Globo Play: a plataforma da Rede Globo

Amanda Veronesi Vieira, Cíntia Maria Gomes Murta

Resumo


No cenário contemporâneo, em que o audiovisual se movimenta por diversas tecnologias de distribuição, um novo espectador aparece em busca de novas experiências na fruição dos conteúdos de entretenimento. Empoderado pelos dispositivos móveis, esse espectador acessa o conteúdo em múltiplas telas quando, onde e como desejar. Neste artigo, pretende-se analisar as mudanças no mercado televisivo e na experiência de consumo audiovisual provocadas pela abertura de canais de distribuição online, a partir das estratégias inovadoras de fornecimento de conteúdo observadas na plataforma Globo Play. Procuramos entender os serviços de vídeo sob demanda como uma nova plataforma que, entre outras formas de distribuição de conteúdo, possui especificidades que vão além da experiência televisiva. Entendemos que o desafio da Rede Globo, ao criar o Globo Play, é fazer com que o valor que há no consumo digital e em rede circule e retroalimente o valor dado à televisão, para que se torne, futuramente, um produto independente.

Palavras-chave


VOD; Audiovisual; Multiplataforma; Transmídia; Globo Play

Texto completo:

PDF

Referências


AFFINI, Leticia Passos; JÚNIOR, Luis Enrique CAZANI. Recepção por demanda de ficção seriada televisiva. Culturas Midiáticas, v. 6, n. 2, 2013.

ANDERSON, Chris. A cauda longa. Rio de Janeiro: Campus, 2006.

FREDINI, Marília. A revolução do vídeo on demand. Binge-Watching, Time-Shiffiting. REVISTA DA SET: Sociedade Brasileira de Engenharia de Televisão, Nº 151 - Junho 2015

JENKINS, Henry; FORD, Sam; GREEN, Joshua. Cultura da Conexão: criando valor e significado por meio da mídia propagável. Tradução Patrícia Arnaud. São Paulo: Aleph, 2014.

JENKINS, Henry. Cultura da convergência. São Paulo, Editora Aleph, 2008.

JOST, François. Novos comportamentos para antigas mídias ou antigos comportamentos para novas mídias?. Matrizes, v. 4.n 2., São Paulo: USP, 2012.

LIPOVETSKY, Gilles; SERROY, Jean. A tela global: mídias culturais e cinema na era hipermoderna. Porto Alegre: Sulina, 2009. 326p

LOURENÇO, Luana. Brasileiro passa mais tempo na internet do que vendo TV. Agência Brasil, 19 de dez. 2014.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. 5 ed. São Paulo: Atlas, 2003.

MASSAROLO, J. C. Jornalismo transmídia: a notícia na cultura participativa. Revista Brasileira de Ensino de Jornalismo, Brasília, v. 5, n. 17, p. 135-158, jul./dez. 2015

Disponível em:

MASSAROLO, J. C.; Mesquita, D. Vídeo sob demanda: uma nova plataforma televisiva. Disponível em:

MONTES. W. S. Over the top: o consumo audiovisual em softwares culturais. Trabalho de Conclusão de curso- Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014. Tese (Mestrado em Meios e Processos audiovisuais) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.

MURRAY, Janet. Hamlet no holodeck o futuro da narrativa no ciberspaço. São Paulo: Unesp, 2003.

SACCOMORI, C. Práticas de Binge-watching na era digital. 2016. 232 f. Tese (Mestrado em Comunicação Social) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do sul, Rio Grande do sul, 2016.

TRYON, Chuck. On-Demand Culture: Digital delivery and the future of movies. New Brunswick, NJ: Rutgers University Press, 2013. 242p.

WILHELM, P. K. B. Os serviços de video on demand e a sua relação com o mercado televisivo tradicional visto a partir do mito da morte da televisão. 2016. 69 f. Trabalho de Conclusão de curso- Universidade de São Paulo, São Paulo, 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Amanda Veronesi Vieira, Cíntia Maria Gomes Murta

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

ISSN: 2179-1465    |    Qualis: B2    |    Indexada em: SEER -  Periódicos CAPES -  DOAJ -  LivRe! -  LatindexDRJI - Diadorim - Sumários