Comunicacão ou conexão?

  • Lucilene Cury USP
  • Marcos Jolbert Cáceres Azambuja USP
  • Maurício Cruz Felício USP
Palavras-chave: Mídias Digitais, Plataformas Eletrônicas, Comunicação, Design, Velocidade

Resumo

Nos últimos anos, uma série de conceitos, padrões e tecnologias surgiram para modificar a distribuição e o acesso à informação. A indústria da comunicação cada vez mais atraída para disponibilizar conteúdos nas diversas alternativas de mídias, pretende alcançar o maior número de consumidores provendo serviços de comunicação, entretenimento e informação a qualquer hora, em qualquer lugar. Por outro lado, os avanços das Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) trazem desafios a essa indústria, como, por exemplo, administrar a complexidade crescente da informação transmitida, que pode assumir vários formatos de mídia. Partindo da constatação acima, o presente artigo tem por objetivo tratar da complexidade que circunscreve o espaço digital e, mais especificamente, tratar do caso das plataformas eletrônicas que são programadas para fazer a transmissão dos conteúdos produzidos tecnologicamente, sem atender às necessidades e capacidades do sujeito receptor, ou do usuário, como é comumente chamado. Tem, além disso, a intenção de propor princípios para que, caso a conexão ocorra, seja possível transformá-la em comunicação, tal como a concebemos, com base no diálogo entre os dois polos do processo comunicativo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucilene Cury, USP
Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo e Líder do Grupo de Pesquisa CNPq – Cibernética Pedagógica –Laboratório de Linguagens Digitais da ECA/USP.
Marcos Jolbert Cáceres Azambuja, USP
Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica da Universidade de São Paulo - POLI/USP.
Maurício Cruz Felício, USP
Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação – PPGCOM – ECA/USP.

Referências

ABREU, S. C. Interfaces em Arquitetura: Permeabilidades entre o Humano e o Digital. Tese (Doutorado em Teoria e História de Arquitetura e Urbanismo) Universidade de São Paulo, São Carlos, 2011.

BUBER, M. Yo y Tu. Buenos Aires. Editora Nueva Vision, 2002.

CISCO. Tráfego global de dados móveis. Relatório Cisco VNI. Disponível em:<http://www.cisco.com/web/PT/press/articles/2014/20140205.html>. Acesso em: 1 mai. 2015.

CURY, Lucilene. A comunicação digital e sua relação com os aspectos cognitivos do sujeito. In Comunicação, Cognição e Media. SORES DA SILVA, A; MARTINS, J. C.; MAGALHÃES, L.; GONCALVES, M. vol. 2. Braga (Portugal): Publicações da Faculdade de Filosofia. Universidade Católica Portuguesa, 2010.

FLUSSER, V. O mundo codificado: por uma filosofia do design e da comunicação. São Paulo: Cosac Naify, 2007.

GOODWIN, K. Designing for the Digital Age: How to Create Human-Centered Products and Services. Indianapolis: Wiley Publishing Inc., 2009.

MARTÍN-BARBERO, J. Globalização comunicacional e transformação cultural. In: MORAES, Dênis de (Org.). Por uma outra comunicação. Rio de Janeiro: Record, 2003.

MARTÍN-BARBERO, J. Comunicação na Educação. São Paulo: Editora Contexto, 2014.

MORIN, E. O Método 6: ética. Porto Alegre: Sulina, 2007.

NORMAN, D. A. O design do dia-a-dia. Rio de Janeiro: Editora Rocco, 2002.

OBREGON, R. F. A.; VANZIN, T.; ULBRICHT, V. R. Design de interface gráfica: interpretação semiótica na composição dos elementos. Info Design - Revista Brasileira de Design da Informação, São Paulo, 7, n. 2, 2010. 23-31.

PISCITELLI, A. Internet, La Imprenta Del Siglo XXI. Barcelona: Editora Gedisa, 2005.

TRIVINHO, E. A dromocracia ciber cultural. Lógica da vida humana na civilização mediática avançada. São Paulo: Editora Paulus, 2007.

WOLTON, D. Internet, e depois? Uma teoria crítica das novas mídias. Porto Alegre: Sulina, 2003.

_______ . É Preciso salvar a Comunicação. São Paulo: Editora Paulus, 2005.

Publicado
2015-06-28
Como Citar
CURY, L.; JOLBERT CÁCERES AZAMBUJA, M.; CRUZ FELÍCIO, M. Comunicacão ou conexão?. Revista GEMInIS, v. 6, n. 1, p. 286-295, 28 jun. 2015.
Seção
Espaço Convergente