Estética do documentário S3D, o enigma da imagem estereoscópica

  • Hélio Augusto Godoy de Souza Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
Palavras-chave: Estereoscopia, Filme, Filosofia, Metafísica, Cognitivismo, Realismo

Resumo

Durante mais de dez anos de pesquisa teórica e prática, foi possível analisar os avanços tecnológicos, metodológicos e artísticos da realização de filmes documentários estereoscópicos (documentários S3D2). Documentários, em meu ponto de vista, são índices da Realidade e o S3D aponta para uma Realidade Metafísica. Este artigo tem por objetivo discutir a imagem estereoscópica em um patamar filosófico, como forma de compreensão do mundo sob um viés Realista, para isso considera dignos de análise autores como C.S.Peirce, Jacob von Uexküll, J.J.Gibson e Wolfgang Smith. O resultado é a retomada de aspectos da Metafísica como significado imagético.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Hélio Augusto Godoy de Souza, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
Professor associado na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Leciona Fotografia, Documentário e Semiótica no Curso de Graduação em Jornalismo e no Mestrado em Comunicação. É Biólogo pela USP (1982), Mestre em Cinema pela USP (1991) e Doutor em Comunicação e Semiótica pela PUC/SP (1999). Desde2003, desenvolve pesquisa a respeito da linguagem e da tecnologia dos filmes estereoscópicos, com ênfase para os documentários. Atualmente dedica-se à compreensão das relações entre a Imagem Estereoscópica, o Realismo Filosófico e a Teoria do Cinema.

Referências

ANDERSON, J. D. The reality of illusion, an ecological approach to Cognitive Film Theory. Carbondale, Southern Illinois University Press, 1998.

BANKS, M. S., SHIBATA T., KIM, J. e HOFFMAN, D. M.. The zone of comfort: Predicting visual discomfort with stereo displays. Journal of Vision, 11(8):11, 2011, pp. 1–29

BAZIN, A. O cinema – ensaios. São Paulo, Brasiliense, 1991.

CAHEN, O. L´imagem em relief: du film au numérique. Paris, Pressses des Mines, 2011.

FLUECKIGER, B. Aesthetics of Stereoscopic Cinema. In Projections, Vol 6, Issue 1, summer 2012, pag 101-122.

FONSECA, S.T. et all. Abordagem ecológica à percepção e ação: Fundamentação para o comportamento motor. Brazilian Journal of Motor Behavior, 2007, Vol. 2, No. 1, pag 1-10.

GALIFRET, Y. La perception du relief et la projection cinématographique. In Revue Internationale de Filmologie, Tomo V, no. 18-19, Paris, julho-dezembro de 1954, pp. 197-207.

GIBSON, James J. The perception of the visual world. Cambridge, Massachusetts, The Riverside Press, 1950.

GODOY-DE-SOUZA, H. A. & KUBOTA, R. C. . A imagem figurativa Estéreo 3D: representação do espaço e Umwelt humano. Sessões do Imaginário (Online), v. 17, p. 51, 2012.

GODOY-DE-SOUZA, H. A. & SAMPEDRO, P. P. Análise de sistemas de produção de imagens estereoscópicas baseados em câmeras com uma única objetiva. Linguagens : Revista de Letras, Artes e Comunicação (FURB), v. 8, p. 185-205, 2014.

GODOY-DE-SOUZA, H. A. ; A representação visual do espaço físico através do documentário estereoscópico 3d. Olhar (UFSCar), v. 13, p. 51-65, 2013.

GODOY-DE-SOUZA, H. A. Conforto Visual Estereoscópico e Determinação de Valores de Paralaxe na Câmera 3D Sony HDR-TD10. Revista de RadioDifusão, v. 6, p. 01-06, 2012.

GODOY-DE-SOUZA, H. A. Documentary realism, sampling theory and Peircean Semiotics: electronic audiovisual signs (analog or digital) as indexes of reality. Doc On-Line: revista digital de cinema documentário, v. 02, p. 05, 2007.

GODOY-DE-SOUZA, H. A. O ilusionismo do cinema 3D estereoscópico. ComCiência (UNICAMP), v. 1, p. 8-9, 2013.

GODOY-DE-SOUZA, H. A. Processos técnicos e artísticos para realização de filme documentário 3d estereoscópico. Revista de Radiodifusão, v. 03, p. 212, 2009.

GODOY-DE-SOUZA, H. A. Realismo Documentário, Teoria da Amostragem e Semiótica Peirceana: os signos audiovisuais eletrônicos (analógicos ou digitais)como índices da realidade. In: Mariarosaria Fabris e João G. Barone Reis Silva. (Org.). Estudos Socine de Cinema - Ano III. 1ed.Porto Alegre: Editora Sulina, 2003, v. 3, p. 157-170.

GODOY-DE-SOUZA, H. A.. The Visual Representation of the Physical Space through Stereoscopic S3D Documentary. Journal of Arts and Hummanities 2015, v. 04, p. 20-33-33, 2015.

GUREVITCH, L. The stereoscopic attraction: three-dimensional imaging and the spectacular paradigm 1850-2013. In Convergence: The International Journal of Research into New Media Technologies 19, 4, julho 2013, pag 396-405.

HIGGINS, S. 3D in depth: Coraline, Hugo and a Sustainable Aesthetic. In Film History, Vol 24, 2012, pag 196-209.

HOWARTH, P.A. Potential hazards of viewing 3-D stereoscopic television, cinema and computer games: a review. Ophthalmic & Physiological Optics 31,2011,pp. 111–122.

KLINGER, B. Three-dimensional cinema: the new normal. Convergence: The International Journal of Research into New Media Technologies 19, 4, julho 2013, pag 423-431.

LIPTON, Lenny. Foundations of the Stereoscopic Cinema, a study in depth, New York: Van Nostrand Reinhold Co., 1982.

MCKAY, H.C. Three-dimensional photography: principles of stereoscopy, New York, American book Stratford Press, 1953.

MENDIBURU, B. 3D Movie making, stereoscopic Digital Cinema from Script to Screeen, Nova York: Focal Press / Elsevier, 2009.

MENDIBURU, B.; PUPULIN,I.; SCHKLAIR, S. 3DTV and 3D Cinema, tools and processes for Greative Stereoscopy, Nova York: Focal Press / Elsevier, 2011.

MICHEL, Benoit. Digital Stereoscopy: scene to screen 3D production workflow. Sprimont, Bélgica, Stereoscopic News, 2013.

NÖTH, Winfried. Handbook of Semiotics. Bloomington, Indiana Un. Press, 1995.

OKOSHI, T. Three-Dimensional Imaging Techniques, New York: Academic Press, 1976.

ROSS, M. Stereoscopic visuality: where is the screen, where is the film ? In Convergence: The International Journal of Research into New Media Technologies 19, 4, Julho 2013, pag 406-414.

ROSS, M. The 3-D aesthetic: Avatar and hyperhapitic visuality. In Sreen 53, 4, winter 2012, pág 381-397.

SMITH, W. O enigma quântico, desvendando a chave oculta. Campinas, SP, Vide Editorial, 2011.

SMITH, W. Science and myth: what we are never told. San Rafael, CA, Sophia Perennis, 2010.

TOSETTO, A. P. Percepção visual e háptica de comprimentos de linha apresentados em diferentes formas. Dissertação de Mestrado, Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo. Ribeirão Preto- SP, 2005.

UKAI, K. & HOWARTH, P.A.. Visual fatigue caused by viewing stereoscopic motion images: background, theories, and observations. Displays no. 29, 2008, pp. 106–116.

Publicado
2015-12-11
Como Citar
AUGUSTO GODOY DE SOUZA, H. Estética do documentário S3D, o enigma da imagem estereoscópica. Revista GEMInIS, v. 6, n. 2, p. 82-101, 11 dez. 2015.