A anatomia de um movimento comunicativo on-line: o ativismo de fã-gamers em League of Legends como inteligência coletiva

  • Tarcízio Macedo UFPA
  • Otacílio Amaral Filho UFPA
Palavras-chave: Cultura Pop, Cultura de fãs, Ativismo de fã-gamers, Inteligência Coletiva, Jogo digital

Resumo

Este trabalho propõe compreender um movimento comunicativo gerado no fórum brasileiro do jogo on-line League of Legends, acerca do potencial de representação política da comunidade de jogadores nacionais. Busca-se cartografar parte deste movimento e refletir sobre algumas ações de fãs neste movimento, propondo conceituar e entender o ativismo de fã-gamers e sua manifestação em rede, sustentando-o como constituído a partir das dinâmicas da inteligência coletiva neste caso específico. Para isto, utilizamos de uma metodologia abordada pelo objeto com estratégias multimetodológicas e multiescalares, com destaque para as inspirações etnográficas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tarcízio Macedo, UFPA
Mestrando em Ciências da Comunicação pelo Programa de Pós-Graduação Comunicação, Cultura e Amazônia da Universidade Federal do Pará (UFPA). Co-coordenador do grupo de Pesquisa Midiática na Amazônia, integra o Diretório CNPq nos grupos de pesquisa Interações e Tecnologias na Amazônia (ITA) e Narrativas Contemporâneas na Amazônia Paraense (Narramazônia). Foi pesquisador visitante no PósCom da Universidade Federal da Bahia (UFBA) e no Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Jogos Digitais da Universidade do Estado da Bahia (UNEB). Colaborador de projetos de pesquisa na UFPA, UFBA e UNEB.
Otacílio Amaral Filho, UFPA
Doutor em Desenvolvimento Sustentável do Trópico Úmido (NAEA/UFPA). Professor do Programa de Pós-Graduação Comunicação, Cultura e Amazônia (PPGCOM/UFPA) e da Faculdade de Comunicação (Facom/UFPA). Coordenador do Grupo de Pesquisa Midiática na Amazônia (CNPq) e do projeto de pesquisa “Os Espetáculos Culturais na Amazônia”. Diretor do Instituto de Letras e Comunicação da UFPA.

Referências

AMARAL, A.; SOUZA, R. V.; MONTEIRO, C. “De westeros no #vemprarua à shippagem do beijo gay na TV brasileira”. Ativismo de fãs: conceitos, resistências e práticas na cultura digital. Galáxia (São Paulo, Online), n. 29, p. 141-154, jun. 2015.

BROUGH, M.; SHRESTOVA, S. Fandom meets activism: Rethinking civic and political participation. Transformative Works and Cultures. v. 10, 2012. Disponível em: < http://goo.gl/0e9gnN>. Acesso em: 23 out. 2015.

CAMPANELLA, B. O fã na cultura da divergência: Hierarquia e disputa em uma comunidade on-line. Contemporanea (UFBA, online), v. 10, p. 474-489, 2012.

CANCLINI, N. G. Consumidores e Cidadãos: conflitos multiculturais da globalização. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2006.

COSTA, R. Por um novo conceito de comunidade: redes sociais, comunidades pessoais, inteligência coletiva. Interface - Comunic., Saúde, Educ., v. 9, n. 17, p. 235-48, mar/ago 2005. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1414-32832005000200003

COTE, A.; RAZ, J. In-depth interviews for games research. In: LANKOSKI, P.; BJÖRK, S. (ed.). Game Research Methods: An Overview. ETC Press: Pittsburgh, 2015.

FECHINE, Y. Transmidiação e cultura participativa: pensando as práticas textuais de agenciamento dos fãs de telenovelas brasileiras. Revista Contracampo, v. 31, n. 1, ed. dezembro-março ano 2014, p. 5-22.

FIGUEIREDO, V. Mídia e narrativa: nas tramas do cotidiano. In: BARROS, C.; CASTRO, G. (orgs.). Comunicação e práticas de consumo. São Paulo: Saraiva, 2007.

FRAGOSO, S.; RECUERO, R.; AMARAL, A. Métodos de pesquisa para a internet. 2. reimp. São Leopoldo: Sulina, 2013.

GERMANO, M. Somente um protesto. In: SOUZA, C; SOUZA, A. (orgs.). Jornadas de Junho: Repercussões e Leituras. Campina Grande-PB: EDUEPB, 2013, p. 92-97.

HARDT, M.; NEGRI, A. Multidão: Guerra e Democracia na era do Império. São Paulo: Record, 2005.

HUIZINGA, J. Homo Ludens: o jogo como elemento da cultura. São Paulo: Editora Perspectiva, 2000. Versão digital.

JENKINS, H. Textual Poachers: Television Fans and Participatory Culture. New York: Taylor & Francis e-Library, 1992.

JENKINS, H.; CLINTON, K.; PURUSHOTMA, R.; ROBISON, A. J.; WEIGEL, M. Confronting the challenges of participatory culture: media education for the 21st century. Cambridge, MA: MacArthur Foundation, 2006.

JENKINS, H. Cultura da convergência. Trad. Susana Alexandria. 2. ed. São Paulo: Aleph, 2009.

____. “Cultural Acupuncture”: Fan Activism and the Harry Potter Alliance. In: Transformative Works and Cultures, n. 10, 2012. doi:10.3983/twc.2012.0305.

JENKINS, H.; FORD, S.; GREEN, J. Cultura da conexão: criando valor e significado por meio da mídia propagável. Trad. Patricia Arnaud. São Paulo: Aleph, 2014.

JÚNIOR, N. Junho 2013: a juventude nas ruas pra balançar as estruturas. In: SOUZA, C; SOUZA, A. (orgs.). Jornadas de Junho: Repercussões e Leituras. Campina Grande-PB: EDUEPB, 2013, p. 98-106.

LÉVY, P. Cyberdémocratie. Paris: Odile Jacob, 2002.

____. A Inteligência Coletiva: por uma Antropologia do Ciberespaço. 4 ed. São Paulo: Loyola, 2003.

____. Cibercultura. Trad. Carlos Irineu da Costa. 3. ed. São Paulo: 34, 2010.

LOTZ, A.; ROSS, S. Toward ethical cyberspace audience research: Strategies for using the Internet for television audience studies. Journal of Broadcasting and Electronic Media, v. 48, n. 3, 2004, p. 501–512.

MACEDO, T; AMARAL FILHO, O. Dos rios à tela de cristal líquido: o retorno do mito e a arquitetura da cultura convergente em League of Legends. Revista Fronteiras: estudos midiáticos (São Leopoldo, Online), v. 17, n. 2, p. 231-247, maio/agosto 2015b.

PERUZZO, C. Observação participante e pesquisa-ação. In: JORGE DUARTE, A. (orgs.). Métodos e técnicas de pesquisa em comunicação. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2011.

RHEINGOLD, H. The Virtual Community. 2005. Disponível em: http://goo.gl/fqcJGI. Acesso em: 20 out. 2015.

SHAH, N. PlayBlog: Pornography, performance and cyberspace. Cut-up.com Magazine, vol. 2.5, article 42, Holanda, 2005.

SHIRKY, C. Lá vem todo mundo: o poder de organizar sem organizações. Rio de Janeiro: Zahar, 2012.

SIMMEL, Georg. Questões fundamentais da sociologia. Rio de Janeiro: Zahar, 2006.

SOUZA, C; SOUZA, A. (orgs.). Jornadas de Junho: Repercussões e Leituras. Campina Grande-PB: EDUEPB, 2013.

SPENCER, L; RITCHIE, J.; O’CONNOR, W. Analysis: Practices, Principles and Processes. In: RITCHIE, J.; LEWIS, J. (ed.). Qualitative Research Practice. A Guide for Social Science Students and Researchersp. London: Sage Publications, 2003, p. 199-218.

Publicado
2016-07-06
Como Citar
MACEDO, T.; AMARAL FILHO, O. A anatomia de um movimento comunicativo on-line: o ativismo de fã-gamers em League of Legends como inteligência coletiva. Revista GEMInIS, v. 7, n. 1, p. 147-176, 6 jul. 2016.