Marcha holográfica: espectros de uma sociedade em rede

  • Elizabeth Motta Jacob UFRJ
  • Leonardo Arroniz UFRJ
Palavras-chave: Espaço público, Cena Expandida, Movimentos Sociais

Resumo

Em abril de 2015 a rua do Congresso Nacional da cidade de Madrid foi tomada por centenas de manifestantes, mas pela primeira vez na história das lutas políticas seus participantes não eram corpóreos. A manifestação Hologramas por la Liberdad realizada pela plataforma No somos delito contra a nova Lei de segurança cidadã que visa restringir a liberdade de expressão e manifestação política da população, veio através da arte holográfica traduzir os anseios dos indignados. Visamos analisar este movimento de insubordinação que se tornou possível através das redes sociais e da convergência midiática que têm dado novos contornos as formas de organização e dinâmicas de ativismo políticas bem como tem sido capaz de faze-los reverberar em escala mundial.

Biografia do Autor

Elizabeth Motta Jacob, UFRJ
Doutora em Teatro pela UNIRIO, Mestre em Comunicação Social pela UFF, Mestre em Esthètique: Cinema, Television et Audiovisuel - Université de Paris I Pantheon Sorbonne, Bacharel e Licenciada em História pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Atualmente é Professora Adjunta do Curso de Comunicação Social - Design, EBA/UFRJ e Professora do Programa de Pós-Graduação em Artes da Cena, ECO/UFRJ.
Leonardo Arroniz, UFRJ
Mestrando no Programa de Pós-Graduação em Artes da Cena, ECO/UFRJ, é bacharel em Comunicação Social (Habilitação em Produção Editorial) na mesma instituição.

Referências

BEIGUELMAN, Giselle. Admirável mundo cíbrido. In: ALZAMORA, G.; BRASIL, A. (orgs.). Webjornalismos. Belo Horizonte: PUC-MG, 2003.

BEIGUELMAN, Giselle. Arte pós-virtual: criação e agenciamento no tempo da Internet das Coisas e da próxima natureza. In: PESSOA, Fernando (org). Cyber-arte-cultura. Vila Velha (ES): Museu Vale, 2013.

BENTES, Ivana. Estéticas das redes: regimes de visualização no capitalismo cognitivo In: PESSOA, Fernando (org). Cyber-arte-cultura. Vila Velha (ES): Museu Vale, 2013.

CASTELLS, Manuel. Redes de indignação e esperança: movimentos sociais na era da internet. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.

COELHO, . A presença de corpos ausentes: a fantasmagoria de Denis Marleau em os cegos de Maurice Maeterlinck. 170f. Porto Alegre. Dissertação (Mestrado em Artes Cênicas) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2012.

COHEN, Renato. A performance como linguagem. São Paulo: Perspectiva, 2002.

DIDI-HUBERMAN, Georges. O que vemos, o que nos olha. São Paulo: 34 letras, 2010.

DUBOIS, Philippe. A Questão Da “Forma-Tela”: Espaço, Luz, Narração, Espectador. In: GONÇALVES, Osmar (org.). Narrativas Sensoriais. Rio de Janeiro: Editora Circuito, 2014. p. 123-158.

DUBOIS, Philippe. Cinema, video, Godard. São Paulo: Cosac Naify, 2004.

GADAMER, Hans-Georg. Verdade e método I: traços fundamentais de uma hermenêutica filosófica. Petrópolis: Editora Vozes, 2008.

GUATTARI, Félix. O capitalismo mundial integrado e a revolução molecular. In: Revolução Molecular: pulsações políticas do desejo. Tradução de Suely Rolnik. 3. ed. São Paulo: Brasiliense, 1986.

GUMBRECHT, Hans U. Nosso presente amplo: o tempo e a cultura contemporânea. São Paulo: Fundação Editora Unesp, 2015.

HARDT, Michael; NEGRI, Antonio. 2.3 Traces of the Multitude. In: Multitude: War and Democracy in the Age of Empire. New York: The Penguin Press, 2004. p. 189-218.

LEMOS, André. Realidad aumentada: Narrativa y médios de georreferencia. In: SÁNCHEZ, Amaranta (org). Móbile: Reflexión y experimentatión en torno a los médios locativos en el arte contemporâneo en México. México: CENART, 2013. p. 85-103.

LEMOS, André. Cibercultura, cultura e identidade: Em direção a uma “Cultura Copyleft”? In: Contemporanea, vol.2, no 2, dez. 2004. p 9-22.

LEPECKI, André. Coreopolítica e coreopolícia. In: Ilha Revista de Antropologia. V. 13, n. 1,2. Florianópolis: UFSC, 2001.

LÉVY, Pierre. O que é o virtual?. São Paulo: Editora 34, 1996.

LÉVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 1999.

MURRAY, Janet. Hamlet no Holodeck: o futuro da narrativa no ciberespaço. São Paulo: Itaú Cultural; Unesp, 2003.

PELBART, Peter Pál. Biopolítica. In: Revista Sala Preta, v. 7. São Paulo: PPGAC; Universidade de São Paulo, 2007.

PLUTA, Isabella. L’ acteur et l’intermédialité: les nouveaux enjeux pour l’interprète et la scène à l’ère technologique. Lausannne, Suiça: Editions L’age d’ homme, 2011.

RANCIÈRE, Jacques. A partilha do sensível. São Paulo: Ed. 34, 2005.

RANCIÈRE, Jacques. O espectador emancipado. São Paulo: Martins Fontes, 2014.

ROLNIK, Suewy. Geopolítica da cafetinagem. Conferência, 2006.

SANTAELLA, Lucia. Por que as comunicações e as artes estão convergindo. São Paulo: Editora 34, 2005.

SANTAELLA, Lucia. Pós-humano, porque? In: REVISTA USP, São Paulo, n.74, p. 126-137, junho/agosto 2007.

TURNER, Victor. Cap. 3 Liminaridade e ‘communitas’. In: O Processo Ritual: estrutura eanti-estrutura. Petrópolis: Vozes, 1974. p. 116-159.

Publicado
2016-07-06
Como Citar
MOTTA JACOB, E.; ARRONIZ, L. Marcha holográfica: espectros de uma sociedade em rede. Revista GEMInIS, v. 7, n. 1, p. 54-74, 6 jul. 2016.