A Grande Família: sitcom e a representação das relações familiares e amorosas

  • Vanessa Fernandes Queiroga Pita UFPB
Palavras-chave: sitcom, teleficção, relações familiares e amorosas

Resumo

O presente artigo tem o intuito de interpretar e analisar o seriado da Rede Globo A grande família, com o objetivo de investigar o formato da teleficção estudada, comédia de situações ou comédia de costumes, e observar quais os olhares que a série constrói sobre as relações familiares e amorosas na sociedade contemporânea, por meio da representação ficcional. Trata-se de um estudo com interesse estético e comunicacional, que se dá pela análise do discurso ficcional, e ambiciona promover e ampliar o entendimento de aspectos de um importante momento da teleficção brasileira contemporânea, configurado em A grande família.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vanessa Fernandes Queiroga Pita, UFPB
Graduada em Comunicação Social, possui habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal da Paraíba, onde foi bolsista PIBIC/ CNPq/UFPB durante dois anos, e mestranda do programa de Pós-Graduação em Letras, área Literatura e Cultura, pela Universidade Federal da Paraíba.  Atualmente, é bolsista da CAPES (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior) e integrante, há quatro anos, do grupo de pesquisa Ficção Audiovisual e Produção de Sentido, coordenado pelo professor Dr. Luiz Antonio Mousinho Magalhães. O grupo tem o intuito de promover discussões sobre obras de ficção audiovisual, buscando uma articulação entre as teorias da narrativa, da comunicação e do cinema em interface com outras disciplinas das ciências humanas, procurando compreender os textos audiovisuais em correlação com o seu contexto social.

Referências

BAUMAN, Zygmunt. Amor Líquido: sobre a fragilidade dos laços humanos. Tradução Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2004.

BERGSON, Henri. O riso: ensaio sobre a significação do cômico. Tradução Nathanael C. Caixeiro. Rio de Janeiro: Zahar, 1980.

COSTA, Lígia Militz da. A poética de Aristóteles: mímese e verossimilhança. São Paulo: Ática, 1992 (Série Princípios; 217).

COSTA, Maria Cristina Castilho. Ficção, comunicação e mídias. Coord. Benjamim Abdala Junior, Isabel Maria M. Alexandre. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2002 (Série Ponto Futuro; 12).

DEL PRIORE, Mary. História do amor no Brasil. 2ª ed., São Paulo: Contexto, 2006.

FRYE, Northrop. Anatomia da crítica. Tradução Péricles Eugênio da Silva Ramos. São Paulo: Cultrix, 1973.

FURQUIM, Fernanda. Sitcom: definição e história. Porto Alegre: FCF Editora, 1999.

GENETTE, Gérard. Discurso da Narrativa. Tradução Fernando Cabral Martins. Lisboa: Vega, 1980.

GUIMARÃES, Hélio. O romance do século XIX na televisão: observações sobre a adaptação de Os Maias. In: PELLEGRINI, Tânia Pellegrini; et al. Literatura, cinema e televisão. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2003. p. 91-114.

MACHADO, Arlindo. A televisão levada a sério. 4ª ed., São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2005.

MACHADO, Lia Zanotta. Famílias e individualismo: tendências contemporâneas no Brasil. Interface: comunicação, saúde, educação, Botucatu, v. 5, n. 8, p.11-26, 2001. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/icse/v5n8/02.pdf >. Acesso em: 8 out. 2008.

MATTA, Roberto. da. A casa e a rua: espaço, cidadania, mulher e morte no Brasil. 5ºed., Rio de Janeiro: Rocco, 1997.

______. Carnavais, malandros e heróis: uma sociologia do dilema brasileiro. 3ªed., Rio de Janeiro: Zahar, 1981.

MESQUITA, Samira. Nahid. de. O enredo. 2ª ed., São Paulo: Ática, 1987 (Séries Princípios).

MURARO, Rose Marie; BOFF, Leonardo. Feminino e masculino: uma nova consciência para o encontro das diferenças. 3ª ed., Rio de Janeiro: Sextante, 2002.

NUNES, Lauane Baroncelli. O ciúme nas relações amorosas contemporâneas. 2006. 146f. Dissertação. (Mestrado em Psicossociologia de Comunidades e Ecologia Social) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2006. Disponível em: <http://www.psicologia.ufrj.br/pos_eicos/pos_eicos/arq_anexos/arqteses/lauanenunes.pdf>.

Acesso em: 6 de Maio de 2009.

OTTOLINI, Vanessa. A Grande Família: o estudo dos figurinos e estereótipos de um cotidiano universal da sociedade brasileira. Projetos Experimentais.com, Rio de Janeiro, v. 1, n. 2 (1), p.118-136, 1º semestre de 2008. Disponível em: <http://e-publicacoes.com/index.php/PROJETOSEXPERIMENTAIS/article/viewFile/82/71>. Acesso em: 19 de mar.

de 2009.

PALLOTTINI, Renata. Dramaturgia de televisão. São Paulo: Moderna, 1998.

PELEGRINI, Sandra de Cássia Araújo. A teledramaturgia de Oduvaldo Vianna Filho: da tragédia ao humor – a utopia da politização do cotidiano. Revista Diálogos, Maringá, v. 5, n. 1, p.251-254, 2001. Disponível em: <http://www.dialogos.uem.br/viewissue.php?id=5>. Acesso em: 16 dez. 2008.

REIS, Carlos; LOPES, Ana. Cristina M. Dicionário de Teoria da Narrativa. São Paulo: Ática, 1988 (Série Fundamentos).

ROUDINESCO, Elisabeth. A família em desordem. Tradução André Telles. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003.

SARAIVA, Leandro; CANNITO, Newton. Manual de Roteiro, ou Manuel, o primo pobre dos manuais de cinema e TV. São Paulo: Conrad Editora, 2004.

SOUZA, José Carlos Aronchi de. Gêneros e formatos na televisão brasileira. São Paulo: Summus, 2004.

Como Citar
FERNANDES QUEIROGA PITA, V. A Grande Família: sitcom e a representação das relações familiares e amorosas. Revista GEMInIS, v. 1, n. 1, p. 139-164, 11.