Espectadores participativos em plataformas de sociabilidade: datificação e gestão das audiências

  • Cecília Almeida Lima Centro Universitário Boa Viagem Universidade Federal de Pernambuco
Palavras-chave: Plataformas, Televisão, Gestão da participação, TV Social, Datificação

Resumo

Este artigo de cunho teórico tem como objetivo levantar questões pertinentes aos estudos sobre televisão, cada vez mais permeados pelo paradigma da datificação. Discorre sobre como as estratégias de adaptação da televisão ao cenário de convergência midiática, como a TV Social, têm propiciado novos instrumentos de monitoramento, gestão e controle das audiências participativas, por estimular a agência dos usuários, a cultura de fãs e a produção de conteúdo. A partir disso, destaca o papel das plataformas, seus algoritmos e protocolos, atentando para algumas questões relacionadas aos trabalhos de pesquisa científica que têm esses ambientes como objeto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cecília Almeida Lima, Centro Universitário Boa Viagem Universidade Federal de Pernambuco
Doutora em Comunicação Social pela Universidade Federal de Pernambuco; professora no curso de Jornalismo no Centro Universitário Boa Viagem (UniFBV)

Referências

BRUNO, Fernanda. Máquinas de ser, modos de ver. Porto Alegre: Sulina, 2013.

BOOTH, Paul. Digital Fandom. New Media Studies. Nova York: Peter Lang, 2010.

BRUNS, Axel. Blogs, Wikipedia, Second Life and Beyond: From Production to Produsage. New York: Peter Lang, 2008.

BUONANNO, Milly. A (premature) eulogy of broadcasting: the sense of the ending of television. MATRIZes, [S.l.], v. 9, n. 1, p. 67-86, june 2015. ISSN 1982-8160. Disponível em: <http://www.revistas.usp.br/matrizes/article/view/100674/99404>. Acesso em: 13 feb. 2018. doi:http://dx.doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v9i1p67-86.

CASTELLS, Manuel. Communication Power. Oxford: Oxford University Press, 2009.

CAVALCANTI, Gêsa Karla Maia. Televisão e Redes Sociais: Configurações De Tv Social Em Malhação. 187 f. Dissertação (Mestrado). 2016. Recife: Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Pernambuco, 2016.

CHENEY-LIPPOLD, J. A new algorithmic identity: soft biopolitics and the modulation of control. Theory, Culture & Society, Thousand Oaks, v. 28, n. 6, p. 164-181, 2011. DOI: http://dx.doi.org/10.1177/0263276411424420

DELEUZE, G. Post scriptum sobre as sociedades de controle. In: Conversações, 1972 – 1990; tradução de Peter Pal Pelbart. Rio de Janeiro: Ed 34, 1992 Disponível em: <http://www.portalgens.com.br/filosofia/textos/sociedades_de_controle_deleuze.pdf>. Acesso em: 17/09/2015.

DELWICHE, A.; HENDERSON, J. The Participatory Cultures Handbook. New York: Routledge, 2012

EATON, Chris; DEUTSCH, Tom; DEROOS, Dirk; et al. Understanding Big Data. Analytics for enterprise class hadoop and streaming data. Nova York, McGraw Hill, 2012.

GALLOWAY, Alexander. Protocols. How control exists after descentralization. Londres: MIT Press, 2004.

GILLESPIE, T. The politics of “platforms”. New Media & Society, Thousand Oaks, v. 12, n. 3, p. 347-64, 2010. DOI: http://dx.doi.org/10.1177/1461444809342738

HARBOE, Gunnar. In search of social television. In: CESAR, Pablo.; GEERTS, David.; CHRONIANOPOLOS, Konstantinos. Social interactive television: immersive experiences and perspectives. Hershey: New York, 2009.

JENKINS, H. Cultura da convergência. São Paulo: Aleph, 2008.

______. Textual Poachers: television fans and participatory culture. New York: Routledge, 1992.

KLYM, Natalie; MONTPETIT, Marie José. Innovation at the Edge: Social TV and Beyond. MIT Communications Futures Program. 2008. Disponível em: < http://cfp.mit.edu/publications/CFP_Papers/Social%20TV%20Final%202008.09.01%20for%20distribution.pdf>. Acesso em 24 jul 2017.

LANGLOIS, G. Participatory culture and the new governance of communication: the paradox of participatory media. Television and New Media, Thousand Oaks, v. 14, n. 2, p. 91-105, 2013. DOI: http://dx.doi. org/10.1177/1527476411433519

LATOUR, B. Beware, your imagination leaves digital traces. Times Higher Literary Supplement, Londres, 6 abr. 2007. Disponível em: <http://www.bruno-latour.fr/node/245>. Acesso em: 12 abr. 2017.

______. Reassembling the Social: An Introduction to Actor­network­theory. Oxford: Oxford University, 2005.

LEMOS, André. Cibercultura e mobilidade. A era da conexão. Anais do XXVIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. Rio de Janeiro: UERJ, 2005.

LIMA, Cecília Almeida Rodrigues. Telenovela transmídia na Rede Globo: o papel das controvérsias. Tese (Doutorado). 2018. Recife: Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Pernambuco, 2018.

MALINI, Fábio; ANTOUN, Henrique. @internet e #rua. Porto Alegre: Sulina, 2013.

MANOVICH, L. The practice of everyday (media) life: From mass consumption to mass cultural production? Critical Inquiry 35(2). 2009. Disponível em: <http://www.citeulike.org/user/DrewMLoewe/article/3763782>. Acesso em: 20/07/2016.

______. Trending: The Promises and the Challenges of Big Social Data. In: Debates in the Digital Humanities, p. 1–10, 2011.

MANYIKA, James; CHUI, Michael; BROWN, Brad; et al. Big Data: The next frontier for innovation, competition, and productivity. McKinsey Global Institute, 2011.

MAYER-SCHÖNBERGER, Viktor; CUKIER, Kenneth. Big Data: life, work and think. Nova York, Houghton Mifflin Harcourt, 2013.

MILLER, T. A televisão acabou, a televisão virou coisa do passado, a televisão já era. In: FREIRE FILHO, J. (Org.). A TV em transição. Porto Alegre: Sulina, 2009, p. 9-25.

MITTEL, Jason. Complex TV. The poetics of contemporary television storytelling. New York: New York University Press, 2015.

OLIVEIRA, Ludmilla Alves de. Cidade vigiada: Segurança e controle em tempos de biopoder. 2013. 123 f. Dissertação (mestrado) – Faculdade de Comunicação e Biblioteconomia, Universidade Federal de Goiás. Goiânia, 2013.

PARISER, Eli. O filtro invisível. O que a internet está escondendo de você. São Paulo: Zahar, 2012.

PROULX, Mike; SHEPATIN, Stacey. Social TV: How marketers can reach and engage audiences by connecting television to the web, social media, and mobile. New Jersey: John Wiley and Sons, 2012.

SANTAELLA, Lúcia; LEMOS, Renata. Redes sociais digitais: a cognição conectiva do Twitter. São Paulo: Paulus, 2010.

SCOLARI, Carlos Alberto. Narrativas Transmedia. Cuando todos los medios cuentan. Barcelona: Deusto, 2013.

SIGILIANO, Daiana. Social TV. O laço social no backchannel de The X-Files. Dissertação (Mestrado). 215 p. Juiz de Fora: Universidade Federal de Juiz de Fora, 2017.

SUMMA, Giacommo. Social TV: the future of television in the Internet Age, DSpace@MIT: Massachusetts Institute of Technology, 2011.

VAN DIJCK, J. The Culture of Connectivity. A critical history of Social Media. New York: Oxford University Press, 2013.

______. In data we trust? The implications of datafication for social monitoring. MATRIZes, [S.l.], v. 11, n. 1, p. 39-59, abr. 2017. Disponível em: <http://www.revistas.usp.br/matrizes/article/view/131620/127911>. Acesso em: 27 jan. 2018.

ZOONEN, Liesbet Van. Imagining the Fan Democracy. European Journal of Communication, n 19, p. 39–52. 2004.

Publicado
2018-06-22
Como Citar
LIMA, C. Espectadores participativos em plataformas de sociabilidade: datificação e gestão das audiências. Revista GEMInIS, v. 9, n. 1, p. 18-39, 22 jun. 2018.