“Are you talking to me?” A expressão do popular midiático como potência política em taxi driver, de Martin Scorsese

  • Bruno Costa PUC Minas
  • Thiago Pereira Alberto PUC Minas
Palavras-chave: Cinema, Cultura Popular, Martin Scorsese, Subjetividade Rebelde, Taxi Driver

Resumo

Este artigo analisa o filme "Taxi Driver" (1976), Martin Scorsese como um possívelveículo de expressão dos meios de comunicação populares como um poder político,tencionando parte de sua representação de imagem através de um tabloide estética eradical, o regime de imagens dominante em Hollywood e percebendo em sua narrativa.Algumas táticas de subversão em relação ao sistema capitalista com a representação deum personagem anônimo; enquanto, sendo um produto da cultura popular, fala para umpúblico grande e possíveis gatilhos decodifica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruno Costa, PUC Minas
Pós-doutor junto ao Programa de pós-graduação em Comunicação da PUC Minas
Thiago Pereira Alberto, PUC Minas
Mestre em Comunicação Social pela Faculdade de Comunicação e Artes da PUC-MG

Referências

BARROS, José D´Assunção. Cinema e história: entre expressões e representações. In: Cinema-História: teoria e representações sociais no cinema. NÓVOA, Jorge & BARROS, José D´Assunção. Rio de Janeiro: Apicuri, 2008.

BISKIND, Peter Como a geração sexo, drogas e rock n ´roll salvou Hollywood- Riode Janeiro: Intrínseca, 2009.

CAUDURO, Flávio Vinícius. Comunicação gráfica e pós-modernidade. Revista da Associação dos programas de pós-graduação em comunicação social (COMPÓS),Abril de 2006.

EAGLETON, Terry. A idéia de cultura. São Paulo: Edirora UNESP, 2005.

FISKE, John. Understanding Popular Culture. New York: Routledge, 2010. FLUSSER, Vilém. Filosofia da caixa preta: ensaios para uma future filosofia da fotografia. Rio de Janeiro: Relume dumará, 2002 GINZBURG, Carlo. O queijo e os vermes: o cotidiano e as idéias de um moleiro perseguido pela Inquisição São Paulo: Companhia das Letras, 2006. GINZBURG, Carlo. Micro-história: duas ou três coisas que sei a respeito. In: O fio e os rastros. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

HALL, Stuart. Da Diáspora: Identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003.

KAEL, Pauline. “Metamorphosis of The Beatles”, New Yorker, 30 de novembro de

KAEL, Pauline. “1001 noites no cinema”. São Paulo: Companhia das Letras, 1994. MARTEL, Frédéric. Mainstream: a guerra global das mídias e das culturas. Rio de Janeiro:

Civilização Brasileira, 2012.

SCORSESE, Martin & WILSON, Henry. Uma Viagem Pessoal pelo Cinema Americano. São Paulo: Cosac Naify, 2004.

SONTAG, Susan. Uma Cultura e a nova sensibilidade. In: Contra a interpretação. Porto Alegre: L&PM, 1987.

SANTOS, Boaventura de Souza Santos. Renovar a teoria critica e reinventar a emancipação social, São Paulo : Boitempo, 2007.

THOMPSON, David e CHRISTIE, Ian. Scorsese por Scorsese. Lisboa: Edições 70, 1989.

TURNER, Graeme. Ordinary People: celebrity, tabloid culture, and the function of the media. In: TURNER, Graeme.Ordinary People and the Media: The Demotic Turn.Londres: Sage, 2010.

ZIZEK, Slavoj. Bem vindo ao deserto do real! Cinco ensaios sobre o 11 de setembro e datas relacionadas. São Paulo: Boitempo Editorial, 2003.

Publicado
2015-12-11
Como Citar
COSTA, B.; PEREIRA ALBERTO, T. “Are you talking to me?” A expressão do popular midiático como potência política em taxi driver, de Martin Scorsese. Revista GEMInIS, v. 6, n. 2, p. 57-75, 11 dez. 2015.