Webséries: narrativas seriadas em ambientes virtuais

  • Daniela Zanetti Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)
Palavras-chave: websérie, teleficção, narrativa seriada

Resumo

O artigo trata do processo de migração de conteúdos audiovisuais da televisão para a Internet a partir do estudo das webséries, que mantém da tradição das teleficções as narrativas fragmentadas. Apresenta breves análises de algumas webséries brasileiras, tentando mapear elementos de similaridade e de distinção entre as séries feitas para ambientes virtuais e aquelas produzidas para a televisão, além de apontar contribuições teóricas e metodológicas pertinentes a esses novos produtos midiáticos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniela Zanetti, Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)
Doutora em Comunicação e Cultura Contemporâneas pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Professora do Departamento de Comunicação Social da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES).

Referências

ANDERSON, Chris. A cauda longa: do mercado de massa para o mercado de nicho. Rio de Janeiro: Elsevier, 2006.

BOLTER, Jay David; GRUSIN, Richard. Remediation. Understanding New Media. MIT Press, 2000.

CALABRESE, Omar. A idade neobarroca. Lisboa, Portugal: Edições 70, 1988.

CANNITO, Newton. A televisão na era digital. Interatividade, convergência e novos modelos de negócios. São Paulo: Summus, 2010.

CASETTI, Francesco; DI CHIO, Federico. Análisis de la televisión. Barcelona, Espanha: Paidós, 1999.

CASTRO, Gisela G. S. Cheia de Charme: A classe trabalhadora no paraíso da cibercultura. In: Ciberlegenda. Revista eletrônica do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal Fluminense (UFF). nº 27, 2002/2.

ECO, Umberto. Sobre os espelhos e outros ensaios. Rio de Janeiro: Ed. Nova Fronteira, 1989.

JENKINS, Henry. Cultura da Convergência. São Paulo: Aleph, 2008.

JOHNSON, Steven. Cultura da interface. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed, 2001.

KILPP, Suzana; FISCHER, Gustavo Daudt. Janelas de Flusser e Magritte: O que é, afinal, um webvídeo? Revista Intexto. Porto Alegre: UFRGS, v. 2, n. 23, p. 36-49, julho/dezembro 2010.

LA FERLA, Jorge. Cine (y) digital. Aproximaciones a posibles convergencias entre el cinematógrafo y la computadora. Buenos Aires: Manantial, 2009.

MACHADO, Arlindo. A televisão levada a sério. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2005.

MANOVICH, Lev. Novas mídias como tecnologia e ideia: dez definições. in: O chip e o caleidoscópio: Reflexões sobre as novas mídias. São Paulo: Senac, 2005

MORAES, Rogério de. Do drama à ficção científica, oito webséries para ver no computador. Revista Época São Paulo. Cultura. 29/02/2012. Disponível em: http://epocasaopaulo.globo.com/cultura/do-drama-a-ficcao-cientifica-oito-webseries-para-ver-no-computador/ Acesso em 11 de fevereiro de 2013.

NERCOLINI, M.J.; HOLZBAC, A. D. Videoclipe em tempos de reconfigurações. Revista FAMECOS, Porto Alegre, nº 39, p. 50-56, agosto de 2009. Disponível em

http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/revistafamecos/article/viewFile/5841/4235. Acesso em 11 de fevereiro de 2013.

PALLOTTINI, Renata. Dramaturgia de televisão. São Paulo: Moderna, 1998.

PINO, Rafael de. Séries que só passam na Web. Revista Época. Internet. 03/06/2012. Disponível em: http://revistaepoca.globo.com/Mente-aberta/noticia/2012/06/series-que-so-passam-na-web.html Acesso em 11 de fevereiro de 2013.

PRIMO, Alex . O aspecto relacional das interações na Web 2.0. E- Compós (Brasília), v. 9, p. 1-21, 2007.

ROMERO, Nuria Lloret; CENTELLAS, Fernando Canet. New stages, new narratives forms: The web 2.0 and audiovisual language. Hipertext.net - Anuario Académico sobre Documentación Digital y Comunicación Interactiva. Universitat Pompeu Fabra. Edição nº 6, 2008. Disponível em: http://www.upf.edu/hipertextnet/en/numero-6/lenguaje-audiovisual.html

SIBILIA, Paula. O show do eu - A intimidade como espetáculo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2008.

Publicado
2013-08-11
Como Citar
ZANETTI, D. Webséries: narrativas seriadas em ambientes virtuais. Revista GEMInIS, v. 4, n. 1, p. 69-88, 11 ago. 2013.
Seção
Dossiê