LUZ, CÂMERA, AÇÃO:

COMO AS PERSONAGENS CONSTRÓEM SUA AUTO REPRESENTAÇÃO DIANTE DA CÂMERA NO DOCUMENTÁRIO EDIFÍCIO MASTER

  • Helena Oliveira Teixeira de Carvalho Universidade Federal de Juiz de Fora
  • Carlos Pernisa Júnior Universidade Federal de Juiz de Fora
Palavras-chave: documentário, mise-en-scène, encenação, Eduardo Coutinho

Resumo

O artigo pretende fazer um estudo da mise-en-scène documentária e da forma como as personagens se colocam diante da câmera no filme Edifício Master (2002), do diretor Eduardo Coutinho. O documentário traz depoimentos de moradores do Edifício Master, que fica em Copacabana – RJ, em que podemos observar como cada um se coloca em cena e constrói sua encenação diante do diretor e da câmera. Será trabalhado o conceito de automise-en-scène, do autor francês Jean-Louis Comolli para analisar essa auto representação de cada um. Além disso, também será analisado como Coutinho explicita o processo fílmico e a mise-en-scène para o espectador.

Biografia do Autor

Helena Oliveira Teixeira de Carvalho, Universidade Federal de Juiz de Fora
Graduada em jornalismo pela Faculdade de Comunicação da Universidade Federal de Juiz de Fora, atualmente é mestranda no Programa de Pós-graduação em Comunicação da mesma instituição
Carlos Pernisa Júnior, Universidade Federal de Juiz de Fora
Professor Doutor dos cursos de graduação em jornalismo e Rádio, TV e Internet da Faculdade de Comunicação da Universidade Federal de Juiz de Fora e professor doutor do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da mesma instituição

Referências

AUMONT, Jacques. O cinema e a encenação. Lisboa: Texto & Grafia, 2008

BAZIN, André. O cinema: ensaios.São Paulo, Ed Brasiliense, 1991

BORDWELL, David. Figuras traçadas na luz: A encenação no cinema. Campinas, Ed Papirus, 2009

CARVALHO, Helena Oliveira Teixeira. Transformação: um olhar sobre transexuais de Juiz de Fora.Trabalho de conclusão de curso. Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2016

COMOLLI, Jean-Louis. Vere poder: A inocência perdida: cinema, televisão, ficção, documentário. Belo Horizonte: Humanitas, 2008.

DINIZ, Felipe Maciel Xavier. O jogo da encenação no cinema de Eduardo Coutinho. Recife: anais do XXXIV Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, 2011.

FIGUEIRÔA, Alexandre; BEZERRA, Cláudio; FECHINE, Yvana. O documentário como Encontro: entrevista com Eduardo Coutinho. In: Galáxia: Revista do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Semiótica. PUC-SP, v. 6,São Paulo, 2003. ISSN: 1982-2553. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/galaxia/article/view/1348. Acesso em: 30 de junho 2017.

RAMOS, Fernão Pessoa. Mas afinal... O que é mesmo documentário? São Paulo, Ed. Senac, 2008.

______, Fernão Pessoa. Cinema Verdade no Brasil. In: TEIXEIRA, Francisco Elinaldo. Documentário no Brasil: Tradição e transformação. São Paulo, Summus, 2004.

______, Fernão Pessoa. A ‘mise-en-scène” do documentário. In: Revista Cine Documental,n.4, Venezuela, 2011. ISSN: 1852-4699. Disponível em http://revista.cinedocumental.com.ar/4/teoria.html. Acesso em 25 de maio de 2017.

______, Fernão Pessoa. A ‘mise-en-scène’ do documentário: Eduardo Coutinho e João Salles. In: Revista Rebeca. Socine, v.1, n.1, 2012. Disponível em https://rebeca.socine.org.br/1/article/view/8. Acesso em 25 de maio de 2017.

XAVIER, Ismail. Indagações em torno de Eduardo Coutinho e seu diálogo com a tradição moderna. In: Comunicação e Informação. UFG-GO, v.7, p.180-187, Goiás. Disponível em https://www.revistas.ufg.br/ci/article/view/24304/14101. Acesso em 01 de junho de 2017.

Publicado
2019-07-19
Como Citar
OLIVEIRA TEIXEIRA DE CARVALHO, H.; PERNISA JÚNIOR, C. LUZ, CÂMERA, AÇÃO:. Revista GEMInIS, v. 10, n. 1, p. 124-136, 19 jul. 2019.
Seção
Espaço Convergente