Mobilidade e ativismo: novas estratégias na luta contra o Estado hegemônico

  • Tarcisio Torres Silva UNICAMP
Palavras-chave: Estado, mobilidade, ativismo

Resumo

O uso de dispositivos móveis tem sido uma das principais ferramentas nas ações ativistas que envolvem protestos e outros tipos de mobilização social pelo mundo. Seu uso ficou evidente com a freqüente exposição de imagens de manifestantes usando celulares para se comunicarem durante as ações que derrubaram chefes de Estado na Tunísia e no Egito no início do ano de 2011. Em outros locais onde há intenso controle do Estado sobre o acesso da população à informação, como em Cuba, esta tecnologia funciona como um apoio às práticas de resistência e também como uma alternativa ao acesso à informação. Em ambos os casos, a mobilidade proporciona a renovação de estratégias de ataque desde sempre usadas em ações subversivas contra o Estado. Adicionam-se a ela a velocidade, a expansão geográfica das ações e a capacidade de persuasão das causas apresentadas por meio de estratégias diversas. A inteligência com que os dispositivos móveis vem sendo usados mostra uma nova condição que desafia o controle do Estado, muitas vezes ainda estruturado sob a ótica do poder centralizado.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tarcisio Torres Silva, UNICAMP
Doutorando em Artes/ UNICAMP. PhD Visiting Student in Cultural Studies/Goldsmiths College. 

Referências

ALLEN, Paddy. Arab and Middle East revolt – an interactive map. The Guardian. 17 fev, 2011. Disponível em: <http://www.guardian.co.uk/world/interactive/2011/feb/17/arab-world-protests-bahrain-map?INTCMP=SRCH>. Acesso em 01 mar. 2011.

BENKLER, Yochai. Coase’s Penguin, or, Linux and The Nature of the Firm. Yale Law Journal 112, numero 3, 2002. Disponível em: <http://www.benkler.org/CoasesPenguin.PDF>. Acesso em 01 mar. 2011.

CAMPBELL, David. Thinking Images v.9: Egypt, revolution and the internet . David Campbell. 8 fev. 2011. Disponível em: <http://www.david-campbell.org/2011/02/08/ thinking-images-v-9-egypt/>. Acesso em 01 mar. 2011.

CASTELLS, Manuel. Communication Power. New York: Oxford University Press, 2009.

EGYPT: the camp that toppled a president. 11 fev. 2011. BBC. Disponível em: < http://www.bbc.co.uk/news/world-12434787>. Acesso em 24 fev. 2011.

GARCIA, Ivan. Celulares em Cuba, en la crista de la ola. Desde la Habana. 03 ago. 2010. Disponível em: <http://www.desdelahabana.net/?p=3510>. Acesso em 26 ago. 2010.

FENDON, Natalie. Contesting Global Capital: New Media and the Role f a Social Imaginary. In: CAMMAERTS, Bart e CARPENTIER, Nico (org.). Reclaiming th Media: Communication Rights and Democratic Media Roles. Edinburgh: Intellect, 2006.

HARDT, Michael; NEGRI, Antônio. Multidão: guerra e democracia na era do Império. Rio de Janeiro: Record, 2005.

RHEINGOLD, Howard. Smart mobs: the next social revolution. Basic Books, 2002.

SHIRKY, Clay. Here comes everybody. England: Penguin Books, 2009.

SILVA, Tarcisio Torres. Experiências políticas em redes sociais: colaboração e ação social num mundo desengajado. Revista Mediação, v. 11, p. 11-23, 2010.

SUTTER, John D. The faces of Egypt´s revolution 2.0. CNN. 21 fev. 2011. Disponível em:< http://edition.cnn.com/2011/TECH/innovation/02/21/egypt.internet.revolution/index. html#>. Acesso em 25 fev. 2011.

YUNIS, Noria. Interview with Noria Yunis. 10 out. 2007. Mobile Active. Disponível em: <http://www.mobileactive.org/mobileactivism-egypt-NoriaYunis>. Acesso em 24 fev. 2011. Entrevista concedida a Noel Hidalgo.

Como Citar
TORRES SILVA, T. Mobilidade e ativismo: novas estratégias na luta contra o Estado hegemônico. Revista GEMInIS, v. 2, n. 1, p. 53-65, 11.