Imersão Fractal: a experiência escapista em mundos virtuais e suas réplicas diegéticas

  • Karla Patriota Bronztein Universidade Federal de Pernambuco - UFPE
  • Nathan Nascimento Cirino Universidade Federal de Pernambuco - UFPE http://orcid.org/0000-0002-7575-6182
Palavras-chave: Experiência escapista, Imersão, Fractal, Mundos virtuais, Realidade Virtual

Resumo

O ressurgimento dos dispositivos de Realidade Virtual nos últimos anos fez crescer a frequência e intensidade de experiências imersivas no entretenimento digital. Diante do fato de que jogadores de videogame dedicam horas a este tipo de fruição, este estudo se debruça sobre a imersão para entender que artifícios a indústria tem utilizado para capturar a atenção do usuário durante períodos cada vez mais longos. Faremos uso do levantamento bibliográfico para compreendermos os mecanismos da imersão e análise narrativa de jogos eletrônicos para pontuarmos um desdobramento desta experiência, que aqui intitulamos imersão fractal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Karla Patriota Bronztein, Universidade Federal de Pernambuco - UFPE
Professora Doutora do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Pernambuco.
Nathan Nascimento Cirino, Universidade Federal de Pernambuco - UFPE
Professor da Unidade Acadêmica de Arte e Mídia da Universidade Federal de Campina Grande e doutorando no Programa de Pós-Graduação em Comunicação da UFPE.

Referências

CASTRONOVA, Edward. Exodus to the virtual world: how online fun is changing reality. Nova York: St. Martin's Press, 2007.

CRARY, Jonathan. Suspensões da percepção: Atenção, espetáculo e cultura moderna. Tradução de Tina Montenegro. São Paulo: Cosacnaify, 2013.

EPICURO. Carta sobre a felicidade: (a Meneceu). Tradução de Álvaro Lorencini e Enzo Del Carratore. São Paulo: UNESP, 2002.

ERMI, Laura; MÄYRÄ, Frans. Fundamentals Components of the Gameplay Experience: Analyzing Immersion. In Worlds in Play: International Perspectives on Digital Games Research. New York: Peter Lang Publishing, 2007.

FREUD, Sigmund. O mal estar na civilização. Tradução de Paulo César de Souza. In Obras Completas, vol. XVIII. Rio de Janeiro: Companhia das Letras, 2010.

HEETER, Carrie. Communication Research on Consumer VR. In: BIOCCA, Frank; LEVY, M.R. (org). Communication in the age of virtual reality. Estados Unidos: Lawrence Erlbaum Associates, 1995.

HUIZINGA, Johan. Homo Ludens. 4. ed. Trad. João Paulo Monteiro. São Paulo: Perspectiva, 2000.

MCGONIGAL, Jane. A realidade em jogo: porque os games nos tornam melhores e como eles podem mudar o mundo. Tradução de Eduardo Rieche. Rio de Janeiro: BestSeller, 2012.

MURRAY, Janet H.. Hamlet no Holodeck: O futuro da narrativa no ciberespaço. Tradução de Elissa Khoury Daher, Marcelo Fernandez Cuzziol. São Paulo: Itaú Cultural: Unesp, 2003.

RYAN, Marie-Laure. Narrative as Virtual Reality: Immersion and Interactivity in Literature and Electronic Media. Londres: The Johns Hopkins University Press, 2001.

______. Mundos impossíveis e ilusão estética. In: Revista Contracampo, v. 29, n. 1, ed. abril ano 2014. Niterói: Contracampo, 2014. Pags: 4-25.

STEUR, Jonathan. Defining Virtual Reality: Dimensions Determining Telepresence.In: BIOCCA, Frank; LEVY, M.R. (org). Communication in the age of virtual reality. Estados Unidos: Lawrence Erlbaum Associates, 1995.

Publicado
2017-08-29
Como Citar
PATRIOTA BRONZTEIN, K.; NASCIMENTO CIRINO, N. Imersão Fractal: a experiência escapista em mundos virtuais e suas réplicas diegéticas. Revista GEMInIS, v. 8, n. 2, p. 131-145, 29 ago. 2017.