A Linguagem Motion Graphics nos Videoclipes Brasileiros

Herom Vargas, Luciano de Souza

Resumo


Com o desenvolvimento das tecnologias digitais de edição, animação e pós-produção, a linguagem motion graphics se configurou como ferramenta criativa nas relações entre som e imagem. Este artigo tem como objetivo identificar e analisar aspectos inovadores da utilização da linguagem motion graphics nos videoclipes de artistas brasileiros, no período de 1990 a 2010. Por meio de categorias de avaliação relacionadas 1) aos softwares de composição visual, 2) à evolução da linguagem do clipe no período e 3) às relações entre música, vídeo e gráficos utilizados, quatro estágios de aplicação criativa dos recursos dessa linguagem nos videoclipes brasileiros foram estabelecidos.

Palavras-chave


motion graphics; videoclipe; MTV; tecnologia digital

Texto completo:

PDF

Referências


AUMONT, Jacques. A imagem. Campinas: Papirus, 1993.

BARBOSA JR., Alberto Lucena. Arte da animação: técnica e estética através da história. São Paulo: Senac, 2002.

BEHNEN, Severin Hilar. The construction of motion graphic scores. 2008. 208 f. Tese (Doutorado em Filosofia da Música) – University Of California, Los Angeles, 2008.

BENTES, Ivana. Vídeo e cinema: rupturas, reações e hibridismo. In. MACHADO, Arlindo (org.). Made in Brasil: três décadas do vídeo brasileiro. São Paulo: Iluminuras/ Itaú Cultural, 2007, p. 111-128.

BLOCK, Bruce A. The visual story: seeing the structure of film, TV and new media. Burlington: Focal Press, 2001.

BRYAN, Guilherme. Brazucas: análise do videoclipe Flores do Titãs. Disponível em: . Acesso em: 8 jan. 2012.

BRYAN, Guilherme. Videoclipe brasileiro – história, características e internacionalização. 2005. 137 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação) – Programa de Pós-Graduação em Comunicação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.

CARRASCO, Ney. Sygkhronos a formação da poética musical do cinema. São Paulo: Via Lettera/ Fapesp, 2003.

CARVALHO, Claudiane de Oliveira. Narratividade e videoclipe: interação entre música e imagem nas três versões audiovisuais da canção “One”, do U2. 2006. 175 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2006.

CHION, Michel. Audio-vision: sound on screen. New York: Columbia University Press, 1994.

COELHO, Lilian Reichert. As relações entre canção, imagem e narrativa nos videoclipes. In: Anais do XXVI Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. INTERCOM, 26, 2003, Belo Horizonte. PUC- MG, 2003.

ESCOREL, Ana Luiza. O efeito multiplicador do design. 3. ed. São Paulo: Senac, 2004.

FLUSSER, Vilém. The shape of things: a philosophy of design. Londres: Reaktion Books, 1999.

GALLAGHER, Rebecca; PALDY, Andrea Moore. Exploring motion graphics: the art and techniques of creating imagery for film & new media. Clifton Park: Thomson Delmar Learning, 2007.

GOODWIN, Andrew. Dancing in the distraction factory: music television and popular culture. Minnesota: University of Minnesota Press, 1992.

JANOTTI JR., Jeder; SOARES, Thiago. O videoclipe como extensão da canção: apontamentos para análise. Galáxia, São Paulo, v. 8, n. 15, p. 91-108, jun. 2008.

KRASNER, Jon. Motion graphic design & fine art animation: principles and practice. Burlington: Elsevier / Focal Press, 2008.

KRASNER, Jon. Motion graphic design: applied history and aesthetics. Burlington: Elsevier / Focal Press, 2009.

LEGUIZAMÓN, Juan Anselmo. Exploraciones Musicovisuales. Cuadernos. Facultad de Humanidades y Ciencias Sociales, Universidad Nacional de Jujuy, San Salvador de Jujuy, n. 17, p. 251-269, 2001.

LOIOLA, Thompson. Revista da MTV. Ano 1, nº 5. São

Paulo: Abril, 2001.

LUSVARGHI, Luiza Cristina. A MTV no Brasil: a padronização da cultura na mídia eletrônica mundial. 2002. 128 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação) – Programa de Pós-Graduação em Comunicação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2002.

MACHADO, Arlindo. A televisão levada a sério. 3. ed. São Paulo: Senac, 2003.

MACHADO, Arlindo (org.). Made in Brasil: três décadas do vídeo brasileiro. São Paulo: Iluminuras; Itaú Cultural, 2007.

MACHADO, Arlindo. Máquina e imaginário. 3. ed. São Paulo: Edusp, 2001.

MANOVICH, Lev. After Effects, or velvet revolution: part I. 2006. Disponível em: . Acesso em: 15 nov. 2010.

MANOVICH, Lev. Understanding hybrid media. 2007. Disponível em: . Acesso em: 05 nov. 2010.

MEGGS, Philip B.; PURVIS, Alston W. Megg’s history of graphic design. 4. ed. Hoboken, New Jersey: John Wiley & Sons, 2006.

MOURA, Mônica. Design de hipermídia: relações entre cultura, linguagem, transdisciplinaridade e informação. In: Anais do 3º Congresso internacional de Design da Informação. Recife, 2003.

NERCOLINI, Marildo José; HOLZBACH, Ariane Diniz. Videoclipe em tempos de reconfigurações. Famecos, Porto Alegre, n. 39, p. 50-56, ago. 2009.

SANTAELLA, Lúcia. As linguagens como antídotos ao midiacentrismo. Matrizes. nº 1, p. 75-97, out. 2007.

SEDEÑO, Ana María. La relácion musicovisual en el videoclip: Propuestas metodológicas y tipología. In: AGUILERA, Miguel de; ADELL, Joan E.; SEDEÑO, Ana Maria (Comp.). Comunicación y música I: Lenguaje y medios. Barcelona: Uocpress, 2008, p. 121-140.

SOARES, Thiago. Videoclipe, o elogio da desarmonia: Hibridismo, transtemporalidade e neobarroco em espaços de negociação. In: Anais do XXVII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. INTERCOM, 27, 2004. Porto Alegre. PUC-RS. 2004. CD-ROM.

VARGAS, Herom; GOULART, Elias. Tecnologia, comunicação e produção cultural: o exemplo da música popular. In: CAPRINO, Monica Pegurer. Comunicação e inovação: reflexões contemporâneas. São Paulo: Paulus, 2008, p. 161-199.

VELHO, João. Motion graphics: linguagem e tecnologia - anotações para uma metodologia de análise. 2008. 193 f. Dissertação (Mestrado em Design) – Curso de Pós-graduação em Design, Escola Superior de Desenho Industrial, Universidade Estadual do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2008.

WICKE, Peter. Rock music: culture, aesthetics and sociology. 3. ed. New York: Cambridge University, 1995.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais



ISSN: 2179-1465    |    Qualis: B2    |    Indexada em: SEER -  Periódicos CAPES -  DOAJ -  LivRe! -  LatindexDRJI - Diadorim - Sumários