DA PIRATARIA AO STREAMING: DISCUTINDO NOVAS RELAÇÕES ENTRE ARTISTAS E O MERCADO FONOGRÁFICO

  • José Eduardo Ribeiro de Paiva UNICAMP
Palavras-chave: direito autoral, discos piratas, mp3, streaming, gravação digital

Resumo

Os discos piratas ganharam notoriedade a partir dos anos 1960, quando os “bootlegs” passaram a ser um símbolo da contracultura, sendo basicamente a gravações não lançadas e registros de performances ao vivo, raridades que atendiam ao público que viam nestes discos a posse de um material exclusivo de seus ídolos. Com o surgimento da gravação digital a pirataria ganhou uma nova dimensão: agora, não se trata mais de gravações não comerciais lançadas, mas sim cópias de discos comerciais, onde o intuito principal é o lucro por pessoas que não estão diretamente envolvidas nos trabalhos ou então a circulação de músicas na web sem o pagamento dos direitos autorais. Isto cria uma nova relação entre os artistas, o mercado e o conceito de “pirataria”, fazendo com que uma nova ordem de produção se estabeleça.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Eduardo Ribeiro de Paiva, UNICAMP
Professor do Departamento de Multimeios, Mídia e Comunicação do Instituto de Artes da UNICAMP e professor do Programa de pós graduação em Artes Visuais – Multimeios e Artes e do programa de pós graduação em Música da mesma instituição. Graduado em música, mestre em Artes e Doutor em Multimeios, desenvolve desde os anos 80, trabalhos sobre as relações entre criação sonora, mídia, arte e tecnologia.

Referências

Bødker, Henrik. 2004.The changing materiality of music. Aarhus, Denmark.

Caetano, Miguel. 2007. “Planet Earth de Prince chega a três milhões de pessoas” in <http://www.remixtures.com/2007/07/planet-earth-de-prince-chega-a-tres-milhoes-de-pessoas> [Consulta em 11/08/2014]

Coelho, Paulo. 2012. “My thoughts on S.O.P.A”. Disponível em <(http://paulocoelhoblog.com/2012/01/20/welcome-to-pirate-my-books/)>. [Consulta: 11 ago.2014].

Cozella, D. 1980. Disco em São Paulo. São Paulo, Departamento de Informação e Documentação Artisticas.

Domingo, Plácido, 2014. Digital Music Report, disponível em: <http://www.ifpi.org/recording-industry-in-numbers.php> [Consulta: 12 jun. 2014]

Fukushiro, Luis. 2007. “Vale até disco de graça”. In <(em http://veja.abril.com.br/180707/p_126.shtml)> Consulta: 12 jun. 2014

Gompertz, Will 2010. “Sir Mick Jagger goes back to Exile”, disponível em <http://news.bbc.co.uk/2/hi/entertainment/8681410.stm> Consulta: 12 ago.. 2014

Johns, Adrian. 2010. Piracy: The Intellectual Property Wars from Gutenberg to Gates. Chicago: University of Chicago Press.

Katz, Mark. 2004.Capturing Sound: how technology has changed music. Los Angeles:University of California Press.

Kernfeld, Barry. 2011. Pop Song Piracy: Desobedient Music Distribution since 1929. Chicago: Chicago University Press.

Marshall, Lee. 2004. The effects of piracy upon the music industry: a casa study of bootlegging. In Media, Cultura and Society. Londres: Sage Publications.

Morton, David. 2000.Off the Record. The Technology and Culture of Sound recording in America. Nova Jersey: Rutgers University Press.

Neves, Ezequiel. 1972. “Bootlegs, a Indústria dos Discos Pirata”. In: Rolling Stone, n.6, p 18-19.

SCHUKER, Roy. Vocabulário de música pop. Hedra, São Paulo, 1999.

TRIVINHO, Eugenio. (1998) Redes Obliterações no fim do século. São Paulo: AnnaBlume/Fapesp.

Vogel, Harold L. 2011. Entretainment Industry Economics. Nova Iorque: Cambridge University Press.

Publicado
2017-07-19
Como Citar
RIBEIRO DE PAIVA, J. E. DA PIRATARIA AO STREAMING: DISCUTINDO NOVAS RELAÇÕES ENTRE ARTISTAS E O MERCADO FONOGRÁFICO. Revista GEMInIS, v. 8, n. 1, p. 115-125, 19 jul. 2017.