LUZ, CÂMERA, AÇÃO:

COMO AS PERSONAGENS CONSTRÓEM SUA AUTO REPRESENTAÇÃO DIANTE DA CÂMERA NO DOCUMENTÁRIO EDIFÍCIO MASTER

  • Helena Oliveira Teixeira de Carvalho Universidade Federal de Juiz de Fora
  • Carlos Pernisa Júnior Universidade Federal de Juiz de Fora
Palavras-chave: documentário, mise-en-scène, encenação, Eduardo Coutinho

Resumo

O artigo pretende fazer um estudo da mise-en-scène documentária e da forma como as personagens se colocam diante da câmera no filme Edifício Master (2002), do diretor Eduardo Coutinho. O documentário traz depoimentos de moradores do Edifício Master, que fica em Copacabana – RJ, em que podemos observar como cada um se coloca em cena e constrói sua encenação diante do diretor e da câmera. Será trabalhado o conceito de automise-en-scène, do autor francês Jean-Louis Comolli para analisar essa auto representação de cada um. Além disso, também será analisado como Coutinho explicita o processo fílmico e a mise-en-scène para o espectador.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Helena Oliveira Teixeira de Carvalho, Universidade Federal de Juiz de Fora
Graduada em jornalismo pela Faculdade de Comunicação da Universidade Federal de Juiz de Fora, atualmente é mestranda no Programa de Pós-graduação em Comunicação da mesma instituição
Carlos Pernisa Júnior, Universidade Federal de Juiz de Fora
Professor Doutor dos cursos de graduação em jornalismo e Rádio, TV e Internet da Faculdade de Comunicação da Universidade Federal de Juiz de Fora e professor doutor do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da mesma instituição

Referências

AUMONT, Jacques. O cinema e a encenação. Lisboa: Texto & Grafia, 2008

BAZIN, André. O cinema: ensaios.São Paulo, Ed Brasiliense, 1991

BORDWELL, David. Figuras traçadas na luz: A encenação no cinema. Campinas, Ed Papirus, 2009

CARVALHO, Helena Oliveira Teixeira. Transformação: um olhar sobre transexuais de Juiz de Fora.Trabalho de conclusão de curso. Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2016

COMOLLI, Jean-Louis. Vere poder: A inocência perdida: cinema, televisão, ficção, documentário. Belo Horizonte: Humanitas, 2008.

DINIZ, Felipe Maciel Xavier. O jogo da encenação no cinema de Eduardo Coutinho. Recife: anais do XXXIV Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, 2011.

FIGUEIRÔA, Alexandre; BEZERRA, Cláudio; FECHINE, Yvana. O documentário como Encontro: entrevista com Eduardo Coutinho. In: Galáxia: Revista do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Semiótica. PUC-SP, v. 6,São Paulo, 2003. ISSN: 1982-2553. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/galaxia/article/view/1348. Acesso em: 30 de junho 2017.

RAMOS, Fernão Pessoa. Mas afinal... O que é mesmo documentário? São Paulo, Ed. Senac, 2008.

______, Fernão Pessoa. Cinema Verdade no Brasil. In: TEIXEIRA, Francisco Elinaldo. Documentário no Brasil: Tradição e transformação. São Paulo, Summus, 2004.

______, Fernão Pessoa. A ‘mise-en-scène” do documentário. In: Revista Cine Documental,n.4, Venezuela, 2011. ISSN: 1852-4699. Disponível em http://revista.cinedocumental.com.ar/4/teoria.html. Acesso em 25 de maio de 2017.

______, Fernão Pessoa. A ‘mise-en-scène’ do documentário: Eduardo Coutinho e João Salles. In: Revista Rebeca. Socine, v.1, n.1, 2012. Disponível em https://rebeca.socine.org.br/1/article/view/8. Acesso em 25 de maio de 2017.

XAVIER, Ismail. Indagações em torno de Eduardo Coutinho e seu diálogo com a tradição moderna. In: Comunicação e Informação. UFG-GO, v.7, p.180-187, Goiás. Disponível em https://www.revistas.ufg.br/ci/article/view/24304/14101. Acesso em 01 de junho de 2017.

Publicado
2019-07-19
Como Citar
OLIVEIRA TEIXEIRA DE CARVALHO, H.; PERNISA JÚNIOR, C. LUZ, CÂMERA, AÇÃO:. Revista GEMInIS, v. 10, n. 1, p. 124-136, 19 jul. 2019.
Seção
Espaço Convergente