NEM TUDO É O QUE PARECE: ENTRE O DOCUMENTÁRIO E A REPORTAGEM TELEVISIVA NO CASO DA BOATE KISS

Vanessa Matos dos Matos, Giovana Silveira Santos

Resumo


O presente artigo aborda as razões pelas quais documentário e reportagem televisiva são constantemente confundidos contemporaneamente, quando sabe-se, pelo menos teoricamente, que tais produções audiovisuais possuem aspectos particulares. Tomando por base a análise feita com três diferentes produções audiovisuais (uma reportagem, uma grande reportagem e um documentário) envolvendo os acontecimentos relacionados à Boate Kiss em janeiro de 2013, apresentam-se os pontos de aproximação e fragilidade na distinção destes materiais.                   


Palavras-chave


Audiovisual production; Documentary; Television reporting; Boate Kiss

Texto completo:

PDF

Referências


BENTES, Ivana. Vídeo e Cinema: rupturas, reações e hibridismo. In.: Made in Brasil. três décadas do vídeo brasileiro. Arlindo Machado (org.). Itaú Cultural. São Paulo. 2003.

BERNARD, Sheila Curran. Documentário:técnicas para uma produção de alto impacto. Tradução: Saulo Krieger. Rio de Janeiro: Campus, 2008.

BRUZZI, Stella. New Documentary: A CriticalIntroduction. Londres: Routledge, 2000.

CAIXETA, Rubem; GUIMARÃES, César. Pela distinção entre ficção e documentário, provisoriamente. In.: COMOLLI, Jean-Louis. Ver e Poder - a inocência perdida: cinema, televisão ficção, documentário. Editora UFMG, Belo Horizonte, 2008.

CHION, Michel. La audiovisión: Introducción a unanálisis conjunto de laimagen y el sonido. Barcelona: Nathan, 1993. p. 15-19. Tradução: AntonoLópes Ruiz.

COMPARATO, Luís Filipe Loureiro. Da criação ao roteiro: edição revista e atualizado, com exercícios práticos. 5. ed. Rio de Janeiro: Rocco, 1995.

EMERIM, Cárlida. O texto na reportagem de televisão. Bagé, 2010.

EVANS, Elizabeth. Transmedia television: audiences, new media, and daily life. New York/London: Routledge, 2011.

FIELD, Sydney. Manual do roteiro:os fundamentos do texto cinematográfico. 14. ed. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. 20. ed. Petrópolis: Vozes, 1987.

GAUDENZI, Sandra. The interactivedocumentary as a living documentary. In: Doc On-line: Revista Digital de Cinema Documentário. n. 14, p. 9-31, 2013. Disponível em: . Acesso em: 18 abr. 2016.

INQUÉRITO Policial. Incêndio na Boate Kiss: apurações. Polícia Civil do Estado do Rio Grande do Sul, 2013.

JENKINS, Henry; FORD, Sam; GREEN, Joshua. Cultura da Conexão: criando valor e significado por meio da mídia propagável. Tradução Patrícia Arnaud. São Paulo: Aleph, 2014.

JENKINS, Henry. Cultura da convergência. São Paulo: Aleph, 2008.

KAVKA, Misha. Reality TV: TV genres. Edinburgh University Press: 2012.

LEVIN, Tatiana. Do documentário ao webdoc – questões em jogo num cenário interativo. Doc Online: Revista Digital de Cinema Documentário, 2013, 71-92p. Disponível em:http://www.doc.ubi.pt/14/doc14.pdf. Acesso em 03 jun 2016.

MEDINA, Cremilda de Araújo. Entrevista:o diálogo possível. 5. ed. São Paulo: Ática, 2008.

MURRAY, Susan. “I thinkweneed a new name for it”: the meeting ofdocumentaryand Reality TV. In: MURRAY, Susan; OUELLETTE, Laurie. Reality TV: remakingtelevisionculture. New York, London: New York University Press, 2004.

NICHOLS, Bill. Introdução ao documentário. Tradução: Mônica Saddy Martins. São Paulo: Papirus, 2005.

NODARI, Sandra. Ônibus 174: A relação entre imagem e voz no telejornal e no documentário. 2006. 143 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Programa de Mestrado em Comunicação e Linguagens, Universidade Tuiuti do Paraná, Curitiba, 2006.

PATERNOSTRO, Vera Íris. O texto na TV: manual de telejornalismo. 2. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2006.

PENAFRIA, Manuela. O filme documentário:história, identidade e tecnologia. Lisboa: Edições Cosmos, 1999.

PENAFRIA, M.. A Web e o documentário: uma dupla inseparável?. Aniki: Revista Portuguesa da Imagem em Movimento, América do Norte, 1, jan. 2014. Disponível em: . Acesso em: 24 Fev. 2017.

PRIEST, Susanna Hornig. Pesquisa de mídia. Porto Alegre: Penso, 2011.

RAMOS, Fernão Pessoa. Mas afinal... O que é mesmo documentário? 2. ed. São Paulo: Senac, 2013.

SOARES, Sérgio José Puccini. Documentário e roteiro de cinema: da pré-produção a pós-produção. 2007. 236 f. Tese (Doutorado) - Curso de Programa de Pós- Graduação em Multimeios, Instituto de Artes, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2007.

SOBRINHO, Gilberto Alexandre. João Batista de Andrade e o moderno documentário brasileiro: intervenção, ruptura e reflexão. Rebeca - Revista Brasileira de Estudos de Cinema e Audiovisual. Julho-Dezembro, Ano 1. Número 2, 2012.

SOUSA, Jorge Pedro. Teorias da Notícia e do Jornalismo. Letras Contemporâneas e Argos/UNOESC: Florianópolis, 2002.

TRAQUINA, Nelson. Teorias do jornalismo: porque as notícias são como são. Florianópolis: Insular,. 2004.

VIZEU, Alfredo. Decidindo o que é notícia: os bastidores do telejornalismo.1997. 152 f. Dissertação (Mestrado) – Curso de Comunicação Social, Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 1997.

YORKE, Ivor. Jornalismo diante das câmeras. São Paulo: Summus, 1998.

XAVIER, Ismail. O discurso cinematográfico: a opacidade e a transparência. 3a edição. Revista e ampliada. São Paulo: Paz e Terra, 2005.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Vanessa Matos dos Matos

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

ISSN: 2179-1465    |    Qualis: B2    |    Indexada em: SEER -  Periódicos CAPES -  DOAJ -  LivRe! -  LatindexDRJI - Diadorim - Sumários