Do homo sapiens ao homo convergente. É tempo de coisas e pessoas integradas.

  • Deisy Fernanda Feitosa Universidade de São Paulo - USP
  • Sérgio Bairon Universidade de São Paulo - USP
Palavras-chave: Internet das Coisas, Cidades Inteligentes, WEB 3.0, Tempo-Espaço

Resumo

A ubiquidade do mundo digital fornece a nós a possibilidade de uma transformação do estilo de vida, extensível à vida do consumo. Entendemos que esse processo já está consolidado, embora não esteja implantado, pois esse estilo de vida será exercido pela geração que já incorporou a computação ubíqua com parte integrante das suas vidas. Porém, uma tecnologia em fase de desenvolvimento promete integrar e digitalizar o planeta e muito do que há nele, construindo cidades inteligentes, espaços e coisas que dialogam continuamente para o câmbio de informações. Tudo indica que esta será a era pós-digital, dominada pela “Internet das Coisas”, mas sempre manipulada pelas habilidades e inteligência inerentes ao homem.

Biografia do Autor

Deisy Fernanda Feitosa, Universidade de São Paulo - USP
Graduada em Comunicação Social – Radialismo(2007) e Jornalismo (2009), pela Universidade Federal da Paraíba, e mestre (2010) pelo programa de TV Digital: Informação e Conhecimento, da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. É doutoranda da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo e bolsista Fapesp. Estuda temas como: TV digital interativa, colaboração, inclusão digital, convergência digital e hipermídia. É membro do CEDIPP – Centro de Comunicação Digital e Pesquisa Partilhada.
Sérgio Bairon, Universidade de São Paulo - USP
É livre-docente pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo, onde exerce atividades docentes e de pesquisa na temática do Audiovisual, da Hipermídia e da Produção Partilhada do Conhecimento. Possui doutorado em Ciências pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo e pós-doutorado em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP e em Comunicação e Humanidades pela Freie Universität Berlin, Alemanha. Tem experiência nas áreas de Ciências Humanas e Ciências Sociais Aplicadas, com ênfase em Comunicação, Semiótica, História da Cultura, Psicanálise da Cultura, Antropologia Visual e Hipermídia. É líder do CEDIPP – Centro de Comunicação Digital e Pesquisa Partilhada.

Referências

Adey, Peter. Mobility (Key Ideas in Geography).London-New York, Routledge, 2010.

Appadurai, Arjun. Dimensões culturais da globalização. Lisboa, Teorema, 2004.

Aristóteles. A Política. São Paulo: Escala, col. Mestres Pensadores, 2008.

Ashton, Kevin. That ‘Internet of Things’ Thing. Disponível em:

http://www.rfidjournal.com/articles/view?4986>. 2009. Acessado em 01 nov 2013

Bairon, Sérgio. Interdisciplinaridade. educação, história da cultura e hipermídia. São Paulo, Futura, 2002.

___________. A comunicação nas esferas, a experiência estética e a hipermídia. Revista USP, v. 86, p. 16-27, 2010.

Bauman, Zygmunt. Confiança e medo na cidade. Tradução

Eliana Aguiar. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2009.

Beiguelman, Giselle. O fim do virtual. Revista Select, São Paulo, ano 1, n. 00, p. 39-47, jun. 2011.

Bolter, Jay David. Remediation. Cambridge-Massachusetts, MIT Press, 2002.

Burke, Peter. Hibridismo cultural. São Leopoldo, Ed. Unisinos, 2003.

Crary, Jonathan. Suspensions perception. Cambridge e London, MIT Press, 2001.

Greenfield, Adam. Beyond the “smart city”. Disponível em: <http://www.wired.com/cs/promo/blogs/changeaccelerators/2011/10/31/beyond-the-smart-city/>. 2011. Acessado em 01 nov 2013

Jenkins, Henry. Convergence culture. New York – London, New York University Press, 2006.

Landow, George. Hypertext 3.0: Critical Theory and New Media in an Era of Globalization. Baltimore, John Hopkins University Press. 2006.

Latour, Bruno. Science in Action: How to Follow Scientists and Engineers through Society. Cambridge, Mass.: Harvard University Press, 1987.

______. Reassembling the Social. An introduction to Actor-Network Theory. Oxford: University Press, NY, 2005.

______. La mondialisation fait-elle un monde habitable? In: Revue Territoires 2040, n. 2, 2011. Disponível em: <http://territoires2040.datar.gouv.fr/spip.php?article60&revue=1>. Acesso em: 10 de novembro de 2013.

Lemos, A. Espaço, mídia locativa e teoria ator-rede. Galáxia (São Paulo, Online), n. 25, p. 52-65, jun. 2013.

Molz, Jennie Germann. Travel Connections. London-New York, Routledge, 2012.

Moores, Shaum. Media, Place and Mobility. London-New York, Routledge, 2012.

____________. Connectivity, Networks and Flows: Conceptualizing Contemporary Communication (Communication, Globalization and Cultural Identity). London-New York, Routledge, 2008.

Pink, Sarah. The future of visual anthropology. New York, London, Routledge, 2006

Roy, R. Ranian. Handbook of Mobile Ad Hoc Networks for Mobility Models. New York, Springer, 2011.

Spivack, N., Making Sense of the Semantic Web and, Twine. Disponível em: <http://novaspivack.typepad.com/nova_spivacks_weblog/2007/11/making-sense-of.html>. 2007. Acessado em 29 nov. 2010

Urry, John. Mobilities. Cambridge, Polity Press, 2007.

Wolton, Dominique. Pensar a comunicação. Brasília: UnB, 2004. Traduzido por Zélia Leal Adghirni. Tradução de Penser la communication. Paris: Flammarion, 1997.

Zizek, Slavoj. A visão em paralaxe. São Paulo, Ed. Boi Tempo. 2008.

Publicado
2013-12-15