A COMPETÊNCIA MIDIÁTICA NA CULTURA DE FÃS

UMA ANÁLISE DO GRUPO THE HANDMAID'S TALE – BRASIL

Palavras-chave: Competência Midiática, Cultura de Fãs, The Handmaid’s Tale

Resumo

Este artigo tem como objetivo analisar as dimensões da competência midiática, proposta por Ferrés e Piscitelli (2015), presentes nas publicações da maior comunidade online de fãs da série estadunidense The Handmaid's Tale (2017- atual, Hulu) no Brasil. Criado no Facebook em 2017, o grupo The Handmaid's Tale – Brasil  reúne atualmente  mais de 10 mil membros, os posts abrangem informações sobre a trama, links para download das temporadas do programa, impressões sobre os episódios, entre outros conteúdos. Conclui-se que os fãs não só compartilham suas impressões e dúvidas sobre os desdobramentos narrativos, mas exploraram novas perspectivas da trama, ressignificando os arcos narrativos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daiana Sigiliano, Universidade Federal de Juiz de Fora
Doutoranda e mestre em Comunicação pela Universidade Federal de Juiz de Fora. Membro do grupo do Grupo de Pesquisa em Comunicação, Arte e Literacia Midiática da Universidade Federal de Juiz de Fora e do Grupo de Pesquisa em Tecnologia, Comunicação e Ciência Cognitiva da Universidade Federal do Amapá. Pesquisadora do Observatório da Qualidade no Audiovisual e Rede brasileira de pesquisadores de ficção televisiva (Obitel).
Gabriela Borges, Universidade Federal de Juiz de Fora
Mestre e Doutora em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP, com estágios nas Universidades Autônoma de Barcelona, Dublin Trinity College e Algarve. Pós-doutora pela Universidade do Algarve, em Portugal. Professora e coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Juiz de Fora. Coordenadora do Observatório da Qualidade no Audiovisual e integrante da Rede Euroamericana de Alfabetização Midiática, sendo coordenadora da equipe brasileira.

Referências

BENNETT, L. Tracing Textual Poachers: reflections on the development of fan studies and digital fandom. In Journal of Fandom Studies, v. 2, n.1, p.5-20, 2014. Disponível em: . Acesso em: 10 mar. 2019.
BORGES, G. A literacia midiática no campo da comunicação. In Aula Magna, Universidade Federal Fluminense, Niterói. Programa de Pós Graduação em Mídia e Cotidiano, 2018.
DIJCK, J. V. The culture of connectivity: a critical history of social media. Oxford University, 2013.
FRAGOSO, S; RECUERO, R; AMARAL, A. Métodos de pesquisa para internet. Porto Alegre: Sulina, 2011.
GROSSBERG, L. Is There a Fan in the House? The Affective Sensibility of Fandom. Lewis, Lisa (Org). The adoring audience: fan culture and popular media. Routledge, UK, p.50-68, 1992.
HIRSJÄRVI, I. Alfabetización mediática, fandom y culturas participativas. Un desafío global. In Anàlisi Monogràfic, n.48, p. 37-48, 2013. Disponível em: < https://ddd.uab.cat/record/112869>. Acesso em: 10 mar. 2019.
JENKINS, H. Cultura da convergência. 2. ed. São Paulo: Aleph, 2008.
JENKINS, H. et al. Cultura da Conexão - Criando Valor e Significado por Meio da Mídia Propagável. São Paulo: Aleph, 2014.
JENKINS, H. Fandom, Negotiation, and Participatory Culture. In BOOTH, P. (Ed.). A Companion to Media Fandom and Fan Studies.Oxford: John Wiley & Sons,p. 38-55, 2018.
JOHNSON, S. Tudo que é ruim é bom para você: como os games e a TV nos tornam mais inteligentes. Rio de Janeiro: Zahar, 2012.
LEMOS, A. Cibercultura - tecnologia e vida social na cultura contemporânea. 6 ed. Porto Alegre: Sulina, 2013
MITTEL, J. Complex TV: The Poetics of Contemporary Television Storytelling. New York: NYU Press, 2015.
POTTER, J. The State of Media Literacy. In Journal of Broadcasting & Electronic Media, v. 54, n.4, p. 675-696, 2010. Disponível em: . Acesso em: 10 mar. 2019.
POTTER, J. Review of Literature on Media Literacy. In Sociology Compass, Oxford, v. 7, n.6, p.41-435, 2013. Disponível em: . Acesso em: 10 mar. 2019.
PRIMO, A. Interação mediada por computador - comunicação, cibercultura, cognição. 3. ed. Porto Alegre: Sulina, 2011.
RECUERO, R. A conversação em rede: comunicação mediada pelo computador e redes sociais na Internet. 2. ed. Porto Alegre: Sulina, 2014.
RECUERO, R. Comunidades virtuais - Uma abordagem teórica. DORNELLES, B. (Org.). Mídia, imprensa e novas tecnologias. Porto Alegre: Edipucrs, 212-240, 2002.
RÉGIS, F. et al. Seriados de TV e desenvolvimento de competências cognitivas: uma análise das séries “Perdidos no Espaço” e “Lost”. In Contemporânea, Rio de Janeiro, v. 6, n.2, p. 160-173, 2008. Disponível em: . Acesso em: 10 mar. 2019.
REINGOLD, H. A comunidade virtual. Lisboa: Gradiva, 1996.
SANDVOSS, C. Fans: The mirror of consumption. Cambridge: Polity, 2005.
SANTAELLA, L; LEMOS, R. Redes sociais digitais: a cognição conectiva do Twitter. São Paulo: Paulus, 2010.
SCOLARI, C. A. Transmedia Literacy: Informal Learning Strategies and Media Skills in the New Ecology of Communication . In Revista Telos - Cuadernos de Comunicación e Innovación, 2016, 1-9. Disponível em: . Acesso em: 10 mar. 2019.
SIGILIANO, D; BORGES, G. Competência midiática: O ativismo dos fãs de The Handmaid’s Tale. In Comunicação & Inovação, São Caetano do Sul, v.19, n.40, p. 106-122, 2018. Disponível em: < https://bit.ly/2PeuX58>. Acesso em: 10 mar. 2019.
SILVA, M. Origem do drama seriado contemporâneo. In Matrizes, v.9, n.1, p. 127-143, 2015. Disponível em: . Acesso em: 10 mar. 2019.
Publicado
2019-04-07
Como Citar
SIGILIANO, D.; BORGES, G. A COMPETÊNCIA MIDIÁTICA NA CULTURA DE FÃS. Revista GEMInIS, v. 9, n. 3, p. 64-79, 7 abr. 2019.

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##