O HIP HOP E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE CULTURAL ACÊNTRICA: ESPAÇOS DE FORMAÇÃO INFORMAL E APRENDIZADO

  • Juarez Tadeu de Paula Xavier UNESP
  • Carolina Bataier UNESP
  • Meiriane Jordão da Silva UNESP
Palavras-chave: locais de aprendizado, sob demanda, The Get Down, Hip Hop

Resumo

Em pesquisa realizada com jovens de 14 a 23 anos, estudantes da rede pública de ensino e vinculados ao movimento Hip Hop, nota-se que o conteúdo oferecido sob demanda na Internet funciona como uma alternativa à educação tradicional a que esses jovens têm acesso em sala de aula. O conteúdo da série The Get Down traz a esses jovens informações que vão além do que é visto dentro do ambiente da sala de aula convencional, além de despertar a curiosidade por temas unilaterais que dentro do ambiente de sala ficam de fora do curriculum estabelecido pelo governo Estadual, levando em consideração os saberes adquiridos na vida do indivíduo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juarez Tadeu de Paula Xavier, UNESP
Doutorado pelo Programa de Pós-Graduação em Integração da América Latina da Universidade de São Paulo - PROLAM/USP (2004), com ênfase em Comunicação e Cultura. Pesquisador do Centro de Estudos Latino Americano sobre Cultura e Comunicação da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de S. Paulo (Celacc/ECA/USP); professor da Universidade Estadual Paulista na Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação (Unesp/Faac); coordenador executivo do Núcleo Negro Unesp para a Pesquisa e Extensão (NUPE).
Carolina Bataier, UNESP
Graduada em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo, é aluna regular do Programa de Pós Graduação em Mídia e Tecnologia na Unesp (Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho) e membro do grupo de estudos e pesquisa em Economia Criativa NeoCriativa. Profissionalmente, atuou em jornal impresso diário, telejornal e desenvolve o projeto Interior Cultural, de divulgação cultural no interior de São Paulo.
Meiriane Jordão da Silva, UNESP
Graduação em História pela Universidade do Sagrado Coração (2012). Tem experiência na área de História, com ênfase em História.Especialista em Antropologia Cultural pela Universidade do Sagrado Coração (2016),atualmente aluna mestrando no programa Mídia e Tecnologia, FAAC, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho" - UNESP(2017), pesquisadora em Economia Criativa no Núcleo de Pesquisa e Observação em Economia Criativa, NeoCriativa (UNESP)(2017)

Referências

BATAIER, Carolina. Em prédio antigo, Casa do Hip Hop traz o futuro. [online] Disponível em: https://interiorcultural.com.br/2017/02/16/casa-do-hip-hop-de-bauru/

CETIC. TIC Domicílios, 2015. Disponível em: http://cetic.br/pesquisa/domicilios/

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 17a ,ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

FOCHI, Marcos Alexandre Bazeia. Hip Hop brasileiro: Tribo urbana ou movimento social? [online] Disponível em: http://www.faap.br/revista_faap/revista_facom/facom_17/fochi.pdf

GALEANO, Eduardo. As Veias Abertas da América Latina. Porto Alegre: L&PM Pocket, 2010.

DRAGON, Alfonso Gumucio (2003). Take five: A Handful of Essential for ICTS in Development. In: The One to Watch: Radio, New ICTs and Interactivity. Friedrich Ebert Foundation and Food and Agriculture Organization of the United Nations. Rome, 2003.

SANTOS, Milton (2001). Por uma outra globalização. Rio de Janeiro: Editora Record.

SOUZA,Jessé (2011). A ralé brasileira: Quem é e como vive. Belo Horizonte .Editora UFMGF

TOYAMA, Kentaro (2010). Can Technology End Poverty? Boston: Boston Review. Disponível em: <http://bostonreview.net/forum/can-technology-end-poverty> Acesso em: 20 de Abr. 2017.

Publicado
2017-07-19
Como Citar
DE PAULA XAVIER, J. T.; BATAIER, C.; JORDÃO DA SILVA, M. O HIP HOP E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE CULTURAL ACÊNTRICA: ESPAÇOS DE FORMAÇÃO INFORMAL E APRENDIZADO. Revista GEMInIS, v. 8, n. 1, p. 105-114, 19 jul. 2017.