Cinema e feminismos entre poética e devir: por uma tecnologia engendrada

  • Fernanda Capibaribe Leite UFPE

Resumo

Esse artigo visa contribuir para a construção de uma poética feminista no cinema e audiovisual contemporâneo concebida na ideia de trânsito ou fluxos para sujeitos de gênero compreendidas/os fora da lógica dos binarismos “cis” e heteronormativos. Para tanto, atualiza a acepção em Lauretis (1987) de que o cinema se constitui como tecnologia de gênero, e aborda tal premissa no contexto das imagens tecnológicas e digitais através do conceito de percepto de devir feminista. Tal relação proposta engloba a ideia de que a poética feminista atualmente se alicerça cada vez mais na prerrogativa das experiências próprias de personagens subjetificadas/os, por um caminho patêmico no qual mulheres cis e trans não mais são colocadas sob o olhar do outro-homem-dominador, mas, ao contrário, se enunciam sob referências de seus próprios cotidianos e espaços de interlocução. Nesse sentido, a atualização da ideia de tecnologia de gênero para o cinema está ligada ao fato de que tais imagens configuram desterritorializações, devires, tanto no que toca a relação hegemonia-subalternidade no sistema sexo-gênero como no que se refere à própria ideia dos sujeitos legítimos e nomeados no feminismo. Como escopo investigativo, lanço um olhar sobre a produção Dude looks Like a Lady, parte da série de curtas em pornografia feminista intitulada XConfessions (LUST, 2013, 125min), oriundos de relatos em texto sobre fantasias e/ou experiências enviadas pela internet. Apesar de tratar de tal realização em particular, a trago também como espaço de acionamento de outras produções na perspectiva do feminismo, que endossam ou potencializam o lugar da diferença em produções com foco nos sujeitos engendrados.

Biografia do Autor

Fernanda Capibaribe Leite, UFPE
Professora do Departamento de Comunicação – UFPE; Doutora pelo PPGCOM-UFPE; Pesquisadora das relações entre imagens e sistemas sexo-gênero.

Referências

A EXCÊNTRICA Família de Antonia (Antonia). Direção: Marleen Gorris, 1995, 100 min. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=7wexPzXy7eU. Acesso em: mai 2013.

BHABHA, Homi. O Local da Cultura. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1998. BUTLER, Judith. Problemas de Gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2014. COMOLLI, Jean-Louis. Ver e Poder. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008.

_______. Os Homens Ordinários, a Ficção Documentária. In: SEDLMAYER, S.; OTTE, Georg (Orgs.). O Comum e a Experiência da Linguagem. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2007. DELEUZE, Gilles. Conversações. São Paulo: Editora 34, 1992.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. O que É a Filosofia. São Paulo: Editora 34, 1992.

ELLSWORTH, Elizabeth. Modo de Endereçamento: uma coisa de cinema; uma coisa de educação também. In: DA SILVA, Thomaz T. (Org.). Nunca Fomos Humanos: nos rastros do sujeito. Belo Horizonte: Autêntica, 2001, p. 9-76. Entrevista com Laura Mulvey. In: Revista Estudos Feministas. Florianópolis, 13(2): p. 256, maio-ago. 2005, p. 351-362.

FREUD, Sigmund. O Estranho. (Obras psicológicas completas de Sigmund Freud, vol. XVII). Rio de Janeiro: Imago, 1925.

GUIMARÃES, César. A Singularidade como Figura Lógica e Estética no Documentário. In: Alceu: Revista de Comunicação, Cultura e Política, vol. 07, n.13, jul.-dez. 2006.

Disponível em: http://revistaalceu.com.puc-rio.br/media/alceu_n13_Guimaraes.pdf. Acesso em: 09 out. 2013.

______. O Documentário e os Banidos do Capitalismo Avançado de Consumo. In: Revista Cinética. Ensaio Crítico na edição Estética da Biopolítica: audiovisual, política e novas tecnologias, 2007. Disponível em: http://www.revistacinetica.com.br/cep/cesar_guimaraes.htm. Acesso em: 09 out. 2013.

HARAWAY, J. Donna. Manifesto Ciborgue: Ciência, tecnologia e feminismo socialista no final do século XX. In: Antropologia do ciborgue: as vertigens do pós-humano. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2013. Pp. 35-118. It’s Time For Porn to Change. TEDxVienna, Erika Lust, 2014, 12 min. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=Z9LaQtfpP_8. Acesso em: fev 2015.

LAURETIS, Teresa de. Technologies of Gender: essays on theory, film and fiction. Bloomington and Indianapolis: Indiana University Press, 1987.

_______. A Tecnologia do Gênero. Tradução de capítulo publicado em Technologies of Gende. Indiana University Press, 1987a, p. 1-30. Disponível em: http://marcoaureliosc.com.br/cineantropo/lauretis.pdf. Acesso em: maio 2015. LOURO, Guacira Lopes. Cinema e Sexualidade. In: Revista Educação e Realidade. Porto Alegre: UFRGS, vol. 33, n.1, jan./jun. 2008, p. 81-98.

_______. Um Corpo Estranho: ensaios sobre sexualidade e teoria queer. Belo Horizonte: Autêntica: 2004. LUST, Erika. Good Porn Manifesto. Disponível em: http://www.goodreads.com/story/show/236464-good-porn-manifesto. Acesso em: 10 set. 2011.

MALUF, S. W.; MELLO, C. A. de; PEDRO, V. Políticas do Olhar: feminismo e cinema em Laura Mulvey. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 13, n. 2, p. 343-350, ago. 2005. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-026X2005000200007&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: maio 2015.

MULVEY, Laura. Visual Pleasure and Narrative Cinema. In: DURHAM, M. G.; KELLNER, D. M. (Orgs.). Media and cultural studies. Oxford: Blackwell Publishing, 2006, p. 342-352.

________. Fetishism and Curiosity. Bloomington and Indianapolis: Indiana University Press, 1996.

RANCIÈRE, Jacques. O Espectador Emancipado. São Paulo: Martins Fontes, 2012.

RESPOSTA das Mulheres: nossos corpos, nossos sexo (Réponse de femmes: Notre corps, notre sexe). Direção: Agnès Varda, 1975, 08 min. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=xlrZIbwPZI8. Acesso em: mai 2013.

SARLO, Beatriz. Tempo Passado: cultura da memória e guinada subjetiva. São Paulo: Companhia das Letras; Belo Horizonte: UFMG, 2007.

SONTAG, Susan. A Imaginação Pornográfica. In: A Vontade Radical. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

VILLAÇA, Nízia. Erotismo É Isto, Pornografia É Aquilo? In: Revista Z Cultual, ano III, n. 1. Rio de Janeiro: PACC/UFRJ, dez. 2006-mar. 2007. Disponível em: http://www.pacc.ufrj.br/z/ano3/01/artigo06.htm. Acesso em: 05 fev. 2011.

WILLIAMS, Linda (Org.). Porn Studies. Durham e Londres: Duke University Press, 2004. XCONFESSIONS. Direção: Erika Lust, 2014, 123 min. Site oficial: http://xconfessions.com/. Acesso em: fev 2015.

Publicado
2015-12-11
Como Citar
CAPIBARIBE LEITE, F. Cinema e feminismos entre poética e devir: por uma tecnologia engendrada. Revista GEMInIS, v. 6, n. 2, p. 30-56, 11 dez. 2015.