O documentário brasileiro na era do vídeo

  • Gilberto Alexandre Sobrinho UNICAMP

Resumo

Historicamente, em seu surgimento, o vídeo foi inaugurado após a televisão e ficou diretamente associado a ela. Ele integrou-se às tecnologias da comunicação e da informação que, além de incrementarem o poder do Estado e das grandes corporações privadas, também foi ao encontro do ativismo político ensejando práticas reivindicatórias, no espírito contestatório do final da década de 1960. O vídeo também foi apropriado artisticamente e entrosou-se com artistas da arte contemporânea interessados em experiências de linguagem com tecnologias da imagem em movimento. O cinema também não ficou incólume ao contato com o vídeo. O termo vídeo, do latim videre, ver, é escorregadio em sua definição, além de haver uma identidade ativada em certos contextos da palavra vídeo, isoladamente, também contempla a videoarte, a videoinstalação, programas alternativos de televisão, TV de rua, vídeos em canais únicos e múltiplos, vídeo institucional, câmeras de vigilância etc.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gilberto Alexandre Sobrinho, UNICAMP
Professor do Instituto de Artes/Unicamp. Co-autor dos livros Televisão: formas audiovisuais de ficção e de documentário, volumes II e III (Socine) e autor do livro O autor multiplicado: um estudo sobre os filmes de Peter Greenaway (Alameda)

Referências

BERNARDET, J.C. Cineastas e imagens do povo. São Paulo: Brasiliense, 1985, p. 189.

HALL, S. Da diáspora. Belo Horizonte: UFMG, 2013.

SOBRINHO, G.A. João Batista de Andrade e o moderno documentário brasileiro: intervenção, ruptura e reflexão. Rebeca - Revista Brasileira de Estudos de Cinema e Audiovisual, v. 01, p. 225, 2012.(b)

SOBRINHO, G.A. . Retrato de classe: As vozes e a voz do documentário, no encontro da fotografia com a televisão. In: Josette Monzani, Luciana Corrêa de Araújo, Suzana Reck Miranda.. ...[et al.]. (Org.). Estudos de cinema e audiovisual Socine estadual São Paulo. Socine, 2012, p. 134-144.(c)

SOBRINHO, G.A. . Sobre corpos e imagens: os documentários televisivos de Walter Lima Júnior, no Globo Shell Especial e no Globo Repórter (1972-1974). In: Borges, Gabriela; Pucci Jr., Renato Luiz; Sobrinho, Gilberto Alexandre (orgs.). (Org.). Televisão: Formas Audiovisuais de Ficção e de Documentário Volume II. Campinas, Faro (PT), São Paulo: Unicamp, U.Algarve, Socine, 2012, p. 73-86.(d)

SOBRINHO, G.A. Sobre televisão experimental: Teodorico,o Imperador do Sertão, de Eduardo Coutinho, e o Globo Repórter. Revista Eco-Pós, v. 13, p. 67/02-84, 2010.

SOBRINHO, G.A . Telas em mutação: da memória da TV às memórias dos sertões. Doc On-line, n. 15, dezembro 2013, www.doc.ubi.pt, pp. 359 – 384.

Publicado
2014-05-19
Como Citar
ALEXANDRE SOBRINHO, G. O documentário brasileiro na era do vídeo. Revista GEMInIS, p. 17-21, 19 maio 2014.
Seção
Dossiê