; SOUSA, Marta Neves de. Síntese comparativa dos países Obitel em 2017. In: LOPES, M. I. V. de; Orozco-Gómez (orgs). Ficção televisiva ibero-americana em plataformas de vídeo on demand. Porto Alegre: Sulina, 2018.
CANCLINI, Néstor Garcia. Consumidores e cidadãos. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2008.
CASTELLANO, Mayka; MEIMARIDIS, Melina. Binge-Watching is the new black: As Novas formas de espectatorialidade no consumo de ficção seriada televisiva. In: Jornada Internacional GEMInIS, 2., 2016, São Carlos. Anais...
GUSMÃO, Gustavo. Netflix deve lançar episódio interativo de Black Mirror até o fim do ano. 2018. Olhar Digital. Site.01 out.2018. Disponível em: . Acesso em: 30 nov.2018.
JOST. François. Do que as séries americanas são sintoma? Porto Alegre: Sulina, 2012.
MARTÍN-BARBERO, Jesús. Dos meios às mediações: comunicação, cultura e hegemonia. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2001.
MUNGIOLI, Maria Cristina Palma. Poética das Séries de Televisão: elementos para conceituação e análise. In: 40º Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, Curitiba. Anais... Curitiba: 2017. Disponível em: http://portalintercom.org.br/anais/nacional2017/resumos/R12-2621-1.pdf. Acesso em 27 nov.2018.
PENNER, Tomaz Affonso. A Voz da Web: construções ideológicas e representatividade em vlogs LGBT+ no Brasil. Revista Tríade. Sorocaba, SP, v. 6, n. 12, p. 79-94, set. 2018.
PIÑÓN, Juan; FLORES, María de los Ángeles, CORNEJO, Tanya. Estados Unidos: a indústria de televisão hispânica em uma encruzilhada. Relações de gênero na ficção televisiva: anuário Obitel 2015. LOPES, Maria Immacolata Vassallo de; GÓMEZ, Guillermo Orozco. (coord.). Porto Alegre: Sulina, 2015.
SACCHITIELLO, Bárbara. Globoplay planeja estrear 100 novos títulos até o fim do ano. Meio & Mensagem. Versão Digital. 19 set. 2018. Disponível em: . Acesso em: 5 dez. 2018.
SACCOMORI, Camila. Práticas de binge-watching na era digital: novas experiências de consumo de seriados em maratonas no Netflix. 2016. 246 fls.Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Comunicação Social, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.
SCHAEFFER, Jean-Marie. L´experience esthétique. Paris: Gallimard, 2015.
SILVA, Marcel Vieira Barreto. Cultura das séries: forma, contexto e consumo de ficção seriada na contemporaneidade. Galaxia. São Paulo, online. n.27, p. 241-252, jun. 2014.
SINCLAIR, John. A transnacionalização de programas televisivos na região ibero-americana. MATRIZes, V. 8 - Nº 2 jul./dez. 2014 São Paulo, p. 63-77.
GLOBO.COM. Globoplay: a programação do globo ao vivo ao alcance de um ´play´; saiba. 26 out.2015. Disponível em http://redeglobo.globo.com/novidades/noticia/2015/10/globo-play-programacaoda-globo-ao-vivo-ao-alcance-de-um-play-saiba.html>. Acesso em: 30 nov.2018.
Publicado
2019-04-07
Como Citar
MUNGIOLI, M. C.; PENNER, T.; IKEDA, F. ESTRATÉGIAS DE STREAMING DE SÉRIES BRASILEIRAS NA PLATAFORMA GLOBOPLAY NO PERÍODO DE 2016 A 2018. Revista GEMInIS, v. 9, n. 3, p. 52-63, 7 abr. 2019.