Branded Content: entretenimento e engajamento na era do vídeo sob demanda

Fernanda Ferreira de Abreu, Daniele de Castro Alves

Resumo


Este texto busca refletir sobre a importância do branded content para as indústrias de entretenimento e publicidade num cenário marcado pelo crescimento significativo do consumo de vídeos sob demanda. Torna-se premente repensarmos o caráter interruptivo da publicidade neste momento em que o próprio entretenimento passa a ser progressivamente consumido nas ocasiões mais convenientes para a audiência. Para tanto, apresentamos conceituações de entretenimento e branded content, e exemplificamos com um estudo de caso da websérie “Humanidade [em mim]” da marca Molico, procurando indicar o potencial de contribuição do branded content a um novo modelo de negócio para o audiovisual brasileiro.

Palavras-chave


branded content; vídeo sob demanda; entretenimento; publicidade

Texto completo:

PDF

Referências


ASMUSSEN, B.; WIDER, S.; WILLIAMS, R.; STEVENSON, N.; WHITEHEAD, E.; CANTER, A.: Defining branded content for the digital age. The industry experts’ views on branded content as a new marketing communications concept. A collaborative research project commissioned by the BCMA and conducted by Oxford Brookes University and Ipsos MORI. Publicado em: junho de 2016. Disponível

em: . Acesso em: 8 ago. 2016.

ANDERSON, Chris. A cauda longa: do mercado de massa para o mercado de nicho. Rio de Janeiro: Elsevier, 2006.

ATEM, Guilherme; OLIVEIRA, Thaiane; AZEVEDO, Sandro (Orgs.). Ciberpublicidade: discurso, consumo e experiência na cultura transmidiática. Rio de Janeiro: E-Papers/Faperj, 2014.

CARNEIRO, Rafael. Publicidade na TV digital: um mercado em transformação. São Paulo, Aleph, 2012.

COVALESKI, Rogério. Publicidade híbrida. Curitiba: Maxi Editora, 2010a.

______________. O processo de hibridização da Publicidade: entreter e persuadir para interagir e compartilhar. 2010. 176 f. Tese de doutorado (Departamento de Comunicação e Semiótica) – PUC, São Paulo, 2010b.

______________. Idiossincrasias publicitárias. Curitiba: Maxi, 2013.

DONATON, Scott. Publicidade + Entretenimento: por que estas duas indústrias precisam se unir para garantir a sobrevivência mútua. São Paulo: Cultrix, 2007.

JAFFE, Joseph. O declínio da mídia de massa: por que os comerciais de TV de 30 segundos estão com os dias contados. São Paulo: M.Books, 2008.

JENKINS, Henry. Cultura da convergência. São Paulo: Aleph, 2008.

PEREIRA, Vinicius. G.A.M.E.S. 2.0 - Gêneros e Gramáticas de Arranjos e Ambientes Midiáticos Moduladores de Experiências de Entretenimento, Sociabilidades e Sensorialidades. In: Anais do XVII COMPÓS - Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação, São Paulo, 2008.

______________. Entretenimento como Linguagem e Multissensorialidade na Comunicação Contemporânea. In: Anais do XXXVI Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, São Paulo, 2013.

______________; POLIVANOV, Beatriz. Entretenimento como Linguagem e Materialidades dos Meios nas Relações de Jovens e Tecnologias Contemporâneas. In: BARBOSA, Lívia. (Org.). Juventudes e Gerações no Brasil Contemporâneo. Porto Alegre: Sulina, 2012, p. 78-96.

PEREZ, Clotilde. Ecossistema publicitário: o crescimento sígnico da Publicidade. In: Anais do XXXIX Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, São Paulo, 2016.

TAPSCOTT, Don; WILLIAMS, Anthony. Wikinomics: como a colaboração em massa pode mudar o seu negócio. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2007.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Fernanda Ferreira de Abreu, Daniele de Castro Alves

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

ISSN: 2179-1465    |    Qualis: B2    |    Indexada em: SEER -  Periódicos CAPES -  DOAJ -  LivRe! -  LatindexDRJI - Diadorim - Sumários