Transposições do personagem Félix, da telenovela Amor à Vida, para o facebook

  • Rafael Jose Bona Universidade Regional de Blumenau
  • Rafaela Carl Universidade Regional de Blumenau
Palavras-chave: Narrativa transmídia, Telenovela, Facebook, Amor à Vida

Resumo

O artigo teve como objetivo realizar análise da relação entre a televisão e as redes sociais, aplicada ao personagem Félix da telenovela Amor à Vida (2013-2014), e a fanfiction parodiada do referido personagem no Facebook: Félix Bicha Má. A análise contempla os fenômenos de cultura participativa e inteligência coletiva nas experiências de construção de narrativas no ciberespaço, propulsoras de uma nova forma de consumo e criação de conteúdo online. As tramas televisivas, ou fragmentos delas, passam a circular pelas plataformas virtuais, e o público consumidor começa a interferir na telenovela podendo, inclusive, mudar os rumos de personagens e até mesmo da história por meio do poder de expressão que lhes são dados nas redes sociais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafael Jose Bona, Universidade Regional de Blumenau
Docente do Departamento de Comunicação da FURB (Universidade Regional de Blumenau) e da UNIVALI (Universidade do Vale do Itajaí). Doutorando em Comunicação e Linguagens, da UTP (Universidade Tuiuti do Paraná) – Linha de Pesquisa: Estudos de Cinema e Audiovisual. Graduado em Comunicação Social: Publicidade e Propaganda (FURB).
Rafaela Carl, Universidade Regional de Blumenau
Graduada em Comunicação Social – Publicidade e Propaganda (FURB).

Referências

ALMEIDA, Heloisa Buarque de. Consumidoras e heroínas: gênero na telenovela. Estudos Feministas, Florianópolis, 15(1): 177-192, janeiro-abril/2007.

BAKHTIN, Mikhail. Problemas da poética de Dostoievski. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2000.

BRANDÃO, Cristina. A radicalização de Beto Rockfeller: o discurso contemporâneo da telenovela brasileira. In: COUTINHO, Iluska; SILVEIRA, Potiguara. Comunicação: tecnologia e identidade. Rio de Janeiro: Mauad, 2007.

COMPARATO, Doc. Da criação ao roteiro: teoria e prática. São Paulo:

Summus, 2009.

D’OLIVEIRA, Beatriz; ROMANELLI, Marina. Fanfictions e o papel do fã na era da transmídia. Hipertexto. Vol. 3, n. 1, jan./jun. 2013, p. 1-14.

GREGOLIN, Maíra Valencise. Viver a Vida no limiar da tela: a narrativa transmídia chega à novela. GEMInIS. ano 1, n. 1. 2010, p. 53-67.

HAMBURGER, E. Telenovelas e Interpretações do Brasil. Lua Nova , v. 82, p. 61-86, 2011.

HUTCHEON, Linda. Uma teoria da paródia: ensinamentos das formas de arte do Século XX. Lisboa: Ed 70, 1989.

JENKINS, Henry. Cultura da convergência. 2a ed. São Paulo: Aleph, 2009.

LÉVY, Pierre. Cibercultura. Tradução: Carlos Irineu da Costa. São Paulo: Editora 34, 1999.

LOPES, Maria Immacolata Vassalo de. Telenovela como recurso comunicativo. Matrizes. Ano 3. n. 1, ago./dez. 2009, p. 21-47.

______; MUNGIOLO, Maria Cristina Palma. Qualidade da Ficção Televisiva no Brasil: elementos teóricos para a construção de um novo modelo de análise. 2013. Disponível em: http://compos.org.br/data/biblioteca_2078.pdf. Acesso em 17 de outubro de 2013.

______; GÓMEZ, Guillermo Orozco. OBITEL 2013. Memória Soail e Ficção Televisiva em Países Ibero-Americanos. Globo Comunicação e Participações S.A, Editora Meridional, Agosto/2013.

MAURO, Rosana; TRINDADE, Eneus. Telenovela e discurso como mudança social na análise da personagem Maria da Penha em Cheias de Charme. Revista em Questão, Porto Alegre, v. 18, n. 2, jul./dez 2012, p. 169-182.

MENDES, Helder Jorge Marques. Texto e leitura na web 2.0: o Facebook e os novos Leitores. Trabalho de Projeto em Edição de Texto. [2012] Disponível em http://run.unl.pt/bitstream/10362/8666/1/HelderMendesTextoeLeituraWeb.pdf. Acesso em 02 de novembro de 2013.

MUSSE, Mariana Ferraz; BRUM, José Eduardo da Costa Pereira. Os dramas reais na ficção televisiva: a narrativa da superação em Viver a Vida. In. Anais… XV Congresso de Ciências da Comunicação na Região Sudeste – Vitória, ES – 13 a 15 mai. 2010.

OIKAWA, Erika; JOHN, Valquíria; AVANCINI, Denise. De @berilopassione a #MeserveVadia: Passione e Avenida Brasil no contexto de convergência midiática. Ciberlegenda. n. 27, 2012, p. 106-118.

QUEIROZ, Eliani de Fátima Covem. A telenovela como componente visual da sociedade do espetáculo. Revista Panorama. número I, agosto de 2011, p.55-62.

RAHDE, Maria Beatriz Furtado; TIETZMANN, Roberto; COSTA, Cristiane Finger; DORFMAN, Beatriz. Avenida Brasil: o popular como pós-modernismo televisivo. Estudos em Comunicação. n. 12, dez. 2012, p. 325-314.

RISSO, Mercedes Sanfelice; JUBRAN, Clélia Cândida A. Spinardi. O Discurso auto-reflexivo: Processamento Metadiscursivo do Texto. DELTA , São Paulo, v.14, 1998.

SANTAELLA, Lucia. Potenciais e desafios para a comunicação e inovação. Revista Comunicação e Inovação, v. 8, n. 14, jan./jun. 2007, p. 1-7.

SIFUENTES, Lírian; VILELA, Mateus Dias; JEFFMAN, Tauana Mariana. O dia em que a internet congelou: apropriações de Avenida Brasil nas mídias sociais. Sessões do Imaginário. Ano XVII, n. 27, 2012, p. 11-21.

SOARES, Thiago; MANGABEIRA, Alan. Alice através...: Televisão, redes sociais e performances num produto expandido. Revista contemporânea, comunicação e cultura. Vol. 10, n. 2, mai./ago., 2012, p. 272-288.

TOMAÉL, Maria Inês; ALCARÁ, Adriana Rosecler; CHIARA, Ivone Guerreiro Di;. Das redes sociais à inovação. 2005. Ci. Inf., Brasília, v. 34, n. 2, maio/ago 2005, p. 93-104.

WALTENBERG, Lucas; CURI, Pedro P. O que aconteceu com o Star Wars que eu conhecia? O remix e a cultura participativa como forma de expressão dos fãs. Ciberlegenda, n. 8, 2013, p. 125-137.

Publicado
2015-06-28
Como Citar
JOSE BONA, R.; CARL, R. Transposições do personagem Félix, da telenovela Amor à Vida, para o facebook. Revista GEMInIS, v. 6, n. 1, p. 252-273, 28 jun. 2015.
Seção
Abordagens Multiplataformas