Neotevê: marcas da metalinguagem no Brasil

  • Carla Simone Doyle Torres Universidade Federal de Santa Maria
Palavras-chave: Televisão Brasileira, Neotevê, Metalinguagem, Estética

Resumo

Entre as décadas de 1980 e 2000, notam-se importantes mudanças em relação às características estéticas e narrativas da TV no Brasil, em especial no modo como ela fala de si mesma. Este artigo apresenta um mapeamento de programas de diferentes emissoras ao longo desses 30 anos, objetivando observar a transformação das características relacionadas à metalinguagem ao longo deste período, na televisão brasileira. Parte-se do conceito de Neotevê, proposto nos anos 80 por Eco (1986) e Casetti e Odin (2012), a fim de também atualizá-lo neste novo cenário.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carla Simone Doyle Torres, Universidade Federal de Santa Maria
Jornalista e mestre em Comunicação Midiática pela Universidade Federal de Santa Maria.

Referências

ARONCHI DE SOUZA, J. C. Gêneros e formatos na televisão brasileira. São Paulo: Summus, 2004.

AUMONT, Jacques. A estética do filme. São Paulo: Papirus, 1995.

______. A imagem. São Paulo: Papirus, 1993.

______; MARIE, Michel. A análise do filme. Lisboa: Texto & Grafia, 2004.

CASETTI, Francesco; ODIN, Roger. Da Paleo à Neotelevisão: abordagem semiopragmática. Tradução de REICHELT, Henrique R. In: Ciberlegenda: Os novos caminhos da produção, espectatorialidade e do consumo televisivo na contemporaneidade. Rio de Janeiro: Universidade Federal Fluminense (UFF), n. 27, 2012.

DEJAVITE, Fábia A. INFOtenimento: informação + entretenimento no jornalismo. São Paulo: Paulinas, 2006.

DUARTE, Elizabeth Bastos. Televisão: Ensaios metodológicos. Porto Alegre: Sulina, 2004.

ECO, Umberto. Tevê: a transparência perdida. In: Viagem na irrealidade cotidiana. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986.

EISENSTEIN, Sergei. O sentido do filme. Rio de Janeiro: Zahar, 1990.

FAHLE, Oliver. Estética da televisão: passos rumo a uma teoria da imagem em televisão. In: GUIMARÃES, César; LEAL, Bruno Souza; MENDONÇA, Carlos Camargos (orgs.). Comunicação e experiência estética. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2006.

FECHINE, Yvana. O vídeo como um projeto utópico de televisão. In: MACHADO, Arlindo (org.). Made in Brasil: Três décadas do vídeo brasileiro. São Paulo: Iluminuras: Itaú cultural, 2007.

GOMES, Itânia Maria Mota. O embaralhamento das fronteiras entre informação e entretenimento e a consideração do jornalismo como processo cultural e histórico. In: DUARTE, Elizabeth Bastos; CASTRO, Maria Lília Dias de. Em torno das mídias: práticas e ambiências. Porto Alegre: Sulina, 2008.

GREIMAS, A. J.; COURTÉS, J. Dicionário de Semiótica. São Paulo: Contexto, 2008.

JOST, François. Compreender a televisão. Porto Alegre: Sulina, 2007.

______. Seis lições sobre televisão. Porto Alegre: Sulina, 2004.

MACHADO, Arlindo (org.). Made in Brasil: Três décadas do vídeo brasileiro. São Paulo: Iluminuras: Itaú cultural, 2007.

METZ, Christian. A significação no cinema. São Paulo: Perspectiva, 2010.

______. Linguagem e Cinema. São Paulo: Perspectiva, 1971.

MITTELL, Jason. Genre and Television. New York: Routledge, 2004.

NICHOLS, B. Introdução ao documentário. Campinas: Papirus, 2005.

SERELLE, Márcio. METATEVÊ: a mediação como realidade apreensível. In: MATRIZES / Revista do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação da Universidade de São Paulo. Vol. 2, nº 2, (1º semestre de 2009). São Paulo: ECA/USP, 2009.

STAM, Robert. Introdução à teoria do cinema. Campinas: Papirus, 2003.

TORRES, Carla S. D. ROSSINI, Miriam de S. A TV POR ELA MESMA: Formas de metalinguagem e de autorreflexividade no Brasil. In: Bienal Chile

TORRES, Carla S. D. A incursão da TV sobre se própria: metalinguagem e autorreflexividade na série No Estranho Planeta dos Seres Audiovisuais, da TV Futura. In: 11ª Semana da Imagem na Comunicação. São Leopoldo: Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos), maio de 2013.

______. Aspectos da processualidade audiovisual na construção de si próprio: Um olhar sobre o programa Profissão Repórter. In: Anais do Simpósio Internacional: Imagem, cultura visual e história da arte. Porto Alegre: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS), 2012.

______. INFOtenimento na televisão: a tênue fronteira entre informação e entretenimento no encontro do telejornal com a revista eletrônica. In: Anais do Seminário Internacional Análise de Telejornalismo: desafios teórico-metodológicos. Salvador: Universidade Federal da Bahia, 21 a 23 de agosto de 2011.

TRIGO, Luiz Gonzaga Godói. Entretenimento: uma crítica aberta. São Paulo: SENAC, 2003.

Publicado
2014-07-10
Como Citar
DOYLE TORRES, C. S. Neotevê: marcas da metalinguagem no Brasil. Revista GEMInIS, v. 5, n. 1, p. 96-119, 10 jul. 2014.