Ensino-aprendizagem em Ambientes Digitais: novas demandas profissionais

  • Cynthia Neves Blasques UNESP
  • Vânia Cristina P. N. Valente
Palavras-chave: Audiovisual educativo, TV Digital, Demandas profissionais

Resumo

Este artigo trata de um levantamento bibliográfico e documental sobre a produção de audiovisual educativo no Brasil e a demanda por profissionais qualificados para atender um mercado em constante transformação. Este novo padrão convergente de mídias reverte a novas possibilidades de conteúdos educacionais, voltados para os interesses do usuário. Destaca-se o edutretenimento como estratégia de ensino e aprendizagem, considerando o perfil de um público cada vez mais participativo e colaborativo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cynthia Neves Blasques, UNESP
Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Televisão Digitalna linha de pesquisa Educação Assistida por Televisão Digital, daFaculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação da UNESP. Graduadaem Jornalismo pela mesma instituição, possui experiência nas áreas dedesigner instrucional, produção multimídia para educação continuada,assessoria de imprensa, produção e reportagem.
Vânia Cristina P. N. Valente
Doutora em Engenharia Civil pela Escola Politécnica da USP(2004). Ministra aulas nos curdos de graduação em Design e naPós-Graduação em TV Digital da Faculdade de Arquitetura, Artese Comunicação da UNESP. Tem experiência na área de Educação,com ênfase em Tecnologia Educacional, atuando principalmentenos seguintes temas: Representação Gráfica, Ensino a Distância,Design Instrucional, Programação de Interatividade para TVDigital, Desenvolvimento de hipermídia e integração Arte-Educação- Tecnologia. Orientadora da dissertação.

Referências

AARRENIEMI-JOKIPELTO, Päivi. T-learning Model for Learning Via Digital TV. Industrial IT Laboratory. Helsinki University of Tecnology. Disponível em: http://www.it.lut.fi/eaeeie05/proceedings/p21.pdf>.Acesso em junho 2014.

AGÊNCIA NACIONAL DO CINEMA. Plano de diretrizes e metas para o audiovisual: o Brasil de todos os olhares para todas as telas. 1ª ed. Rio de Janeiro, 2013.

AMARAL. S. F e SOUZA. M. I. F. (organizadores). TV digital na educação: contribuições inovadoras,– Campinas, SP : FE/UNICAMP, 2011.

AMÉRICO. M. A Produção de Conteúdos Audiovisuais Educacionais Interativos para TV Digital. Anais do INTERCOM 2007 - XXX Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Santos – 29 de agosto a 2 de setembro de 2007, Santos – SP. Disponível em: http://www.intercom.org.br/papers/nacionais/2007/resumos/R0813-1.pdf. Acesso em: 17 de fev. 2014.

____; COSTA NAVARI, S. Gamificação: abordagem e construção conceitual para aplicativos em TV Digital Interativa. Revista GEMInIS, v. 2, n. 2 Ano 4, p. 87-105, 2013.

BIZELLI; SANTOS. O papel dos games na construção de conteúdos midiáticos educativos. Caxias do Sul: Conexão: Comunicação e Cultura, v. 10, n. 20, jul/dez, 2011.

CANNITO, 2010. A televisão na era digital. São Paulo: Plexus Editora, 2010.

BRASIL. Presidência da República. Secretaria de Comunicação Social. Pesquisa brasileira de mídia 2014: hábitos de consumo de mídia pela população brasileira. – Brasília : Secom, 2014. Disponível no sítio: http://www.secom.gov.br/

CASTELLS, Manuel. La era de la información. Economia, sociedad y cultura. Vol 1. La sociedad en red, Madrid, Alianza, 1997.

CPqD - Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações. Sistema Brasileiro de Televisão Digital Terrestre - Plano de Capacitação – Necessidade de formação de recursos humanos no contexto da implantação de TV digital terrestre no Brasil. Campinas, 2006.

____. Cadeia de valor da TV Digital. Campinas, 2005.

Associação Brasileira de Produtoras Independentes de Televisão http://abpitv.com.br/site/imprensa/obrigatoriedade-de-conteudo-nacional-na-tv-paga-fazsurgir-mais-de-200-novas-empresas-no-pais/ Acesso em 14 de junho de 2014.

DELORS, J. (org). A educação para o século XXI: questões e perspectivas. Porto Alegre: Artmed, 2005.

FORUM DO SISTEMA BRASILEIRO DE TELEVISÃO DIGITAL. Disponível em: . Acesso em: 15 out. 2013.]

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

KENSKI, V. M. Tecnologias e Ensino Presencial e a Distância. 5. ed. Campinas: Papirus, 2008.

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. Metodologia científica. 2. ed. São Paulo: Atlas, 1991.

LYTRAS, M. InteractiveTelevisionand e-learning convergence: examining the potencial of t-learning. ELTRUN, 2002.

MÉDOLA, A. S. L. D. Televisão digital brasileira e os novos processos de produção de conteúdos: os desafios para o comunicador. Revista da Associação Nacional dos Programas de Pós-graduação em Comunicação – ECompós, v.12, n.3. Brasília, set./dez. 2009.

MONTEZ, C.; BECKER, V. TV digital Interativa: conceitos, desafios e perspectivas para o Brasil. 2. ed. Florianópolis: Editora da UFSC, 2005. v. 01. 200 p. Disponível em: .

MOORE, Michel; KEARSLEY, Greg. Educação à distância: uma visão integrada. São Paulo: Thomson Learning, 2007.

TV ESCOLA. SALTO PARA O FUTURO. TV e Educação: capítulos de uma história. Ano XXI, Boletim 19, novembro-dezembro de 2011.

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. Departamento Nacional. Impactos ocupacionais e educacionais da TV digital no Brasil. Brasília, SENAI/DN, 2008.

Publicado
2014-12-10
Como Citar
BLASQUES, C. N.; VALENTE, V. C. P. N. Ensino-aprendizagem em Ambientes Digitais: novas demandas profissionais. Revista GEMInIS, v. 5, n. 3, p. 191-205, 10 dez. 2014.