AS PESQUISAS SOBRE FICÇÃO SERIADA: UM ESTUDO DA PRODUÇÃO ACADÊMICA BRASILEIRA DE 2013 a 2017

  • Heitor Leal Machado Universidade Federal do Rio de Janeiro
Palavras-chave: Televisão, ficção seriada, estado da arte, gêneros e formatos televisivos

Resumo

A convergência e a cultura participativa não diminuíram a importância da televisão. Mas é inegável que as mudanças nas formas de produzir, distribuir e consumir os conteúdos audiovisuais reconfiguraram suas dinâmicas. Nesse sentido, a ficção seriada se mostra um objeto relevante, capaz de explicitar como isso acontece. Permite compreender também os valores e as identidades privilegiadas nos textos audiovisuais ao refletir as práticas socioculturais da contemporaneidade. Neste artigo, propomos um mapeamento das publicações sobre ficção seriada de 2013 a 2017, entre dissertações, teses, periódicos de extrato Qualis A2 e trabalhos apresentados na Intercom, Compós e Socine. O objetivo é sistematizar os dados coletados, analisar os temas de interesse, as abordagens e referências utilizadas, e revelar um Estado da Arte da produção científica brasileira sobre a ficção seriada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Heitor Leal Machado, Universidade Federal do Rio de Janeiro
Doutorando em Comunicação e Cultura pelo Programa de Pós-Graduação da Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (PPGCOM – ECO/UFRJ).

Referências

AMARAL, A.; SOUZA, R. V.; MONTEIRO, C. “De westeros no #vemprarua à shippagem do beijo gay na TV brasileira”. Ativismo de fãs: conceitos, resistências e práticas na cultura digital. Galaxia (São Paulo, Online), n. 29, p. 141-154, jun. 2015.

BACCEGA, M. A. Narrativa ficcional de televisão: encontro com os temas sociais. Comunicação & Educação, n. 26, 2003.

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

BECKER, B. Televisão e Telejornalismo: Transições. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2016.

____. Mapeamento das pesquisas em Telejornalismo no Brasil: um estudo da produção acadêmico-científica de 2010 a 2014. Revista Famecos, v. 22, n. 4, 2015.

CARLOS, C. S. Em tempo real: Lost, 24 Horas, Sex and the City e o impacto das novas séries de TV. São Paulo: Alameda, 2006.

ESQUENAZI, J. Lês séries télévisées. Paris: Armand Colin, 2014.

FECHINE, Y.. Televisão, digitalização e produção de conteúdos: a importância dos gêneros. In: SEIXAS, L; PINHEIRO, N. F. (orgs.) Gêneros: Um diálogo entre Comunicação e Linguística. Porto Alegre: Insular, 2014.

____. TV Social: contribuição para a delimitação do conceito. Contracampo, Niterói, v. 36, n. 01, pp. 84-98, abr. 2017 / jul. 2017.

FERREIRA, N. S. A. As pesquisas denominadas “estado da arte”. Educação & Sociedade, ano XXIII, no 79, Agosto/2002.

JENKINS, H. Cultura da convergência. São Paulo: Aleph, 2008.

JOST, F. Do que as séries americanas são sintoma? Porto Alegre: Editora Sulina, 2012.

____. Amor aos detalhes: assistindo a Breaking Bad. Revista MATRIZes, São Paulo: USP, 11(1), 25-37.

LEAL, B.; BORGES, F. (2017). O telespectador como detetive: aproximações à experiência televisiva contemporânea a partir de True Detective. Revista E-Compós, 20(3).

LOPES, M. I. V. Memória e Identidade na Telenovela Brasileira. Trabalho apresentado ao Grupo de Trabalho Estudos de Televisão do XXIII Encontro Anual da Compós, 2014.

LOPES, M. I. V.; OROZCO GÓMEZ, G. (orgs.) Obitel 2017: Uma década de ficção televisiva na Ibero-América: análise de dez anos do Obitel (2007-2016). Porto Alegre: Sulina, 2017.

LOPES, M. I. V.; GRECO, C. Brasil: rumo à produção e recepção 360°. In: LOPES, M. I. V.; OROZCO GÓMEZ, G. (orgs.) Obitel 2017: Uma década de ficção televisiva na Ibero-América: análise de dez anos do Obitel (2007-2016). Porto Alegre: Sulina, 2017.

MARTÍN-BARBERO, J.; REY, G. Exercícios do Ver: Hegemonia audiovisual e ficção televisiva. São Paulo: SENAC, 2002.

MACHADO, A. A televisão levada a sério. São Paulo: SENAC, 2001.

MACHADO, H. L. Terapia midiática: um lugar entre a produção e recepção de Sessão de Terapia. Revista Movimento, ECA-USP, ed. 9, nov. 2017.

MITTELL, J. Complexidade narrativa na televisão americana contemporânea. Revista Matrizes, São Paulo: USP, Ano 5 – nº 2 jan./jun. 2012

MUNGIOLI, M. C. P.; OROFINO, M. I.; DANTAS, S. G. GP Ficção Seriada: um relato sobre seus 21 anos, ou a maioridade de um objeto apaixonante. In: MORAIS, O. J. (org.) Ciências da comunicação em processo: paradigmas e mudanças nas pesquisas em comunicação no século XXI: conhecimento, leituras e práticas contemporâneas. São Paulo: INTERCOM, 2014.

NASCIMENTO, R. N. A. Vozes da África nos simbolismos da ficção: ecos do preconceito étnico-religioso em Tenda dos Milagres. Comunicação, Midia e Consumo (Online), v. 12, p. 12-30, 2015.

____. Arquétipos e simbologias do Candomblé na ficção televisiva: o universo de Tenda dos Milagres. FAMECOS, v. 23, p. 1-16, 2016.

ROMANOWSKI, J. P.; ENS, R. T. As pesquisas denominadas do tipo “Estado da Arte”. Revista Diálogos Educacionais, v. 6, n. 6, p. 37–50, 2006.

SILVA, M. V. B. Cultura das séries: forma, contexto e consumo de ficção seriada na contemporaneidade. Galaxia (São Paulo, Online), n. 27, p. 241-252, jun. 2014.

TEIXEIRA, S.; FERRARI, P. TV digital x internet: concorrentes ou aliados? In: SANTAELLA, L. Novas formas do audiovisual. São Paulo: Estação das letras e Cores, 2016.

Publicado
2018-11-20
Como Citar
MACHADO, H. AS PESQUISAS SOBRE FICÇÃO SERIADA: UM ESTUDO DA PRODUÇÃO ACADÊMICA BRASILEIRA DE 2013 a 2017. Revista GEMInIS, v. 9, n. 2, p. 04-28, 20 nov. 2018.
Seção
Espaço Convergente