COMPLEXIDADE NAS OBRAS TELEVISUAIS E CINEMATOGRÁFICAS DE DAVID LYNCH

Letícia Xavier de Lemos Capanema

Resumo


Este estudo propõe investigar aspectos autorreferenciais presentes na produção cinematográfica e televisual de David Lynch, realizador frequentemente associado à noção de complexidade narrativa. Para tanto, foram destacados para análise a série Twin Peaks (ABC, 1990-91) e o filme Twin Peaks, Fire Walk With Me (1992). Embora sejam de naturezas distintas (televisual e cinematográfica), tais obras compreendem um único universo diegético, estabelecendo entre si uma relação de complementação e expansão narrativa. A partir de uma análise narratológica dessas obras, busca-se contribuir para a investigação da complexidade narrativa audiovisual, especialmente em seus aspectos autorreferênciais e em seus desdobramentos na poética narrativa lynchiana.

Palavras-chave


Complexidade Narrativa; Autorreferência; David Lynch; Twin Peaks

Texto completo:

PDF

Referências


ARISTÓTELES. Poética. Trad. Edson Bini. São Paulo: Edipro, 2011.

BEYLOT, Pierre. Le récit audiovisuel. Paris: Armand Colin, 2005.

BUCKLAND, Warren (ed). Puzzle films: complex storytelling in contemporary cinema. Nova York: John Wiley & Sons, 2009.

CAPANEMA, Letícia X. L. Autorreferencialidade Narrativa. Um estudo sobre estratégias de complexificação na ficção televisual. Tese de doutorado. São Paulo: PUC/SP, 2016.

CHATEAU, Dominique ; JOST, François. Nouveau cinéma, nouvelle sémiologie. Paris: Les Éditions 10/18, 1979.

CHINITA, Fatima. O espectador (in)visível. Reflexividade na óptica do espectador em INLAND EMPIRE de David Lynch. Covilhã : labcom, 2013.

CHION, Michel. David Lynch. Paris: Éditions de l’Étoile/Cahiers du Cinéma, 1992.

DÄLLENBACH, Lucien. Le Récit spéculaire. Essai sur la mise en abyme. Paris: Seuil, 1977.

ELSAESSER, Thomas. The Mind-Game Film. In: BUCKLAND, Warren (ed). Puzzle films: complex storytelling in contemporary cinema. Nova York: John Wiley & Sons, 2009, p. 13-41.

FELINTO, Erick. A Imagem Espectral. Comunicação, cinema e fantasmagoria tecnológica. Cotia, SP: Ateliê Editorial, 2008.

FERRARAZ, Rogério. O cinema limítrofe de David Lynch. 2003. Tese de Doutorado. Tese (doutorado em Comunicação Social), Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

FREUD, Sigmund. O estranho. In: Obras psicológicas completas de Sigmund Freud Rio de Janeiro: Imago, 1976, vol. XVII, p. 271-318.

GENETTE, Gérard. Figures III. Paris: Éditions du Seuil, 1972.

GIDE, André. Journal, 1889-1939. Paris: Gallimard, 1948. Bibliotheque de la Pleiade 54.

KISS, Miklós. Navigation in Complex Films. Real-life embodied experiences underlying narrative categorisation. In: ECKEL, Julia; LEIENDECKER, Bernd; OLEK, Daniela;

PIEPIORKA, Christine. (Dis)Orienting Media and Narrative Mazes. Bielefeld: Transcript, 2013.

MITTELL, Jason. Complexidade narrativa na Televisão americana contemporânea. Matrizes, ano 5, n.2, São Paulo, jan./jun. 2012.

MITTELL, Jason. Complex TV: the poetics of contemporary television storytelling. Nova York: NYU Press, 2015.

PIER, John; SCHAEFFER, Jean-Marie. Métalepses: Entorses au pacte de la représentation. Recherches d'histoire et de sciences sociales, 2005.

THIELLEMENT, Pacôme. La main Gauche de David Lynch.Press Universitaire de France (PUF), Paris, 2010.

THOMPSON, Kristin. Storytelling in Film and television. Cambridge/Massachusetts/Londres: Harvard University Press, 2003.

THOMPSON, Robert J. Television's Second Golden Age: From Hill Street Blues to ER: Hill Street Blues, Thirtysomething, St. Elsewhere, China Beach, Cagney & Lacey, Twin Peaks, Moonlighting, Northern Exposure, LA Law, Picket Fences, with Brief Reflections on Homicide, NYPD Blue & Chicago Hope, and Other Quality Dramas. Syracuse University Press, 1997.

TODOROV, Tzvetan. As estruturas narrativas. São Paulo: Perspectiva, 2013. Série Debates, vol. 14.

WOLF, Werner. Metareference across media: The concept, its transmedial potentials and problems, main forms and functions. In: Metareference across media: theory and case studies; dedicated to Walter Bernhart on the occasion of his retirement. Amsterdã: Rodopi, 2009.

Obras audiovisuais citadas

BLUE Velvet (Veludo Azul). Direção: David Lynch. Produção: Fred Caruso. De Laurentiis Entertainment Group, 1986.

ERASERHEAD. Direção: David Lynch. American Film Institute (AFI), Libra Films, 1977.

FIGHT Club (CLUBE da Luta). Direção: David Fincher. Produção: Art Linson, Ceán Chaffin, Ross Grayson Bell. 20th Century Fox, 1999.

INLAND Empire (Império dos Sonhos). Direção: David Lynch. Produção: Laura Dern, Mary Sweeney. Absurda, Studio Canal, Fundacja Kultury, Camerimage Festival, 2006.

HILL Street Blues. Criadores: Steven Bochco, Michael Kozoll. MTM Enterprises, 20th Century Fox Television. NBC, 1981-1987.

HOTEL Room. David Lynch, HBO (1993).

LA NUIT américaine (Noite Americana). Direção: François Truffaut,1973.

L’ANNÉE dernière à Marienbad (O Ano Passado em Marienbad). Direção: Alain Resnais. Roteiro e Diálogos: Alain Robbe-Grillet. Cocinor-Marceau, 1961.

LOST Highway (Estrada Perdida). Direção: David Lynch. Produção: Mary Sweeney, Tom Sternberg, Deepak Nayar. October Films, 1997.

MULHOLLAND Drive (Cidade dos Sonhos). Direção: David Lynch. Produção: Neal Edelstein, Tony Krantz, Michael Polaire, Alain Sarde, Mary Sweeney. Universal Pictures, 2001.

ON The Air. Criadores: Mark Frost, David Lynch, ABC (1992).

THE X-FILES (Arquivo X). Criador: Chris Carter. 20th Century Fox Television, 1993-2002.

TWIN Peaks. Criadores: Mark Frost, David Lynch. ABC, 1990-1991.

TWIN Peaks, Fire Walk With Me. Criadores: Mark Frost, David Lynch. 1992.

WILD at Heart (Coração Selvagem). Direção: David Lynch. PolyGram Filmed Entertainment, 1990.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 Letícia Xavier de Lemos Capanema

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

ISSN: 2179-1465    |    Qualis: B2    |    Indexada em: SEER -  Periódicos CAPES -  DOAJ -  LivRe! -  LatindexDRJI - Diadorim - Sumários