O DISCURSO BIOGRÁFICO NA TELEVISÃO

MEMÓRIA E CONDIÇÕES DE PRODUÇÃO EM UM PROGRAMA SOBRE SANTOS DUMONT

Palavras-chave: Discurso biográfico, Identidade; Memória, Jornalismo regional

Resumo

Este trabalho analisa o funcionamento do discurso biográfico, usando como corpus o programa especial Santô, produzido pela EPTV, afiliada da Rede Globo em Campinas (SP). A partir do corpo teórico-metodológico da Análise de Discurso, baseada em autores como Foucault (2004), Orlandi (1993) e Pêcheux (2009; 2010), busca promover um diálogo com a noção de “ilusão biográfica”, de Pierre Bourdieu (2006). Nosso interesse é demonstrar de que forma os lugares de fala de uma emissora de televisão regional e de programa produzido pelo departamento de jornalismo produzem efeitos na enunciação, colocando em tensão a memória e a ética jornalística, na perspectiva de construir uma narrativa, ao mesmo tempo, histórica e factível em suporte midiático audiovisual, mas que pretende ainda manter uma identidade regional, mesmo com um biografado, Santos Dumont, que não pressuponha limites geográficos. Palavras-chave: Discurso biográfico; Identidade; Memória; Jornalismo regional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fabiano Ormaneze, Unicamp
Doutorando em Linguística pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), professor no Centro Universitário Metrocamp (UniMetrocamp), no Centro Universitário Anchieta (UniAnchieta) e no Centro Universitário Senac-SP. 
Duílio Fabbri Júnior, UFSCar
Doutorando em Linguística pela UFSCar, coordenador e professor do curso de Comunicação Social - Publicidade, no Centro Universitário Salesiano de São Paulo (Unisal), professor no curso de Comunicação Social - Publicidade, no Centro Universitário Anchieta (UniAnchieta) e na pós-graduação do Centro Universitário Senac-SP. 

Referências

ARFUCH, L. O espaço biográfico: dilemas da subjetividade contemporânea. 2. ed. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2010.
BENVENISTE, E. Problemas de linguística geral I. 5. ed. Campinas: Pontes, 2005.
BOURDIEU, P. A ilusão biográfica. In: FERREIRA, M. M.; AMADO, J. (orgs.). Usos e abusos da história oral. 8. ed. São Paulo: FGV, 2006, p. 183-191.
DARDE, V. W. A construção de sentidos sobre homossexualidade na mídia brasileira. Em questão. v. 14, n. 2, 2008. Programa de Pós-Graduação em Comunicação, Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/EmQuestao/article/view/3109/4870. Acesso em: 05. dez. 2018.
FABBRI JÚNIOR, D. A tensão entre o local e o global: os limites de um noticiário regional na TV. Campinas: Akademika, 2006.
FOUCAULT, M. A ordem do discurso. 10 ed. São Paulo: Loyola, 2004.
HERSCHMANN, M.; PEREIRA, C. A. O boom da biografia e do biográfico na cultura contemporânea. In: OLINTO, H.; SCHOLLHAMMER, K. (org.). Literatura e mídia. Rio de Janeiro: PUC-Rio/ São Paulo: Loyola, 2002, p. 141-150.
KERBRAT-ORECCHIONI, C. La polémique et ses définitions. IN: ______; GELAS, N. (orgs.). Le discorus polémique. Lyon: Presses Universitaire de Lyon, 1980, p. 3-40.
LEJEUNE, P. O pacto autobiográfico. Belo Horizonte: UFMG, 2008.
ORLANDI, E. As formas do silêncio: no movimento dos sentidos. Campinas: Editora da Unicamp, 1993.
ORMANEZE, F. Do jornalismo literário ao científico: biografia, discurso e representação. Campinas: Pontes, 2015.
PÊCHEUX, M. Semântica e discurso: uma crítica à reafirmação do óbvio. 4. ed. Campinas: Editora da Unicamp, 2009.
______. O papel da memória. In: ACHARD, P. et al. Papel da Memória. 3. ed. Pontes, 2010, p. 49-56.
RAMALHO, V. As biografias históricas de Santos Dumont. Scientiae Zudia. São Paulo, v. 11, n. 3, p. 687-705, 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ss/v11n3/13.pdf. Acesso em: 04 dez. 2018.
RAMOS, S.; PAIVA, A. Sequestros e suicídios: notícias que muitos jornais preferem não publicar. In: ______. Mídia e violência: novas tendências na cobertura de criminalidade e segurança no Brasil. Rio de Janeiro: IUPERJ, 2007, p. 119-132.
RAMOS, F. Mas afinal... o que é mesmo o documentário? São Paulo: Senac, 2008.
VILAS BOAS, S. Biografismo: reflexões sobre as escritas da vida. São Paulo: Editora da Unesp, 2008.
Publicado
2019-04-07
Como Citar
ORMANEZE, F.; FABBRI JÚNIOR, D. O DISCURSO BIOGRÁFICO NA TELEVISÃO. Revista GEMInIS, v. 9, n. 3, p. 121-134, 7 abr. 2019.