Identidade homoafetiva em telenovelas: percepção distinta entre a audiência massiva e a audiência folk

  • Guilherme Moreira Fernandes UFJF
  • Cristina Brandão UFJF
Palavras-chave: Telenovela, Identidade, Homoafetividade.

Resumo

Partimos dos pressupostos teóricos da Folkcomunicação na perceptiva dos Estudos Culturais para analisar os diferentes modos de receber a mensagem midiática por parte de grupos massivos e de audiências específicas, em questões relativas à identidade homoafetiva projetada pelas telenovelas. Com base numa pesquisa de opinião sobre a homossexualidade e num grupo focal, procuramos entender de que modo a representação da homoafetividade na televisão influencia a formação das identidades e dos valores destes grupos. Nessas pesquisas, aponta-se que há uma dicotomia na recepção: enquanto o grupo de cultura contra-hegemônica (folk) formado pelos homossexuais enfatiza a não afetividade entre os casais das diversas tramas da Rede Globo, o grupo massivo, apesar de aprovar os personagens na trama, majoritariamente se coloca contra formas explícitas de afeto, como o beijo entre personagens do mesmo sexo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Guilherme Moreira Fernandes, UFJF
Mestrando em Comunicação pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Juiz de Fora. Graduado em Comunicação Social pela Faculdade de Comunicação da UFJF. Bolsista da Pró-reitoria da Pós-Graduação (PROPG) da UFJF.
Cristina Brandão, UFJF
Professora adjunta da Facom/UFJF e do PPGCOM da UFJF. Mestre e Doutora em Teatro pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNI-RIO).

Referências

BRANDÃO, Cristina. A radicalização de Beto Rockfeller: o discurso contemporâneo da telenovela. In: SILVEIRA JR., Potiguara; COUTINHO, Iluska. Comunicação: tecnologia e identidade. Rio de Janeiro: Mauad X, 2007. p.165-182.

BAUMAN, Zygmunt. Identidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2005

BELTRÃO, Luiz. Folkcomunicação: a comunicação dos marginalizados. São Paulo: Cortez, 1980.

______. Folkcomunicação: um estudo dos agentes e dos meios populares de informação de fatos e expressão de ideias. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2001.

BENJAMIN, Roberto. Folkcomunicação no contexto de massa. João Pessoa: UFPB, 2000.

BERNARDO, André; LOPES, Cíntia. A seguir, cenas do próximo capítulo. São Paulo: Panda Books, 2009.

BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 2007.

BORGES, Lenise. Lesbianidade na TV: visibilidade e “apagamento” em telenovelas brasileiras. In: GROSSI, Miriam et. al. (Org.). Conjugalidade, parentalidades e identidades lésbicas, gays e travestis. Rio de Janeiro: Garamond, 2007. p.363-384.

CARNEIRO, Edison. Dinâmica do folclore. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1965.

CASTELLS, Manuel. O poder da identidade. São Paulo: Paz e Terra, 2008.

CASTELO BRANCO, S. Folkcomunicação: metodologias possíveis. In: SCHMIDT.

Folkcomunicação na arena global: avanços teóricos e metodológicos. São Paulo: Ductor, 2006a. p. 101-115.

______. Metodologia folkcomunicacional: teoria e prática. In: DUARTE, Jorge; BARROS, Antônio (org.). Métodos e técnicas de pesquisa em comunicação. São Paulo: Atlas, 2006b. p. 110-124.

FADUL, Anamaria. Telenovela e família no Brasil. In: Comunicação & Sociedade. Ano 22. no 34. São Bernardo do Campo, SP: Umesp, 2000. p.13-39.

FERNANDES, Guilherme M. A percepção da identidade homoafetiva em telenovelas: as recepções massiva e da audiência folk em perspectivas comparadas. In: INTERCOM 2009. Anais... Curitiba: Universidade Positivo, 2009. CD-ROM.

FERNANDES, Ismael. Memória da telenovela brasileira. São Paulo: Brasiliense,1997.

FRY, Peter; MACRAE, E. O que é homossexualidade. São Paulo: Brasiliense, 1983.

GOMES, Itania. Efeito e recepção. Rio de Janeiro: E-papers, 2004.

______. A noção do gênero televisivo como estratégia de interação. In: FERREIRA, G.;

MARTINO, L. Teorias da comunicação. Salvador: EDUFBA, 2007. p. 194-216.

GOMIDE, Silvia. Formação da identidade lésbica: do silêncio ao querer. In: GROSSI, Miriam et. al. (Org.). Conjugalidade, parentalidades e identidades lésbicas, gays e travestis. Rio de Janeiro: Garamond, 2007. p.405-422.

______. Representação das identidades lésbicas na telenovela Senhora do Destino. Dissertação de Mestrado (Programa de Pós-Graduação em Comunicação) – Faculdade de Comunicação, Universidade de Brasília, Brasília-DF, 2006.

PERET, Luiz Eduardo. Do armário à tela global: a representação social da homossexualidade na telenovela brasileira. Dissertação de Mestrado (Programa de PósGraduação em Comunicação) – Faculdade de Comunicação Social, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro-RJ, 2005.

SELL, Teresa Adada. Identidade homossexual e normas sociais. Florianópolis: Editora UFSC, 2006.

SOUSA, Mauro. Práticas de recepção mediática como práticas de pertencimento público. In: ______ (Org.). Recepção mediática e espaço público: novos olhares. São

Paulo: Paulinas, 2006. p. 215-242.

TREVISAN, João Silvério. Devassos no paraíso. Rio de Janeiro: Record, 2002.

TRIGUEIRO, Osvaldo. Folkcomunicação e ativismo midiático. João Pessoa: UFPB, 2008.

TRINTA, Aluizio R. Identidade, identificação e projeção: telenovela e papéis sociais, no Brasil. In: SILVEIRA JR., Potiguara; COUTINHO, Iluska. Comunicação: tecnologia e identidade. Rio de Janeiro: Mauad X, 2007. p.151-164.

TUFTE, T. La televisión como mediador cultural: el caso de las telenovelas brasileñas. In: MARQUES DE MELO, José (Org.). Identidades culturais latino-americanas: em tempo de globalização. São Bernardo Campo, SP: Umesp: 1996. p. 55-63.

Como Citar
MOREIRA FERNANDES, G.; BRANDÃO, C. Identidade homoafetiva em telenovelas: percepção distinta entre a audiência massiva e a audiência folk. Revista GEMInIS, v. 1, n. 1, p. 99-125, 11.